Wikia Shadowhunters BR
Advertisement
Wikia Shadowhunters BR
ALERTA DE SPOILER: Detalhes do enredo a seguir. Aconselhamos atenção!

Os Segredos da Mansão Blackthorn é um romance multimídia serializado que está sendo lançado online gratuitamente. A primeira carta foi lançada em 10 de julho de 2021, e as demais parcelas serão lançadas semanalmente de 16 de agosto de 2021 a agosto de 2022.

A história se passa aproximadamente a partir de janeiro de 2014 – cerca de quinze meses depois de Os Artifícios das Trevas e mais de um ano antes de Os Poderes Perversos – e vai se desenrolar ao longo de alguns meses. É centrado nos personagens de Os Artifícios das Trevas, mas também investiga a história daqueles de As Últimas Horas e As Peças Infernais por meio de livros e papéis antigos encontrados na casa.[1]

Descrição

Julian e Emma estão em seu ano de viagem quando a Clave lhes envia uma mensagem: "Limpem a Mansão Blackthorn ou a propriedade reverterá para a Clave." Em meio à desordem e ao abandono, eles descobrem segredos que a Mansão Blackthorn manteve escondidos por anos – mas primeiro eles descobrem um conjunto de apartamentos dos anos 1960, repletos de calças boca de sino e camisas floridas! Um elenco de personagens incluindo Cristina, Mark, Ty e Kit se juntam via mensagens de texto, postais e visitas na vida real.[2]


Emma e Julian de Os Artifícios das Trevas mudam-se temporariamente para Londres para consertar a Mansão Blackthorn em ruínas... apenas para descobrir que entre os vários objetos que pertenciam a seus ancestrais, pode haver uma presença espectral que lhes deseja mal...[3]

Histórias

Todas as histórias lançadas

Querida Cristina, de Emma

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 10 de Julho de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (10/07/2021)

Querida Cristina,

Eu ia tentar endereçar esta carta ao Chalé do Poliamor na Terra das Fadas, mas imaginei que talvez nunca fosse entregue. :) Ok, ok, eu estou brincando. Eu estou enviando para o Instituto de New York – Clary diz que vai guardá-la para você. Eu sei que Jules e eu temos surgido ao redor do mundo como bolas de pingue-pongue, mas nós finalmente nos estabelecemos aqui em Londres por pelo menos alguns meses, então você pode – e deve – me escrever de volta no Instituto de Londres – eu não tenho certeza se o lugar em que estamos ficando tem um endereço.

(E claro, eu poderia apenas ter te enviado uma mensagem de fogo, mas tenho muito a lhe contar. Então segura ai.)

Então, há um tempo atrás Jules e eu estávamos em Manaus, no Brasil, estudando o demônio Curupira, quando fomos chamados ao Instituto do Rio. Eles tinham uma mensagem para Julian. Sua tia-avó – sim, aquela que ele estava visitando quando você veio para Los Angeles pela primeira vez – tinha morrido. Realmente triste. E então, lembra da bela casa em Sussex onde ela morava? Bem, ela deixou para algum primo de quem ninguém ouviu falar, mas ela deixou pra Julian a Mansão Blackthorn. Que está caindo aos pedaços e ruínas em Chiswick (uma espécie de subúrbio de Londres). E então tivemos que vir aqui, por causa de um codicilo no testamento (hm, de acordo com o dicionário, é "um acréscimo ou suplemento que explica, modifica ou revoga um testamento ou parte de um"). Ou Julian tem que consertar o lugar, o tornando habitável novamente, em cinco anos, ou ele tem que doar para a Clave.

De qualquer forma, você sabe como Julian é. Ele se decide rápido. Nós passamos por um portal para Londres no dia seguinte após ele receber a notícia.

Eu estava pronta para comer bolinhos, beber chá e ir para a London eye (todas as coisas que não fiz na última vez que viemos a Londres, devido a estar sendo perseguida por fadas guerreiras impossíveis de matar). Mas isso foi antes de pegarmos um táxi preto do Instituto até Chiswick e realmente ver o lugar.

Uma polaroid que acompanhava a carta

Do lado de fora, parece um museu ou uma biblioteca antiga – você sabe, grandes colunas de mármore, grande escadaria, grande cúpula de metal no topo que parece que deveria ter um telescópio. (Não tem; eu verifiquei.) Mas por dentro é mais como um conto de fadas. Não, tipo, algo das Fadas. Ou algo de um filme de crianças. É como um daqueles contos de fadas em que um palácio em ruínas dorme por mil anos. Foi meio romântico, por cerca de cinco minutos. Então avistamos o primeiro rato, mordiscando a ponta da franja de uma das cortinas.

É uma mistura estranha de história interessante, arte antiga estranha e ruína total. Existem retratos legais de antigos ancestrais Blackthorn, a maioria intactos. Julian disse que não reconhece a maioria dos rostos. Alguns deles têm nomes escritos no verso da tela ou na moldura, mas além de "Blackthorn", nenhum dos nomes significa nada para nenhum de nós. Há baús de madeira cheios de livros e papéis antigos e belos terrenos cobertos de mato que, tenho certeza, já foram jardins e agora são a versão de uma selva Inglesa. Há uma estufa velha e uma pequena estrutura de tijolos estranha que não conseguimos descobrir. (Galpão de armazenamento? Sala de armas muito pequena?) O lugar inteiro está uma bagunça, e a maior parte da casa não é mais habitável de jeito nenhum. Alguém construiu um apartamento com "atualizações" em uma ala, provavelmente nos anos sessenta. (O apartamento, aliás, me lembra aquela loja vintage em Topanga para onde te arrastei. Lembra?) Quem viveu nele deixou um armário com todos os tipos de roupas vintage e há um papel de parede maluco estampados com padrões flores e arte moderna por toda parte. Pelo menos o apartamento tem eletricidade, água corrente e aquecimento, porque o resto da casa definitivamente não tem –

Eu voltei agora. Desculpa, tive que parar de escrever por um segundo. Julian estava me chamando. Ele estava no que provavelmente era um salão de baile? Mas, de qualquer maneira, ele deu um passo errado e seu pé atravessou o chão. (Não todo o chão, o que é um alívio. Mas definitivamente fez um buraco.) O salão de baile é grande e empoeirado, mas você pode ver há quanto tempo deve ter sido lindo e muito chique. Tem essas enormes portas francesas que se abrem para varandas de mármore, embora a maior parte do vidro das portas já tenha desaparecido.

Depois que libertei Jules do chão quebrado, eu achei que era minha única chance de tentar colocar algum juízo nele, então eu argumentei que este é um projeto gigantesco para duas pessoas que nunca consertaram uma casa antes, e que já temos um lugar perfeitamente bom para morar. E o tempo é melhor lá.

Jules, sendo Jules, demorou a responder, realmente pensando no que eu estava dizendo. Então ele disse: "Se você não quiser fazer isso, nós não temos que fazer. Você é mais importante para mim do que uma casa. Do qualquer casa."

"Não é que eu não queira fazer isso", eu disse. "Eu simplesmente nem sei por onde começar."

Jules explicou calmamente que ele esteve em contato com alguns construtores de fadas de algum tipo (hobgoblins talvez?), os quais estariam aqui na segunda-feira para fazer um "passo a passo". Em seguida, ele me abraçou e disse: "Eu sei que sempre podemos morar no Instituto L.A. Eu também amo lá. Mas se existe algum legado Blackthorn, é isso. Todos esses papéis antigos, quaisquer segredos que a casa esteja escondendo, eles são a história de nossa família. Eu quero passar para Dru, Ty e Tavvy. Eu quero dar a eles o que eu nunca tive."

Bem, o que eu poderia responder a isso? Eu entendo. Eu tenho Jem como a história da minha familia viva. Jules não tem nada parecido. E agora Aline e Helen comandam o Instituto de L.A. mas pode não ser pra sempre, e além disso, ele pertence à Clave. Eu entendo que ele sente que não pode doar uma grande parte da história da família dele sem dar a eles o poder de escolha no assunto.

Eu disse: "Tudo bem. Vamos ver o que podemos fazer. Se nós decidirmos que é demais, podemos realizar uma grande reunião de família e todos podem votar. Mantenha o lugar ou não."

Ele me pegou e me girou. Então nós começamos a nos beijar. Eu serei boazinha e não lhe darei os detalhes.

Então, decidi considerar tudo isso Uma Aventura. É como um sítio arqueológico, e somos intrépidos historiadores. Mais tarde, eu vejo se consigo convencer Jules a colocar um casaco de tweed e um capacete de medula enquanto examinamos os escombros. Porque quem morou aqui antes tinha um monte de coisas. É uma casa grande, e cada cômodo tem móveis com gavetas e armários, e dentro de cada gaveta e cada armário está lotado. Armas enferrujadas, livros molhados, caixinhas com mais coisas dentro, bijuterias, retratos de pessoas aleatórias, xícaras de chá quebradas... E lembre-se, nós estamos passando por isso sem nenhuma luz além de luzes enfeitiçadas.

De qualquer maneira, eu queria que você soubesse o que eu estava fazendo e onde estávamos. Nosso ano de viagem estava basicamente acabado de qualquer maneira, então esta é uma espécie de maneira de prolongá-lo e passar mais tempo juntos. Eu não estou triste com essa parte. Na verdade, eu estava indo muito bem me preparando psicologicamente para a escavação da História dos Blackthorn, até esta manhã.

Eu sei que eu disse que a casa parecia mal-assombrada, mas eu estava brincando. Na maior parte. Eu não sou o Kit; Eu não consigo ver fantasmas, a menos que eles queiram que eu os veja, e até agora não encontrei nenhum espírito ectoplasmático com mensagens do Além. Mas o lugar parece estranho – eu continuo me encontrando dobrando ao final de longos corredores cheios de teias de aranhas, como se eu esperasse ver algo nas sombras. Ou imaginando que vislumbro algo por cima do ombro no espelho. Eu atribuí tudo aos nervos até esta manhã, quando entrei na sala de jantar e vi que as palavras "VÁ EMBORA" estavam escritas na poeira do chão.

Eu literalmente pulei. Na verdade, eu estava pegando Cortana antes de me controlar. Não seja ridícula, pensei. Essa mensagem pode ter sido escrita em qualquer momento. Muito antes termos a casa. Poderia ter ficado parado aqui na poeira por anos, sem ser perturbado.

No entanto, eu tenho uma confissão a fazer. Esfreguei a mensagem "VÁ EMBORA" com o pé. Eu não queria que Julian visse. Ele já se preocupa demais do jeito que é. Eu não queria que ele tivesse o mesmo momento ruim de choque que eu tive, especialmente por causa de algo sem importância.

Eu me sinto melhor tirando essa história da minha cabeça para contar para você, no entanto. Nossa, Julian está me chamando de novo, eu mal posso esperar para ver no que ele passou seu pé desta vez. Eu escreverei novamente em breve, e enquanto um olá típico de Londres!

Amor para você e os meninos,

Emma

Querido Magnus, de Tessa

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 16 de Agosto de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (16/08/2021)

Querido Magnus,

Jem, Kit e eu estamos muito esperando sua visita. Em preparação, Kit tentou ensinar Mina a dizer seu nome. Ela está quase conseguindo, mas você pode ter que se contentar em ser chamada de "Agnes", já como ela tem problemas com o M – muito desafiador para ela, já como ela é tão desenvolvida em sua fala, assim como você diz que Max era. Você deveria tê-los ouvido na cozinha esta manhã: "Quem vem nos visitar, Mina?" "Agnes!" Eu acho que seu alter ego, Agnes, usaria lantejoulas e seria absolutamente mortal no uíste.

Obrigada por suas ideias sobre as proteções. Eu vou procurar labradorita na loja de pedras em Exeter. Eu tentei o que você sugeriu com as galinhas – consegui pegar emprestada uma galinha Orpington de um vizinho no último quarto da lua. Desde então, as galinhas parecem estar evitando Kit, então talvez funcione com os demônios também? (Embora você possa realmente dizer quando uma galinha está evitando alguém em vez de ser apenas uma galinha?)

Jem e eu estamos nos esforçando para conseguir um equilíbrio, mantendo Kit seguro e escondido ao mesmo tempo que proporcionamos a ele a vida mais normal que podemos. Nós não queremos trancá-lo em uma torre como uma princesa de conto de fadas – ele ficaria miserável. E Mina ficaria miserável, ela simplesmente o adora e vai para todo lado nas costas dele, agarrando a camisa dele com suas mãozinhas. Isso me lembra de como James e Lucie costumavam ser carregados nos ombros de Will. Suponho que os tempos mudam, mas as crianças nunca.

Nós estamos tentando dar liberdade a Kit da forma que podemos. Ele está matriculado na pequena escola da vila, onde alguns de seus amigos sabem sobre o Mundo das Sombras e outros não. Há um bando local de lobisomens com quem nos tornamos amigos, e alguns de seus filhos vão para a escola com ele. Eu comecei a desconfiar que Kit tem uma namorada, mas ele é reservado sobre isso. (Eu acho que isso é outra coisa que nunca muda nas crianças – o quão reservada elas são. Eu só espero que ele saiba que pode nos contar qualquer coisa. Especialmente relacionadas a demônios, ou no caso de Kit, as fadas. Cento e dez anos depois e eu ainda estou nervosa.)

Ele é um enigma, o nosso Christopher Jonathan Herondale. Sobre algumas coisas ele se abriu e está disposto a falar com Jem e comigo sobre elas livremente – o pai dele, e como foi crescer sendo capaz de ver todos os tipos de coisas peculiares, mas sem realmente entender o porquê. Sobre ser ensinado a temer os Caçadores de Sombras. Sobre suas preocupações com sua herança – o que isso significa, que tipo de poder ele pode ter. Eu acho que o frustra não saber.

Outras coisas ele não fala sobre. Nós perguntamos a ele sobre Ty, como você e eu conversamos, mas ele é como uma parede de tijolos sobre a amizade deles. O que quer que tenha acontecido, ele não vai falar sobre isso. Eu acho que a morte de Livvy também o atingiu com mais força do que imaginávamos. Eu o ouvi gritar o nome dela durante o sono, sempre dessa forma desesperadora. Às vezes ele diz: ‘Não se você fizer isso; Não se você fizer isso, Ty.’ Eu acho que seja lá pelo que eles brigaram, deve ter sido horrível. Mas as pessoas podem ser terríveis quando estão de luto; nós dois sabemos disso.

Kit e Mina brincando com Max, Rafe e Church

Você provavelmente pode ver, por tudo que eu disse, o quanto eu – o quanto nós – amamos Kit. Eu simplesmente o amo, Magnus, como se ele fosse meu. Ele é meu. Eu mataria qualquer um que quisesse machucá-lo, assim como protegeria Mina ou Jem com minha vida. Eu nunca pensei que teria isso de novo, essa família perfeita que amo tanto que dói. Estranho, depois de tantos anos, ficar tão surpresa com os próprios sentimentos – mas imagino que seja o mesmo para você, não é? Falando nisso, espero que você, Alec e as crianças estejam bem. Por favor, deixe Max saber que encontramos sua capa de super-herói – estava dentro do piano.

Eu estou anexando uma foto de sua última visita aqui. Como todos eles são adoráveis!

Com amor,📷

Tessa

Julian para Mark

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 23 de Agosto de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (23/08/2021)

Mark Blackthorn

& Helen Blackthorn

Instituto de Los Angeles

Malibu, CA

Querido Mark,

Não se preocupe com o rolo de pergaminho ainda, vou falar sobre isso no final da carta.

Olá de Chiswick! Se pronuncia chizzick, fica logo depois da Londres central e é uma ruína colapsando. A casa, quero dizer, não a vizinhança que é acolhedora, um pouco suburbana, cheia de espaços verdes, silêncio. Você gostaria.

Eu devia ter entrado em contato antes, eu sei disso — e sinto muito.

Nós tivemos que vir rápido para salvar esse lugar e eu sei que uma mensagem de fogo não chegaria em você. A mansão Blackthorn pode ser uma ruína, mas é nosso legado de família, uma das poucas coisas que nós herdamos do passado Blackthorn. Eu tenho essa sensação de responsabilidade, uma necessidade de preservar o lugar para Tavvy e Dru, para Ty e Liv—bom. Você sabe.

Era nós ou a Clave, e eles teriam derrubado e colocado qualquer coisa no lugar. Está tão destruída que derrubar seria um movimento mais prático. Mas é nossa, e eu meio que amo ela. Quer dizer, se a gente não amar, quem vai? Pode ficar linda novamente, eu acredito nisso. Você devia visitar quando tiver uma oportunidade—todos vocês aí estão convidados, é claro—mas fiquem sabendo que se vierem nos próximos meses, vocês vão ser colocados para trabalhar.

Estimativa do contratante brownie

O que me leva ao pergaminho, que é a estimativa e o contrato das fadas construtoras para a renovação da casa. Eu estava esperando que Kieran e você possam olhar e ver se tem algum truque de fadas, tanto em questão dos valores serem razoáveis, mas também ter certeza que eles não vão levar Tavvy se atrasarmos os pagamentos, esse tipo de coisa. Elas foram muito bem recomendadas—elas são duendes? Eu acho? Elas parecem com grandes gnomos de jardim. Quer dizer, provavelmente são os chapéus pontudos. Elas poderiam tirar, é claro, mas eu acho que gostam deles. Elas devem saber que parecem gnomos de jardim.

De todo jeito, elas parecem confiáveis e trabalhadoras e tudo mais. Mas as fadas adoram enganar os humanos. Me digam o que vocês acham.

Oh, eu devia explicar que tem uma parte da casa que está toda em forma e tem todas "conveniências modernas", como eles falam aqui. Foi refeita nos anos 60 e, bem... é descolada. As facilidades eletrodomésticas são tão modernas quanto a moda da época. Eu não tenho certeza se você entenderá essa piada, mas não se preocupe com ela, é bem idiota. A coisa é, eu não tinha pensado sobre isso, mas eu notei que isso deve ter sido arrumado por nosso avós. A data é certa. Então deve ter sido onde o pai viveu algum dia. E tio Arthur. É onde eles cresceram. E eu percebi que eles também devem ter sido descolados. Arthur. Deve ter sido bem descolado. Em algum momento.

Eu só quero que você absorva isso por um momento como eu absorvi. Cria um sentimento que eu acredito que nunca foi sentido antes no mundo. Você devia ver as roupas. Sério. Você devia ver. Tem uma loja com roupas vintage por aqui e nenhuma delas combina comigo. Você pode ficar à vontade para pegar, mas é tudo com tecido sintético e não combinaria com o reino das Fadas.

Eeeeee eu sei que estou divagando. Eu estava tentando evitar falar sobre isso, mas tem algo sobre essa casa. Me lembra de algumas noites que nós passamos andando no Instituto, em casa. O que eu sei que é esquisito, Londres não poderia ser mais diferente das montanhas de Santa Monica—Eu sinto falta do cheiro forte de fogo no ar, o cheiro do chaparral e da salvia, a sujeira aspera sob nossos pés. (Você sente falta também? Eu sinto que deve ser bem diferente de onde você está no reino das Fadas.) Mas tinha muitas vezes, especialmente quando éramos mais novos, quando falamos sobre histórias de fantasmas e nos assustamos achando que tinha alguém nos observando. Talvez algo estivesse, mas eu agora estou inclinado a pensar que era algo amigável. Aqui nessa casa eu tenho a mesma sensação de estar sendo observado, como se tivessem olhos me seguindo, sombras que eu vejo com o canto dos olhos e que somem quando eu viro para olhar.

Enfim, eu queria muito que você estivesse aqui. Eu falaria sobre isso com Emma, mas não quero assustá-la. Ela começou o grande trabalho de passar por décadas de papéis e jornais que pertenceram às pessoas que viviam aqui e eu comecei a pintar o salão de baile. Eu sei que Emma tem estado em contato com Cristina, então mande meu amor para ela e para K também!

Seu amado irmão,

Julian.

Ps. Agora eu me dei conta que não sei onde essa carta te encontrará, então quero deixar claro que "todos estão convidados" é para o Instituto de Los Angeles, e não para todos da Corte Unseelie

Emma para Dru

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 30 de Agosto de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (30/08/2021)

Querida Dru,

Hey, morceguinha! Como está a Academia dos Caçadores de Sombras? Ainda está se divertindo? Como está a colega de quarto — é Thais o nome dela, né? Como é ter uma colega de quarto? Eu sempre tive vontade de ter entrado na Academia, mesmo que o tempo seja melhor na Califórnia. Mas você gosta de coisas trevosas e sombrias! Apenas, você sabe, tente tomar um solzinho às vezes, tá bom? Enquanto eu sei que você gosta da sua palidez fantasmagórica, vitamina D é algo real.

Não que a gente esteja pegando algum sol aqui em Chiswick, onde a Inglaterra é completamente Inglaterra com o tempo. Eu acho que combina com a casa, no final das contas. Você vai amar esse lugar quando vier aqui, aliás. É o prédio mais gótico que você já viu. Todo o lugar é cheio de estátuas em ruínas e papéis de parede desbotados com manchas assustadoras e MUITOS galhos de amoreiras escuras—

Hm, eu acho que faz sentido que tenha muitos espinhos escuros na Mansão Blackthorn. Ainda assim, é um saco cortá-los. Porque seus ancestrais não procuraram coisas menos pontudas? Ela pertenceu aos Lightwood por anos, porque não tem madeiras claras? Nós nunca saberemos.*

CJ diário de Tatiana 01.jpg

(Eu sempre esqueço sobre os Lightwood porque eu penso aqui como a Mansão Blackthorn, mas eu encontrei o diário de uma garota que cresceu aqui, escondido em uma das madeiras do piso. Muito antigo, lá de 1870. Ela era apenas uma Caçadora de Sombras adolescente da época, reclamando de lições entediantes de história e detestáveis irmãos mais velhos. Coisas normais! Ela está com uns 13 anos onde estou lendo, mas passa por alguns anos. O nome dela era Tatiana Lightwood. Me pergunto se Isabelle e Alec já ouviram falar dela).

Enfim, Jules está trabalhando duro para deixar o lugar menos assustador, mas acredite em mim, ainda será mais gótica do que uma meia arrastão quando você conseguir ver. Levará anos até que a gente termine de se livrar dos corredores cheios de gaiolas vazias e livros em decomposição e esse barulho esquisito nas paredes. Essa casa é grande. E extremamente detonada.

E também... É assombrada. Acho que no início nós dois estávamos em negação. Eram só coisas esquisitas se movendo nas sombras, partes geladas em cantos — e se esse fosse um dos filmes mundanos que você gosta, nós ainda estaríamos debatendo sobre o que estava acontecendo. Mas nós somos Caçadores de Sombras. Nós sabemos que fantasmas existem. E nós finalmente conversamos e assumimos um para o outro que definitivamente tem um nessa casa. Alguém está movendo pequenos objetos e tocando piano a distância. Mas eles não parecem particularmente hostis. Pode ser um pouco de poltergeist ou talvez um espírito inquieto. Eu passei por uns papéis e é óbvio que Alguma Coisa Aconteceu Por Aqui em algum ponto, muitas estranhas referências a demônios e amarrações. (Oh, e eu guardei algo para você. É um corvo empalhado coberto de flores, acho que era parte de um chapéu exagerado). Então o potencial para espíritos inquietos está aqui. Mais uma coisa para lidar junto com tudo que é preciso para os novos ralos. (O que, exatamente, são ralos?)

Enfim, eu mal posso esperar para ver você e sim, eu passei boa parte da carta falando sobre a casa, mas na verdade o que eu quero ouvir é sobre a Academia e sobre sua colega de quarto e sobre professores, tipo, a Catarina está aí? E Ragnor? Você tem visto Jaime? Me conte tudo!

Beijos,

Emma.

Ps. Eu acabei de descobrir quem que Tatiana Lightwood pensava que era o garoto mais fofo de Londres. Will Herondale. Não é esse o cara que Tessa era casada há um bom tempo atrás? Será que ela vai se divertir com isso? Bom, é um pouco divertido. Sempre um Herondale, sabe?

Do diário de Tatiana Lightwood. 27 de dezembro de 1873

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 6 de Setembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (06/09/2021)

Eu odeio Will Herondale.

Eu odeio Will Herondale.

Eu ODEIO Will Herondale.

Como eu posso ter sentido algo além de ódio por ele, com seu nome ridículo e seu sotaque gales infernal e seu rosto absurdamente bonito! Argh! Esse monstro horrível leu meu diário EM VOZ ALTA na festa de Natal do Instituto. No palco, no salão de baile. Para todo o Enclave.

Todas as coisas onde escrevi meu nome como Srª Tatiana Herondale. Todos os pedaços onde escrevi poemas sobre seus olhos absurdamente azuis, como eu estremeço agora ao lembrar disso! Como eu queria que Elise Penhallow nunca tivesse parado de tocar a espineta e dado a ele a oportunidade de começar a ler EM VOZ ALTA. Eu queria que ela ainda tivesse tocando agora e pelo resto da eternidade e que Will Herondale fosse completamente afogado pelo barulho. A HUMILHAÇÃO não tem como ser suportada. Ele é um MONSTRO. Gideon apenas ficou lá parado como um palerma. Gabriel teve a decência de tentar defender minha honra e teve seu braço quebrado, o que era o mínimo que ele poderia fazer, sinceramente.

Eu imagino que é melhor que eu tenha descoberto a VERDADEIRA NATUREZA e a INTENÇÃO MALDOSA de Will Herondale antes tarde do que nunca. Mas não teria como eu descobrir de outra forma? Um sussurro comentado cruelmente — um ato de brutalidade às custas de outra pessoa — mas não. Todo o Enclave apenas parado lá, olhando para mim e sussurrando, sussurrando.

Claro que o pai me disse na carruagem no caminho de casa que eu tinha desgraçado todos nós e o bom nome da família Lightwood também. Gabriel ficou de cara feia todo caminho, mesmo que as runas de cura tivessem tirado toda a dor dele, então não tinha motivos para ele ser tão rabugento. Nada disso era sobre ele. Gideon pegou minha mão e disse "Não se preocupe, Tati. Todos se esquecerão disso antes que você perceba." Eu olhei pela janela da carruagem e o ignorei. O que ele poderia sequer entender sobre o machucado que fizeram em mim? Nada, porque ele é um idiota.

Uma pintura de um orc e uma barata demônio[4]

Quando nós chegamos em Chiswick eu pensei em queimar o diário porque eu não conseguia mais olhar para ele. Will o arruinou. Eu fui até meu quarto e arranquei as páginas, então rasguei cada uma em pedaços. Eu olhei para o fogo, que estava cheio de brasas, mas não consegui colocar os restos do diário nas chamas, desgraçando nossa família ou não. Essas páginas estavam cheias de minhas ideias, reflexões e observações fascinantes—sobre o Enclave de Londres, sobre os atos heróicos de meu pai, sobre a forma precisa do nariz de Elise Penhallow e o que isso dizia sobre a personalidade terrível dela—e eu descobri que não queria ver essas palavras se curvarem e virarem cinzas. Ao invés disso, coloquei as páginas arrancadas na minha bolsa verde de seda e fui nas pontas dos pés pelo corredor. Eu escondi elas no antigo buraco de rato atrás de uma das pinturas de meu pai sobre demônios fazendo coisas peculiares. (Eu não sei porque ele as coleciona, mas imagino que eu ainda não desenvolvi um gosto pela arte). Eu voltei rápido para meu quarto e joguei a espinha do livro e as capas no fogo.

Eu estou começando um novo diário no qual eu não mencionarei W.H. de modo algum.

Exceto agora. Essa é a última vez.

Mas vou fazer ele pagar. Não importa quanto tempo tenha que esperar.

Emma para Diário

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 13 de Setembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (13/09/2021)

Querido Diário,

É assim que se deve começar, certo? Eu me sinto meio boba escrevendo isso, já que nunca pensei que escreveria um diário, mas o que posso dizer? Acho que Tatiana Lightwood me inspirou. Eu sinto que deveria dar um nome ao diário, algo amigável, para poder escrever "Querida Clara" ou "Querido Bruce" em vez de Querido diário. Bruce está crescendo em mim, na verdade.

Então, eu pensei que poderia usar isso para organizar meus pensamentos. Eu tenho anotado coisas em pequenos cadernos o tempo todo que Jules e eu estamos viajando. (Você sabia que existem muitas criaturas fadas que foram incorretamente classificadas como demoníacas pela Clave? Como Curupiras? A maioria dos antigos bestiários precisa urgentemente de correção.)

Na verdade, é muito estranho ficar parada depois de correr ao redor do mundo por quase um ano. Julian realmente se dedicou a esse projeto de restauração. Eu acho que apela ao seu senso de cuidado e deliberação. Ele adora trabalhar com as mãos (e gosto de vê-lo trabalhar com as mãos) e destrinchar projetos. Além de tudo, ele está pintando um mural no salão de baile. Ele não me deixa entrar para ver. Ele diz que é uma surpresa, então eu tenho que viver em suspense, eu acho!

Eu realmente espero que quando este lugar estiver todo consertado, isto faça alguma coisa que não o deixe assustador. Eu brinquei com Dru sobre isso quando escrevi para ela, mas ainda tenho a sensação de que as coisas estão observando em cada sombra. Mesmo quando eu coloco minha luz de bruxa no mais claro, ela apenas destaca as estranhas rachaduras nas paredes e as estranhas manchas no gesso. Eu não posso explicar, mas me sinto que há muito tempo, algo horrível aconteceu aqui. São os calafrios que sobem e descem pela minha espinha, e na forma estranha como o vidro das janelas fica embaçado sem motivo, ou no estranho ponto frio no meio da escada. Eu continuo querendo pegar Cortana, mas este não é o tipo de coisa contra a qual você possa lutar. É só uma sensação.

E às vezes não está lá – eu passei uma tarde perfeitamente normal hoje vasculhando caixas no que costumava ser a cozinha. Nós tiramos muitos delas do porão (que é tão ceio de aranhas que planejo chamá-lo de agora em diante como Cidade das Aranhas. Eu não vi tantas aranhas desde Thule. *arrepio*)

Algumas das caixas contêm coisas perfeitamente normais nelas. Há alguns belos talheres e porcelanas que pertenceram a alguém chamada Barbara Pangborn (deve ter se casado com um Lightwood ou Blackthorn). Lençóis elegantes e toalhas de mesa com o símbolo de espinhos dos Blackthorn tecido nas bordas. Uma grande caixa de brinquedos quebrados e bonecas de porcelana com a inscrição "Grace Blackthorn". Havia uma adaga com runas enfiada entre as cabeças de boneca quebradas, então meu palpite é que ela era uma garotinha começando a treinar. Aw! (Embora as cabeças das bonecas sejam assustadoras.)

Julian entrou quando eu estava desempacotando as malas e decidiu ajudar limpando a grade da lareira. Ele ficou completamente coberto de fuligem e estava tossindo, então eu o arrastei para a ala moderna, tirei sua camisa e comecei a limpá-lo. E bem, ele estava sem camisa e sujo e olhando para mim com aqueles lindos olhos verde-azulados e o que posso dizer?

Eu pulei nele. Nós voltamos para o quarto nos beijando como loucos e caímos na cama e espalhamos poeira em todos os lençóis e valeu a pena. (E esses são todos os detalhes que você consegue, Bruce. Pare de perguntar.)

Eu não posso acreditar que um dia pensei que Jules e eu éramos apenas amigos. É quase como se eu o amasse tanto que não conseguia ver tudo, o quão grande era. Eu estava ali dentro, procurando por aquele tipo de amor sem perceber que estava cercada por ele. Isso faz sentido, Bruce? Eu não sou uma escritora, então provavelmente eu sou péssima em expressar esse tipo de coisa! Eu sei que muitas vezes sinto que deveria dizer mais a Julian que o amo, mas ele nunca diz nada sobre isso, então tento dizer a ele de outras maneiras que não com palavras. A maneira como me encosto contra ele quando dormimos, a maneira como venho por trás dele e o abraço quando ele está se concentrando em algo (não quando ele está pintando, ou haveria manchas em todas as telas!) A maneira – espere um segundo. É alguém batendo na porta?

[Uma hora depois]

Bruce! Você não vai acreditar, mas Cristina está aqui! E Mark e Kieran estão com ela! Eu nem sei como Kieran conseguiu fugir da Terra das Fadas – algo sobre ele fazer um voto à terra de que estaria aqui por menos de três pôr do sol – mas eu estou tão feliz em vê-los! Cristina e eu dançamos como loucas e nos abraçamos, e de alguma forma Mark e Kieran conseguiram convencer Julian de que deveríamos sair hoje à noite e ver Londres. Todos nós vamos usar roupas do armário super legais dos anos 60 e ir a tantos pubs quanto pudermos. Eu mal posso esperar, Jules e eu precisamos de uma pausa. Londres, ai vamos nós! Se preparem para festejar, Caçadores de Sombras!*

*E um Rei das fadas.

Os Embalos de Londres à Noite

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 20 de Setembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (20/09/2021)

Kieran para General Winter

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 27 de Setembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (27/09/2021)

General Winter,

Três pores do sol. Eu falei, eu tenho três pores do sol. Eu voltarei nesse tempo. Não é um tempo muito longo. E ainda assim você escreveu para mim, gastando seu valioso tempo e o meu porque você não podia esperar três pores do sol para saber se eu prefiro veludo em azul meia-noite ou em um tom mais berinjela, acredito que foi essa sua dúvida.

Me perdoe por meu temperamento. Não estou realmente bravo com você, estou apenas um pouco fora de mim essa manhã depois de uma noite de farra e capricho nas ruas da cidade de Londres junto com meus amigos Nephilins. Agora, obviamente qualquer festança de fadas contém delícias sombrias que os mortais podem apenas sonhar e assim por diante. Mas depois da noite passada, eu devo conceder um respeito relutante para a capacidade de festejar de um grupo inesperado: os homens de negócio de meia idade de Londres. Na nossa jornada nós encontramos o que aqui é conhecido como "Festa de Aposentadoria", um tipo de festança móvel que esses homens de negócios atravessam a cidade em celebração de um escolhido. Nesse caso, eu apenas o conheci como "Kraig".

Nós encontramos sua festa três vezes naquela noite! Na primeira vez, em Língua e Uvas, nós compartilhamos apenas um reconhecimento mútuo de outros celebrantes por quem cruzamos a noite. Na segunda vez, na pousada do Lobisomem Barbeado, rugidos mútuos de reconhecimento das duas festas e uma troca cerimonial de bebidas, como é costume. E na terceira vez, em O Pombo & A Colher, nós fomos recebidos e—com grande honra—introduzidos como membros honorários da festa, onde fomos agraciados com chapéus festivos e batas de jérsei de algodão proclamando a majestade do grande Kraig.

Então você deve entender que se eu estou com a paciência um pouco mais curta do que eu deveria nesse dia, é porque eu estou com uma dor de cabeça monstruosa gerada por muito do que os mortais chamam de "Panaché", uma bebida repulsiva que bate como uma kelpie zangada. Vou me esforçar para responder às suas perguntas o melhor que eu puder.

Eu gosto do azul meia-noite para a sala do trono. Eu acho que combina bem com as trepadeiras rastejantes também e acho que você estava insinuando que também prefere. Em seguida, eu estou de acordo que a estética geral da sala do trono deve se mover na direção de uma sensação abundantemente gótica ao invés do clima preferido de seu ocupante anterior de "paisagem infernal maldita". Vamos lembrar a nossa Corte que nós somos a Lua, como a Corte Seelie é o Sol, ao invés deles serem belos e nós sem bom gosto.

Contudo, eu discordo sobre as caveiras. Eu acho que elas devem ficar. Caveiras são perfeitamente apropriadas para um visual bem gótico. Na verdade, tenho dificuldade em pensar em um estilo em que os crânios não sejam uma presença melhor. Se tal estilo existe, definitivamente não seria uma boa escolha para a sala do trono do Senhor Unseelie, vamos pelo menos concordar nisso.

Estou angustiado em saber que a Corte Seelie continua a rejeitar meus pedidos de paz. Você estava certo quando falou suas suspeitas antes; eles estão reservados, demais até mesmo para eles. Vamos ver se nossos soldados descobrem algo, mesmo que em minha experiência já notei que nossos soldados têm tendência a entrar em um romance proibido com os soldados da Seelie e então eles fogem juntos, já perdemos quatro de cinco assim. Acho que o que eu quero dizer é que não estou criando expectativas.

Você não precisa sugerir que eu entre em contato com Adaon; ele é meu irmão e eu falo com ele às vezes. Sempre que eu falo sobre a possibilidade de uma corte unida, ele diz a mesma coisa: que agora não é tempo de união. É tempo de preservar a paz frágil entre as duas cortes.

E, por falar em paz frágil, eu devo saber—seus soldados descobriram algo mais sobre a estranha presença que foi notada no reino das fadas e se é benéfica ou antagônica aos nossos interesses?

Eu confio que você conseguirá manter a Corte em ordem enquanto eu estiver ausente pelas 36 horas que ainda restam. Se precisar selecionar mais cores antes do meu retorno, eu digo que vá com seu instinto, que sempre funcionou muito bem.

Até então, tenho a honra de permanecer Seu Eterno Soberano, Mestre do Hob e Domovoi, Rompedor das Terras Partidas, Coroa Sob a Colina, Estrela Negra da Noite, Amigo de Kraig e Rei da Corte Unseelie —

Kieran.

Mark para Ty

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 04 de Outubro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (04/10/2021)

Cumprimentos e saudações, Tiberius.

Espero que esta carta encontre você bem na Scholomance. De minha parte, estou com uma certa ressaca. Fomos aos clubes de Londres e acabamos sendo levados pelas festividades da festa de aposentadoria de Kraig. "Quem é Kraig?", você pode perguntar. Essa é uma pergunta muito boa, Tiberius. Desde esta manhã, não tenho ideia.

Você ficará aliviado em saber que nada disso é o motivo pelo qual eu estou escrevendo para você. É mais sobre o que aconteceu depois.

Como você sabe, Julian e Emma estão ficando na Mansão Blackthorn, tentando consertá-la. Emma tem mexido em pilhas de papéis velhos e coisas efêmeras, e Julian tem lidado com os detalhes dos reparos necessários. Julian também mencionou que está trabalhando em um mural, embora o mantenha coberto com um pano, então não sei o que mostra. Seja qual for o assunto, fico feliz que ele esteja encontrando tempo para pintar.

Esta é minha primeira visita a Mansão Blackthorn desde que eu era criança, e devo dizer que Julian e Emma têm um trabalho difícil para eles. Principalmente porque a Mansão parece ser assombrada.

Sim, assombrada. Eu acordei cedo esta manhã com o som de uma exclamação. Tendo desmaiado na escada por algum motivo, eu estava do outro lado do corredor do salão de baile, onde encontrei Julian prestes a passar mal. Havia tinta derramada por todo o chão do salão de baile. Julian está trabalhando no mural lá em cima e ficou bastante chateado com a bagunça. Eu me perguntei se os animais selvagens poderiam ter sido os responsáveis – o lugar certamente parece que pode estar abrigando vários bandos de guaxinins ardilosos* –, mas então eu vi que havia pegadas na pintura. Eles pareciam ser sapatos antigos, diferentes de qualquer sola que eu já tinha visto. Como a própria casa contém muitas peças de roupas de épocas anteriores, procuramos por sapatos correspondentes, mas não encontramos nenhum.

Eu senti uma espécie de calafrio no salão de baile que me lembrou de meu tempo com a Caçada. Uma insinuação do frio da sepultura. Eu suponho que seja por isso que estou inclinado a concordar com Emma e Julian que essa bagunça é obra de um fantasma travesso, e não de um vagabundo arrombador de casa vestido de maneira estranha. (Emma mencionou o termo 'cosplay', mas eu não sei o que isso significa.)

Julian, sendo quem ele é, se culpa. Ele fica resmungando sobre como não deveria ter saído, como é sua responsabilidade cuidar do lugar e assim por diante. Você sabe como ele pode ser duro consigo mesmo. Eu odeio ouvir isso. Eu gostaria de chegar ao fundo disso – pelo bem de Julian, pela restauração da casa e pelo bem de todos nós, porque limpar tanta tinta não foi agradável, especialmente com uma forte dor de cabeça – e que é por isso que estou apelando a você, Ty, por ajuda. Você está no Scholomance e, como aluno, tem ao seu alcance uma vasta quantidade de livros, árvores genealógicas e registros históricos. Você poderia olhar e ver se há alguma referência a Mansão Blackthorn, anteriormente na Residência de Chiswick, sendo assombrada? Se soubermos quem é o fantasma, será muito mais fácil dispersá-los – colocá-los para descansar, devo dizer. Eu não consigo imaginar que seja agradável ser um fantasma.

Por favor, responda a Julian com qualquer informação, pois infelizmente Kieran, Cristina e eu devemos partir depois de amanhã; Kieran não pode ficar longe da Terra das Fadas por muito tempo e Cristina e eu temos trabalho a fazer em New York.

Eu devo ir – Kieran veio me buscar. Cristina e Emma prepararam um chá com creme em um esforço para aliviar o clima. Kieran me garante que os sanduíches são extremamente pequenos e que ele mesmo cortou as cascas com grande precisão.

Eu amo você, Tiberius. Eu queria que você estivesse aqui conosco, mas sei que está fazendo um ótimo trabalho na Scholomance. Eu tenho orgulho de ser seu irmão.

MARK

* Julian me informa que não há guaxinins na Inglaterra, independentemente que os filmes da Disney possam ter indicado o contrário. Eu não consigo expressar a profundidade da minha sensação de traição.

Ty para Julian e Emma

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 11 de Outubro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (11/10/2021)

Oi, Julian e Emma.

Tem muitas coisas nesta carta, por isso eu a fiz em uma ordem listada:

  1. Não se preocupem. O objeto que inclui não é perigoso e não corre risco de explodir. (Óbvio.) (Quando a professora Hardcastle me viu embrulhando-o, ela sugeriu que eu falasse primeiramente que não é uma bomba. Eu disse a ela que vocês sabem que eu nunca mandaria algo perigoso sem tomar as devidas precauções. Ela disse sim, mas parece com uma bomba).
  2. Eu comecei a olhar os registros. Até agora nada sobre a Mansão Blackthorn ser assombrada. Muitas coisas esquisitas aconteceram aí no passado, então é definitivamente possível que tenham fantasmas que nunca foram relatados. Mas eu aposto que muitas coisas esquisitas aconteceram em todas as grandes e velhas mansões dos Caçadores de Sombras. Todas elas são assombradas? Agora que eu penso nisso: é possível.
  3. Eu não terminei os registros ainda, só deixando vocês saberem o que eu encontrei até agora. Ainda estou procurando. A biblioteca é grande e a Tropa a deixou muito desorganizada. Então encontrar determinados documentos pode ser um desafio. Genealogias não são difíceis de encontrar, mas devido a todos os casamentos entre os os Caçadores de Sombras, há muito rastreamento de ancestrais e referências cruzadas, e sim, eu sei o que vocês vão dizer, e eu gosto de referências cruzadas, mas a quantidade ainda é enorme. Também, a professora Loss me avisou que muitas das árvores genealógicas das famílias dos Caçadores de Sombras não são precisas e teve um período onde as famílias dos caçadores de Sombras criavam árvores genealógicas fantasiosas, como uma... lista de casamentos desejados. Mas há alguma verdade precisa por trás de toda essa bagunça e eu estou decidido a encontrá-la.
  4. A única coisa que eu descobri que pode ser útil até agora é que o lugar antes de ser a Mansão Blackthorn, era a Mansão Lightwood, e foi ocupada por volta do meio do século 19 por um Benedict Lightwood que entrou em algum tipo de problema legal. Não tenho certeza de qual tipo. A morte dele foi registrada como uma "desventura", mas isso pode significar qualquer coisa. Oh, e tem relatos de demônios sendo encontrados nas premissas em vários pontos do chão, mas isso não significa nada, às vezes demônios só gostam de vagar em lugares.
  5. Vocês provavelmente acharão essa falta de informação frustrante. Eu acho frustrante. Estou me devotando a descobrir essa história da Mansão do jeito de Sherlock Holmes, mesmo que não tenha o chapéu comigo.
  6. No tópico da Scholomance e como estou por aqui: Eu tenho programado uma grade curricular, com a ajuda da professora Loss, indo na direção de investigação e detecção. Até agora inclui: Sinais & Sigilos, Alquimia (o mais próximo que chegarei de forense), Rastreamento, Direito e Relações com o Submundo (aparentemente, essa costumava ser uma verdadeira loucura nos dias pré-Acordo, quando era chamado de "interrogatório". Os professores mais velhos ainda chamam assim às vezes). Vocês verão a omissão gritante aqui. Preciso de um curso de criminologia, mas a matéria é datada apenas do final dos anos 1800, e isso não é perto o suficiente para que a Scholomance consiga montar uma classe agora. Eles se movem muito lentamente.
  7. Isso é provavelmente mais um 6A. Um amigo sugeriu que eu elaborasse meu próprio curso sobre a história do crime não mundano. Pareceu legal pra mim, então eu tenho feito isso além do meu próprio trabalho acadêmico.
  8. CJ Anush & Ty 01, SoBH.jpg
    O objeto. Já que a situação parece urgente e eu não tenho muito ainda, Anush e eu corremos para juntar isso para você. É um sensor modificado – ao invés de pegar energias demoníacas, ele capta energias espectrais. Pelo menos é para fazer isso. O design é teoricamente muito bom, mas admito que é apenas o primeiro protótipo. Normalmente eu gostaria de fazer várias revisões antes de compartilhar com qualquer um, mas confio em vocês. Então eu espero que funcione e que ajude vocês a se sentirem melhores sobre a casa. Eu ficaria feliz se vocês me falassem qualquer coisa sobre isso, do que não funciona ou do que funciona diferente do que vocês esperavam, ou funções que vocês gostariam que tivesse para que eu pudesse colocar as mudanças na próxima versão. Essa é a primeira invenção real minha e de Anush, e é mais uma reedição de uma ferramenta já existente. Em todo caso, o máximo de feedback que vocês puderem providenciar, o melhor.
  9. Vocês me mandam uma mensagem de fogo na próxima vez que forem para Londres? Eu gostaria de pedir algumas coisas pra mim. Eu devia ter esperado por isso, mas é bem difícil fazer compras nas montanhas Carpathian.

Com amor,

Ty.

Ps. Se vocês encontrarem um fantasma, sejam legais com ele. Eu não acho que fantasmas se importam de serem fantasmas, desde que as pessoas sejam legais com eles.

O Diário Ultrassecreto da Senhorita Tatiana Lightwood

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 18 de Outubro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (18/10/2021)

18h

Querido diário, estou inconsolável. Como eu planejei, fui incomodar papai para implorar a ele por misericórdia. Foi minha última tentativa de ter permissão para ficar em casa essa noite ao invés de ir para o baile do Instituto. Foi um plano ruim, eu reconheço agora. Ele estava em seu escritório particular e ele odeia ser interrompido lá; quando eu entrei ele apenas me deu um olhar hostil e eu devia ter saído no mesmo minuto. Aprendi a lição, eu imagino.

O problema é que eu, abre aspas, preciso, fecha aspas, ir até o baile essa noite já que—me falaram—o nome dos Lightwoods depende disso. Eu disse a ele que se Gabriel fosse — já como Gideon nos abandonou pela Espanha — isso seria o bastante para mostrar a bandeira Lightwood. Mas ele apenas moveu a cabeça, murmurou algo como "línguas vão fofocar" e me acenou para que saísse da sala. Eu sugeri que eu poderia mandar avisar que não iria por conta de uma doença temporária não especificada de natureza feminina. Por essa sugestão, eu fui expulsa do escritório imediatamente, é claro.

O nome dos Lightwoods! Porque eu me importaria com o nome dos Lightwoods? O que de bom esse nome já trouxe pra mim? Meu único propósito na vida, afinal, é encontrar um sobrenome melhor para substitui-lo. E que grande entrada farei nessa festa com esse propósito, indo ao baile nos braços do meu irmão nojento, a única companhia que posso recorrer.

Não que eu vá encontrar qualquer simpatia nesta casa. Gabriel parece bem feliz em ir até o baile sem ter que escoltar nenhuma moça além de sua irmã. Ele não entende, sendo fraco da cabeça e mais fraco ainda de coração, é que o favor de nosso pai é concedido facilmente e descuidadamente a ele, porque ele é um homem enquanto eu tenho que trabalhar dez vezes mais por menos de um décimo de aprovação. Pelo Anjo... Gideon abandonou a família para beber vinho e se banhar no sol na Espanha e papai ainda o trata melhor do que a mim. O ano de viagem dele! Como se fosse algum mandamento que não pode ser obedecido transmitido pelo próprio Raziel. É uma tradição e tradições são quebradas pelo bem da família. Nós precisamos de Gideon aqui — papai precisa de Gideon aqui. Eu nunca o perdoarei por ter nos deixado, o grande palerma.

Gabriel, é claro, só fica pior com a falta de seu herói pessoal, o Medonho Gideon. Ele quer ser levado a sério agora, então ele age como o pai, e é como olhar um cachorro tentando caminhar em suas patas traseiras. Um constrangimento de pomposidade e egomania que é, eu ouso dizer, uma mancha pior no nome da família Lightwood. Muito pior do que qualquer mal que eu pudesse causar por ficar em casa ao invés de ir a uma festa.

Eu agora me vestirei para o baile, pesando muito com o peso do meu destino.

Meia-noite

Querido diário, eu sei que não tenho o hábito de escrever mais de uma vez no dia, mas eu tive que te contar imediatamente depois de voltar da festa porque um milagre aconteceu. Eu conheci um garoto — não, um homem, um homem maravilhoso. Seu nome é Rupert Blackthorn — mas ele não é um dos tediosos Blackthorns que moram no Instituto Cornwall. Ele geralmente vive em Leeds, mas está aqui visitando amigos da família. Ele é o homem mais lindo que já viveu. Seu cabelo é escuro como a meia-noite, e seus olhos são orbes de esmeralda que parecem olhar em nossa alma. Toda garota no Instituto estava olhando para ele, esperando que ele dançasse com elas, e ele veio direto para mim, sem hesitação, e sorriu para mim e me pediu para dançar. E eu dancei com ele e foi glorioso. Melhor ainda, ele não tinha interesse em ninguém mais na festa além de mim. Eu acredito que ele cortou Gabriel imediatamente quando Gabriel tentou começar a falar sobre si mesmo em um ponto. Eu não tenho certeza; estava meio barulhento e ele pode apenas não ter ouvido. Mas eu escolho acreditar que ele esnobou conscientemente. Do rapaz mais desejado em todo detestável prédio.

Quando eu escrevi mais cedo, eu era o ponto mais baixo nessa casa, mas agora eu estou erguida triunfantemente. Eu dancei com um belo homem de cabelos pretos que disse meu nome como se fosse poesia. O nome dos Lightwoods, de fato! Tome isso, Will Herondale!

Dru e Kit Trocam Mensagens

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 25 de Outubro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (25/10/2021)

Emma para Diário

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 1 de Novembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (01/11/2021)

Querido Bruce,

Desculpe, faz tempo que não escrevo em você. As coisas estão um pouco malucas desde que Ty enviou o Sensor Fantasma. O que foi completamente legal da parte dele e nós decidimos que mesmo se não funcionasse, nós falaríamos que funcionou, mas no fim isso não importou. Definitivamente funciona. No minuto que nós tiramos do pacote, começou a fazer pequenos e estranhos estalos e bipes. Não parecia estar ligado a nada específico, era como se estivesse reagindo ao ambiente da casa, resmungando como um bebê irritadiço.

Julian decidiu usar como uma vara de adivinhação, seguindo onde os estalos e bipes ficassem mais fortes. Passamos provavelmente uma hora perambulando pela casa enquanto o sensor fazia sons de assobio como uma chaleira zangada.

Eventualmente o sensor nos levou para um dos corredores no andar de cima. Não tem nenhum móvel lá agora e parece um pouco abandonado, com pedaços de uma cortina estragada pendurada nas janelas e uma moldura vazia na parede. Também foi muito estranho ficar lá naquela sala com o sensor apitando, mas sem conseguir ver nada. Nós nos olhamos, pensando,

Tem um fantasma aqui com a gente agora?

Naquele momento, eu lembrei de ter lido no diário de Tatiana Lightwood como ela escondeu as páginas de seu diário na parede. Eu fui até a parede e bati de leve. Jules entendeu o que eu estava fazendo no momento e começou a bater na parede também e nós encontramos um pedaço que fazia um som de eco. Nós encaramos aquele pedaço por um minuto antes de Julian falar: "Espera aí". Ele desceu as escadas e voltou com uma marreta. Ele começou a bater na parede, mas eu o parei. "Eu acho que você devia tirar sua jaqueta enquanto faz isso. Talvez sua camisa também."

CJ Julian 01, SoBH.jpg

Obedientemente, ele tirou sua camisa, ficando só com a regata por baixo. Esse é meu namorado. Eu posso ter tirado uma foto.

Gesso começou a voar por toda a parte. Logo Julian tinha aberto um buraco na parede, revelando um vazio escuro atrás dela.

Julian deu um passo para trás enquanto eu enfiava a mão lá dentro. Não sei nem te falar em quantas teias de aranha eu toquei, Bruce. Foi nojento. Finalmente eu tirei um tanto de papéis antigos grudados juntos. Eu não posso deixar de pensar que eram as páginas antigas do diário de Tatiana, as que ela falou sobre destruir, mas elas estavam tão estragadas pela água que não pude ter certeza. Eu estava me perguntando se devia contar a Julian sobre o diário—por algum motivo eu não contei pra ele ainda—quando ele enfiou a mão no burado e puxou um pedaço de madeira que estava gravado com letras e números.

"É uma tábua Ouija," ele disse. "Dru queria uma de Natal ano passado."

Eu sempre pensei que tábuas Ouija faziam parte de uma superstição humana. Como a quiromancia, não algo que Shadowhunters deveriam levar a sério. Mas o sensor enlouqueceu, apitando com aqueles pulsos vermelhos que me lembravam o colar de Isabelle.

"Devemos tentar usar?" perguntei. Julian franziu a testa. "Eu não sei. Quando estava procurando uma para Dru, descobri que essas coisas podem ser... perigosas."

Estou escrevendo isso agora deitada na cama. Julian já está dormindo, com gesso em seu cabelo. Ele está muito fofo. Enfim, nós decidimos tentar usar a tábua ouija amanhã. Nós somos Shadowhunters, podemos lidar com alguns fantasmas, certo?

Boa noite, Bruce. Eu acho que lerei um pouco do diário de Tatiana para dormir. Enquanto isso, aproveite a visão.

Julian para Magnus

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 8 de Novembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (08/11/2021)

Oi, Magnus,

Então, você me disse para entrar em contato somente se tivesse uma "emergência real", e eu acho que você já saiu de férias. Mas nós temos um problema com fantasmas aqui na Casa Chiswick e nós precisamos de algum conselho. Apenas em escrito! Não precisa interromper suas férias! Salvo se, hm, você achar que é realmente uma emergência.

A Casa Chiswick está em péssimo estado num geral, então é difícil de saber o que é um problema real ou o que são apenas centenas de anos de negligência. Além de um pequeno pedaço, parece que ninguém tocou no lugar, parece, desde Tatiana Blackthorn.

Nós temos alguns gnomos de jardim aqui fazendo os reparos estruturais e as coisas grandes, alvenaria e moldes, assim por diante. Quer dizer, eles não são exatamente gnomos de jardim, eu acho que eles são duendes escoceses, mas eles têm chapéus pontudos e barbas e tudo mais. Eles estavam fazendo as coisas bem devagar, mas recentemente Kieran esteve aqui e conversou com o chefe (esse cara se chama Tom Redondo e ele nem é tão redondo) e desde então as coisas aceleraram bastante. E tem menos reclamações sobre as condições de trabalho e muito menos desaparecimentos no dia se o chá acaba por mais do que cinco minutos. Por outro lado, eles começaram a deixar pequenas oferendas destinadas ao "Senhorr Un-seelie", que eu imagino que seja Kieran. Nada que Kieran ia querer, eu acho. Em sua maioria, várias nozes e pedras bonitas? E ocasionalmente um retrato de Kieran em giz que, deixe-me dizer, é bom que eles são competentes com construção, porque os desenhos deles podem melhorar. Nós temos mantido todas as coisas em uma caixa para ele, caso ele queira.

Estou divagando, sinto muito. É que somos apenas nós perambulando por essa ruína gigante e tudo que queremos é que alguém escute nossas histórias chatas da reconstrução da casa. Mas o que eu quero falar mesmo é sobre o fantasma.

Eu tenho certeza que tem dúzias de espíritos aleatórios indo e vindo durante os séculos que tem alguma presença fraca na casa — Tom Redondo me deu a dica — mas tem um específico que está assombrando o lugar. Nós já tivemos algumas coisas do nível poltergeist. Pegadinhas inofensivas principalmente: vasos virados, bebidas derramadas, música tocando à distância, mas não vindo de lugar nenhum, lugares estranhamente quentes, lugares estranhamente frios, portas batendo, portas fechando bem devagar sozinhas. Para deixar claro: NÃO estou falando de poltergeist tipo o filme que Dru me fez assistir. Ninguém foi sugado para dimensões ruins ou levitou (ainda!). Ainda assim, parece que deveríamos tentar nos livrar antes que chegue nisso, então Emma e eu temos tentado nos comunicar diretamente com a presença. Quem quer que seja, não respondeu a gente falando diretamente com eles, e começou a parecer bobo ficar falando com ninguém em uma voz amigável, como se tivéssemos um amigo invisível. E tudo que aconteceu depois é que na manhã seguinte foi que alguém colocou todos os chapéus dos gnomos em uma torre de chapéus e nós tivemos que convencê-los de que não fomos nós.

Antes que você pense que não tentamos coisas mais espertas do que gritar "aqui, fantasminha, fantasminha", Tiberius nos enviou um aparelho que ele tem trabalho, como um Sensor de fantasmas. Eu passei um tempo caminhando pela casa com ele e eventualmente encontrei um lugar em um corredor aleatório em que o Sensor enlouqueceu, eu quebrei toda a parede com uma marreta — por algum motivo eu acho que você aprovaria, mas os gnomos não — e atrás do gesso, presa entre duas vigas, estava uma tábua ouija que deve ser, no mínimo, do tempo de Tatiana, se não de antes dela. Não tinha uma prancheta, então fizemos a nossa com restos de madeira e tachinhas. Talvez tenha sido ruim usar isso ao invés de algo que vai em uma tábua Ouija, não sei como funciona, mas de qualquer forma, nós testamos e foi realmente ruim.

Nós tentamos fazer da maneira oficial — Emma e eu esperamos até a meia noite, nos vestimos bem, e fomos para o porão. (Tem várias salas lá embaixo que são bem assustadoras e parecem ter sido usadas para coisas de fantasmas no passado). Nós extinguimos a Pedra de Luz Enfeitiçada (sem eletricidade lá embaixo mais do que em qualquer outro lugar), acendemos várias velas. Fantasmas adoram velas, certo? Tínhamos um pedaço de seda preta para sentar em cima, que Emma achou em algum baú, e nós sentamos cada um de um lado da tábua e colocamos nossas mãos na prancheta.

Nós: OLÁ

Nada.

Nós: NÃOQUEREMOSFAZERMAL

As velas tremularam, mas com a maior parte das janelas da sala quebradas e a corrente de ar que vinha do lado de fora, nós não sabemos se podemos contar isso como resposta.

Nós: QUALSEUNOME

Nós ouvimos um som de arranhão vindo de uma das paredes, e nós abrimos a parede com animação, mas era um texugo. Na verdade, era uma mãe texugo e alguns filhotes, que foi muito fofo até a mãe tentar nos matar. Então nós tivemos que parar e pedir para os gnomos nos ajudarem a tirar a família de texugos para um campo em algum lugar. (Eles nos cobraram pelo "acampamento de texugo").

Isso foi muito desapontador. Emma disse que talvez fosse rude perguntar o nome do fantasma antes de nos apresentarmos.

Emma: MEUNOMEÉEMMACARSTAIRS

Eu: EMEUNOMEÉJULIANBLACKTHORN

Bom, isso causou uma reação. Assim que eu terminei o último "N", a tábua se ergueu do chão e começou a girar violentamente. A prancheta saiu voando e Emma foi recuperar do outro lado da sala e quando ela voltou, a tábua saiu voando pelo ar e, eu sinto muito em informar, nós a perseguimos por ali por provavelmente dois minutos inteiros sem conseguir pegar. Eventualmente, eu acho que o fantasma ficou entediado, e a tábua Ouija parou no meio do ar e se desfez em um milhão de pedaços que caíram no chão. E todas as velas apagaram. (Tinham 16, se isso significa alguma coisa. Emma diz que não, eu digo que devemos mencionar de todo jeito, só pra garantir).

Então... Algum conselho? Muita energia fantasmagórica para uma tábua Ouija velha? Tábua defeituosa em primeiro lugar? O fantasma quer ser deixado sozinho? (Se sim, porque continua derrubando as coisas?) Nós o ofendemos? Não aconteceu nada do tipo depois disso, mas explodir uma tábua Ouija pareceu suficientemente ameaçador para que eu entrasse em contato. O que você acha que devemos fazer agora?

De novo, sinto muito por incomodar, mas sua ajuda significaria muito para mim. Eu quero mesmo que a Mansão Blackthorn seja um lugar que os Blackthorns possam usar novamente, um lugar que possa ser uma segunda casa para todos nós. E seria legal se as pessoas em Londres associassem os Blackthorns com uma mansão ao invés de uma bagunça infame. O que não vai acontecer se os visitantes acordarem com seus cabelos amarrados na cabeceira da cama ou terem suas malas abertas nas escadas. Em pagamento, nós prometemos que ficamos de babá quanto você quiser, quando você precisar. Pensando melhor, talvez quando não estivermos morando em uma armadilha mortal em colapso.

Muito grato —

Julian

Em inglês está escrito "brownies", em uma busca rápida eu encontrei falando que são duendes que fazem parte do folclore da Escócia.
Está escrito em inglês de uma forma que soa mais com um sotaque escocês, "the Un-Seel Laird", por isso a tradução para tentar para "mostrar o sotaque".

Magnus para Alec

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 15 de Novembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (15/11/2021)

Querido Alec,

Antes de mais nada, eu só quero mencionar mais uma vez que você é, de longe, o homem mais bonito que já conheci, com os mais lindos olhos azuis, e o que mais amo em você, entre tantas outras características, é que você é um homem de compreensão, paciencia e perdão incalculáveis.

Sim, estas são nossas férias. Sim, você e as crianças estão descansando nas areias brancas e macias de São Bartolomeu, como é bom e certo. Sim, eu tive que correr para Londres para tratar de negócios urgentes envolvendo os Blackthorns. Sim, eu tenho recebido suas muitas mensagens de apoio, acompanhadas por suas muitas fotos em que você parece zangado enquanto segura bebidas com um guarda-chuvinha.

Não, eu não vou voltar hoje. Você deve me imaginar dizendo isso com o mais pesado dos suspiros e o olhar mais desamparado. Eu preciso de mais um dia. A mansão Blackthorn é assombrada – o que eu poderia ter dito a qualquer um que se importasse em perguntar, eu nunca conheci um lugar mais obviamente assombrado em minha vida – e nenhum dos pequenos Blackthorns (que eu suponho que não sejam mais tão pequenos assim) já tiveram que lidar com esse tipo de coisas de fantasmas antes.

Então, de novo, me deixe elogiá-lo por sua tolerância neste momento de provação. Isso não é sarcasmo, apenas formal! Eu realmente quero dizer isso!

Eu amo você, Alec. Eu te vejo amanhã à noite. Na manhã seguinte, o mais tardar.

Magnus's monogram 02, SoBH.jpg

Para o Melhor Homem que já existiu ou que existirá,

Será amanhã de manhã. Eu pretendia partir esta noite, mas agora é muito, muito tarde, e não bebi uma pequena quantidade de vinho, e estas não são as condições pelas quais me sentiria seguro ao abrir um Portal. Não adianta nada voltar a São Bartolomeu se eu aparecer no topo do Farol de Gustavia.

Então, como ainda não consigo dormir, mas devo, me deixe te atualizar rapidamente.

Os Blackthorns estão consertando a Mansão Blackthorn – imagine só – e embora eu entenda que agora eles são devidamente adultos, eles ainda são jovens o suficiente para usar um tabuleiro Ouija centenário que encontraram escondido nas paredes. Não tinha uma prancheta? Não é um problema: vamos apenas fazer uma com uns pedaços, sem alusão à madeira ou às linhas ley ou qualquer um dos – Desculpe. Eu não pude evitar, é o tipico estereótipo dos Caçadores de Sombras. Pule antes de olhar. Na verdade, só pule. Pule quando e onde quiser.

Acontece que (alerta de spoiler!), o espírito da casa – pelo menos o inquieto – não quer causar nenhum dano aparente e é apenas a situação comum de "fantasma procurando sua coisa que falta para seguir em frente", como você verá. Mas eu fiquei mais alarmado por ser a casa em Chiswick. Muitas gerações de Lightwoods viveram nela por muitos anos, e sempre parecia haver uma sombra escura sobre o lugar. Em meados do século 19, era a casa de, lamento dizer, um Lightwood bem ruim, definitivamente um dos piores Lightwoods, e depois disso, bem, a queda em desgraça foi grande. Eu não posso dizer de que período este fantasma pode ser, mas dada sua reação ao nome "Blackthorn", eu tive minhas preocupações.

De qualquer forma, quando cheguei à casa, Julian e Emma tinham conseguido fazer com que o tabuleiro Ouija, você sabe, se espatifasse magicamente em uma dúzia de pedaços. Eu o juntei magicamente de volta – nota para referência futura: é mais fácil consertar magicamente algo que foi quebrado magicamente ao invés de, digamos, um martelo – e produzi uma prancheta improvisada, mas na verdade calibrada e protegida. E queimei a prancheta deles no fogo. Do lado de fora.

Naquele ponto foi rápido o suficiente contactar a presença na casa, que estava indistinta, provavelmente por estar sozinha nos últimos cem e tantos anos. Deixa eu te dizer, Alec, meu amor, eu estava preocupado naquele ponto. Eu estava preocupado que esse fantasma fosse alguém que eu conhecia. Alguém com quem eu uma vez me importei. Provavelmente não era – a maioria deles não teria nenhuma razão para serem fantasmas, muito menos fantasmas presos aqui – mas uma vez que o pensamento me ocorreu, eu não pude deixar de lado. Eu tentei perguntar, mas você sabe como fantasmas são. "Eu agora não te conheço", dizia. Ótimo. Mas você me conhecia quando estava vivo? Apenas "Eu agora não te conheço".

De qualquer forma, a coisa estava bastante pacífica. Finalmente chegamos ao tópico de por que ele é um fantasma – nós conseguimos voz suficiente para saber que a voz é masculina, pelo menos. Ele falou em voz alta e com firmeza. Estou preso aqui por um laço de prata, disse ele.

Não faço ideia se este laço de prata é um anel, uma pulseira, uma algema, o conceito de "os laços que prendem" ou um grupo de músicos robôs. Mas é normal o suficiente para um fantasma estar preso à um objeto e estar procurando por aquilo que os prende. Sinceramente, não recebi uma vibração negativa do cara. Eu estou, digamos, uns noventa por cento certo de que não é o já mencionado Lightwood ruim, pelo menos. Eu disse a Julian e Emma que não havia mal nenhum em ficar de olho em um laço de prata durante a limpeza da casa, mas que não se preocupassem com isso. Pareceu um conselho sábio na época, embora todos nós tivéssemos bebido bastante vinho naquele momento.

CJ Alec, Magnus, Max & Rafe 01, SoBH.jpg

O vinho foi de fato bebido continuamente ao longo da noite, já que existem algumas garrafas recuperáveis na adega – surpreendentemente, embora eu não saiba, talvez os Caçadores de Sombras tenham runas de preservação de vinho em algum lugar perto do final do Livro Gray. E beber vinho tinto enquanto conversava com um fantasma parecia, eu não sei, a combinação perfeita? Mas é claro que agora estou com uma dor de cabeça terrível devido à combinação de sulfitos e leve necromancia. Eu vou dormir bastante tempo, e amanhã às seis da manhã em seu fuso, por favor, diga ao garçom que eu gostaria de encontrar me esperando um café expresso, muito quente e um coquetel sidercar, muito frio. Eu, então, entreterei as crianças pelo resto do dia enquanto você, meu amor, meu tudo, tira uma soneca e se junta à nós quando quiser.

Com todo o meu amor, todos os meus beijos, você não sabe o que está perdendo,

M.

Emma para Bruce

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 22 de Novembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (22/11/2021)

Caro Bruce,

Eu acordei esta manhã e descobri que era um dia incrivelmente lindo, com um céu azul brilhante e aquelas pequenas nuvens brancas e fofas. "Tudo bem", eu pensei. "De jeito nenhum vou passar este dia lindo na maravilhosa Londres dentro desta casa caindo aos pedaços, esfregando o chão e pensando sobre fantasmas. A questão era: como convencer Julian de que devemos sair e nos divertir?"

Eu marchei escadas acima e encontrei Julian tomando café na cozinha. Eu disse: "Jules. Você sabe o que você queria que eu fizesse e que eu tenho me recusado a fazer? Se você vier e se divertir comigo hoje em Londres, eu farei."

Um grande sorriso se espalhou por seu rosto. Ele disse: "OK!" Na verdade, ele disse isso enquanto já estava correndo porta afora. Eu tive que fazer com que ele voltasse para buscar uma jaqueta.

Bruce, nós nos divertimos muito em Londres. Nós fizemos um passeio de barco pelo Tâmisa. Nós fomos a uma loja de fantasias. Nós vimos a Torre e fomos ao Fortnum & Mason e tomamos chá. Julian comeu todos os meus sanduíches de pepino porque eu os odeio. Nós fomos na London Eye, que é como uma versão mais espetacular da roda gigante do Píer de Santa Monica. Os demônios não atacaram desta vez, e Julian reservou uma cabine inteira para que pudéssemos nos aconchegar e abraçar.

No meio dos chamegos e abraços, Julian parou e olhou dentro dos meus olhos com um olhar intenso. Eu poderia apostar que ele tinha algo pra me perguntar, e por um momento eu pensei – bem, não importa o que eu pensei.

"Emma", ele disse, "o que você acha de se mudar para Londres comigo?"

Eu disse: "O que você quer dizer? Nós já estamos aqui."

Ele explicou o que estava pensando: se reformarmos toda Mansão Blackthorn, nós poderíamos morar nela até Dru, Ty ou Tavvy (ou os três) crescerem e quererem nos mudar para lá. Ele explicou que Helen e Aline estavam fazendo um ótimo trabalho administrando o Instituto de Los Angeles e que elas realmente não precisam de nós. Além disso, elas estão pensando em começar uma família em breve, então talvez elas não queiram tantas pessoas correndo pelo Instituto. Eu disse: "Mas eu achei que você gostasse de Los Angeles e praticamente todo mundo que conhecemos está lá". Ele ressaltou que isso não era totalmente verdade. Em Londres, estaríamos mais perto de Ty e praticamente à mesma distância da costa leste, onde Dru está, e é claro que Mark e Cristina estão em New York metade do tempo também. Eu acho que ele percebeu que eu não tinha certeza do que dizer, porque ele acrescentou: "É realmente sobre nós termos uma casa, uma que construímos juntos. Ser adulto e ter um tipo de vida de adulto."

Eu brinquei, dizendo que nós ainda éramos muito jovens, e ele disse: "Eu sei que a maioria das pessoas que ficam juntas quando são adolescentes, terminam. Eles envelhecem e mudam. Eu só quero que passemos pelas coisas importantes juntos para que mudamos juntos. Isso faz sentido?"

Eu disse a ele que sim, embora eu estivesse muito assustada, ele até mencionou TERMINAM como um conceito. Então eu o beijei, o que nos distraiu, e quando nossa cabine parou no chão, todos aplaudiram e assobiaram. Os ingleses são mais lascivos do que eu suspeitava anteriormente.

Eu estava exausta quando chegamos em casa e descobrimos que nosso amigo fantasma tinha estado ativo em nossa ausência. Na poeira do chão da sala de jantar estavam escritas as palavras ENCONTREM A TAVERNA DO DIABO. Agora o que diabos isso significa? Embora, honestamente, ambos estivéssemos muito satisfeitos em ver a mensagem. Pelo menos é uma pista para que possamos começar a desvendar o mistério de nosso fantasma e seu laço de prata.

P.S.: Bruce, eu sei que você está morrendo para saber o que Julian queria que eu o deixasse fazer e que eu tenho me recusado a fazer. Lembra quando eu disse que fomos a uma loja de fantasias? Bem, aparentemente Dru fez Julian assistir Jogos Vorazes com ela da última vez que nós estivemos em casa, e ele realmente queria me pintar assim.

CJ Emma 01, SoBH.jpg

As coisas que fazemos por amor.

— Emma

Emma para Jem

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 29 de Novembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (29/11/2021)

Querido Jem,

Me sinto mal escrevendo para você do nada, mas você disse que tudo bem entrar em contato com você a qualquer momento para conselhos. E você sempre tem bons conselhos, mas eu não consigo deixar de sentir que, além disso, talvez você tenha alguma familiaridade com isso que poderia ajudar?

Então, como você sabe, Julian e eu começamos a gigantesca tarefa de renovar a Mansão Blackthorn. E, você provavelmente ficará completamente não surpreso em saber que nós encontramos um fantasma. (Eu digo isso porque todos que estavam vivos antigamente quando essa casa tinha quem cuidasse não ficaram surpresos em saber que tem um fantasma).

Boas notícias: o fantasma não é hostil (ou pelo menos não é violento). Ele está apenas procurando pelo "laço de prata" que o prende aqui. Nada de novo, muitos fantasmas são presos por um objeto terreno.

Más notícias: não conseguimos identificar o fantasma como nenhuma pessoa, então ele poderia estar fingindo não ser violento. E também "laço de prata" pode ser um milhão de coisas.

Eu acho que podemos juntar todas as coisas que podemos imaginar que ele está procurando, mas parece improvável que funcione. (Afinal, ele não encontrou o "laço de prata" na casa e ele tem procurado sabe-se lá por quanto tempo).

Nós recebemos uma dica direta do fantasma. Ele gosta de se comunicar escrevendo na poeira do chão e sua última mensagem dizia "Encontre a Taverna do Diabo". Ok. Um pouco de busca nos mostrou que é um bar secreto do Submundo, cheio de glamour, que existe há centenas de anos na cidade de Londres. (Aparentemente era realmente uma taverna no passado, e Samuel Johnson tinha um bar ali. Tempos selvagens, eu imagino). Jules procurou e descobriu que ainda está funcionando. Não é longe do Instituto, na verdade, mas se isso tem algo a ver com o fantasma ou é apenas uma coincidência, nós não sabemos.

SoBH Devil Tavern's blue plaque 01.jpg

Enfim, Julian e eu fomos olhar o lugar. É um pub com glamour, é claro. Do lado de fora você apenas vê um banco e uma dessas placas azuis que eles colocam em prédios históricos.

Ficou claro que os mundanos passando na frente não conseguiam ver a entrada. Mas nós conseguimos, é claro. Então entramos.

Acontece que, do lado de dentro, é um pub bem normal, apesar de te fazerem passar por toda uma ladainha para entrar, eles realmente seguem o padrão de bar secreto. Agora você tem que passar pelo banco mundano, o que devem pensar que tem a clientela mais esquisita de todos os bancos na Inglaterra. Você tem que mencionar "o diabo" para o caixa, que então te entrega uma chave feita de sal que abre um painel no elevador que revela um botão com pequenos chifres. Que te leva até o pub. (A chave se desintegra depois que você usa, é claro). Eu não tenho ideia do que acontece se algum mundano falar "o que diabos aconteceu com meu dinheiro" ou algo parecido.

Enfim, tudo soa muito complicado, mas na prática foi fácil o bastante; melhor do que tentar uma senha complicada Julian apenas disse casualmente "eu vim pelo diabo" e a caixa entregou a chave para ele. Ela nem pareceu interessada, ela estava jogando sudoku em seu celular ou algo assim e apenas pegou a chave de uma pilha delas. Talvez os moradores de Londres apenas não liguem para coisas bem velhas de Londres.

Nós entramos e olhamos em volta e eventualmente o barman perguntou se queríamos alguma coisa e nós fomos embora. Eles obviamente nos reconheceram como Shadowhunters e não estavam muito animados em nos ver. Mas naquela visita curta nós não vimos nada que lembrasse um laço de prata, ou a casa em Chiswick, ou os Blackthorns e Lightwoods que viveram lá. O lugar poderia ser qualquer pub antigo de Londres, muito velho, madeira escura, com vitral e uma pequena multidão de membros do Submundo bêbados. Aparentemente nós interrompemos a festa de aposentadoria de um dos clientes mais fiéis deles, um kelpie. Eu sei o que você irá perguntar, e sim, o Kelpie estava em um grande vidro com água. Seu nome era Pickles—eu sei!— e ele seguia gritando sobre como ele ia "começar uma nova vida no mar". Então, é claro, eles pensaram que nós éramos basicamente os policiais que foram acabar com a festa deles e não nos queriam ali. Mas não sei o que poderíamos ter feito mesmo se tivéssemos ficado. Nós esperávamos que veríamos o lugar e nos daria alguma ideia sobre laços de prata e tal, mas — sem pistas.

Então eu pensei que, já como você e Tessa estavam por aí nos melhores dias da Mansão Blackthorn, que uma vez se chamou Mansão Lightwood—A Taverna do Diabo trás alguma lembrança pra vocês? Vocês conseguem pensar em alguma conexão entre esse aleatório pub do Submundo e as pessoas que viviam na casa em Chiswick? Se não, não se preocupe, mas eu pensei que devia ao menos perguntar. Se você tiver alguma ideia da identidade do nosso fantasma, baseado na Taverna do Diabo ou qualquer coisa que eu disse, por favor, entre em contato e nos conte! Limpar a casa definitivamente inclui limpar de fantasmas, mas também, você sabe, parece o certo a fazer: ajudar ele se a gente conseguir.

Meu amor para Tessa, Kit e Mina e amor de nós aqui!

Emma

Tessa para Maryse

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 6 de Dezembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (06/12/2021)

Querida Maryse,

De uma mãe para outra, eu estou escrevendo para pedir conselhos. Tem muitos anos desde que eu cuidei de uma criança, e quando eu digo muitos anos, quero dizer mais de um século. E agora eu estou novamente nessa posição. Mesmo que a gente não se fale muito, eu sempre penso na mãe maravilhosa que você foi e continua sendo. Afinal, suas crianças são maravilhosas. Isabelle é tão corajosa, Alec é um grande líder, e Jace, bem, eu posso dizer que sei o que é um excelente exemplo de Herondale, e ele é um.

Eu também sei que você experienciou profunda perda e luto, e que você compreende isso.

Estou escrevendo sobre Kit. Ele também é um Herondale, e eu acredito que ele também será um exemplo excelente de um. Mas como todo homem Herondale (e as garotas também, acredite, em sei!), ele é bem privado e reservado. No total, Jem e eu não queremos nada além de respeitar a privacidade dele. Mas quando chega o momento em que a preocupação exige que alguém, como pai, intervenha?

Algumas noites atrás, depois do jantar, eu parei no quarto de Kit para entregar a ele seu celular (ele está sempre perdendo pelos lugares!), e vi que ele não estava lá. Olhando pela janela, eu vi que ele estava do lado de fora, em nosso jardim. Ele estava de costas para mim e parecia estar olhando para o nada, mas eu podia dizer pelo jeito que ele estava parado e pelos movimentos dos ombros dele que ele estava agitado. Preocupada, eu o segui para a rua. Cheguei por trás dele em silêncio, não querendo assustá-lo. Talvez eu tenha ficado em silêncio demais. Eu notei no mesmo momento que ele estava falando com um fantasma—eu já passei por isso antes. Como é sempre o caso nessa situação, eu só conseguia ouvir o lado dele da conversa.

Kit disse "Se você continuar tentando falar comigo sobre isso, eu não vou mais poder te ver.", então ele falou "Claro que eu acredito em perdão. Mas algumas coisas são tão terríveis que você não quer revisita-las.". Então teve uma longa pausa. Eu pensei que talvez tivesse acabado, então ele disse "Você não entende? Toda vez que você fala sobre ele arranca outro pedaço do meu coração." Então ele virou e claro que me viu no caminho do lado de fora de casa. Ele não disse nada, apenas me lançou um olhar meio traído e correu para dentro.

No dia seguinte, é claro, ele fingiu que nada tinha acontecido. Eu só não sei o que fazer. Eu devo deixar ele se virar sozinho com isso? Eu sempre imaginei que tinham fantasmas em Cirenworth—Kit me informou que tem o fantasma de um cachorro que ele brinca, às vezes. Um retriever, eu acho—mas não pensei que nenhum deles fosse malicioso ou prejudicial.

E, de fato, não parecia que ele estava com medo do fantasma, mas como se o fantasma trouxesse para ele memórias ruins do passado. Talvez do pai dele? Eu só não sei o que fazer. Jem acha que devemos deixar ele lidar com isso sozinho, já que ele é um adolescente, mas então eu lembro de meus dois primeiros filhos, quando eram adolescentes, como teve tempos em que eles precisavam da minha ajuda. (Espero muito que Kit não esteja tendo um caso tempestuoso com um fantasma, porque não tenho certeza que aguentaria passar por isso de novo).

Isso me deixa acordada durante a noite com preocupação. Se tiver qualquer conselho que possa me dar, eu adoraria ouvir.

CJ Clary, Jace, Kit, & Mina 01, SoBH.jpg

Estou enviando uma foto de Jace e Clary com Kit e Mina, na última vez que vieram nos visitar. Eles parecem tão felizes!

Tudo de bom,

Tessa.

Tessa para Maryse

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 13 de Dezembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (13/12/2021)

Querida Emma,

Obrigado por escrever para me manter informado sobre a situação na Mansão Blackthorn, e sobre essa assombração em particular. Significa muito para mim que você está disposta a compartilhar o que está acontecendo. Fico feliz que nós passamos dos dias onde você sentiu que devia esconder seus mais selvagens esquemas da geração mais velha, incluindo a mim. Espero que saiba que você não precisa guardar segredos de mim, não importa o quanto esses esquemas sejam bizarros. Os segredos causaram muita dor no seu coração e no de Julian no passado, eu quero que saiba que pode me contar qualquer coisa e eu não julgarei.

Então você disse que está ajudando um fantasma? Essa pode ser uma causa nobre, e compassiva, mas tenho que alertá-la para que tenha cuidado. A Mansão Blackthorn tem uma história que em tempos envolveu personagens desagradáveis e mágica sinistra, e se um espírito está assombrando a mansão, pode não ser benevolente. O fato de que Magnus não sentiu nenhuma maldade me tranquiliza, mas eu ainda espero que tome cuidado sobre o que esse fantasma pede a você ao procurar pela liberdade. Ele pode não desejar causar mal a você, mas não significa que nenhum mal chegará até você.

Quanto à Taverna do Diabo, eu a conheço. Tem sido um local para membros do Submundo por muitos séculos, e por algum tempo, no início do século passado, era um refúgio para pessoas que Tessa e eu nos importamos muito. Eu não quero falar muito sobre eles — é doloroso levar nossos pensamentos de volta a essa época, porque é uma lembrança de tudo que perdemos e daqueles que não pudemos salvar. Mas eu também acho que isso não iria ajudar você — parece, para mim, que o melhor é que você entre nessa busca sem preconceitos ou expectativas do que poderá encontrar.

Porque eu sinto isso? Posso apenas dizer que, durante meus anos como irmão do silêncio, eu sentia uma grande afinidade por sombras: pelos mortos e aqueles que assombravam, e pelas memórias que prendiam eles à terra. Eu também era preso pelas memórias nesses tempos. Foi o que me manteve humano e capaz de retornar para essa vida que tenho agora, que eu amo demais.

Então não falarei nomes ou personalidades — isso não seria relevante para sua busca de modo algum, mas você deve seguir em frente para descobrir. E é por isso que vou falar: você viu só um pouco da Taverna do Diabo. Há um conjunto de escadas escurecidas atrás do bar, e acima dessas escadas tem um quarto secreto, um que foi fechado décadas atrás. É possível que, o que quer que o fantasma queira, pode estar lá. Se você deseja uma entrada para esse quarto secreto — e uma recepção mais calorosa na Taverna num geral — mostre ao bartender seus anéis familiares. Diga os nomes: Blackthorn. Carstairs. Eles irão importar.

Espero que me mantenha informado sobre suas descobertas e próximos passos em sua aventura. Eu gostaria de saber, mesmo que alguma parte de mim tema o que você pode encontrar naquela sala e o que isso dirá sobre os destinos daqueles que amei no passado. Espero que eu esteja errado. Espero que esse conto tenha um final feliz. Eu sei disso — esse fantasma é sortudo por ter pessoas determinadas como você e Julian tentando ajudar que ele tenha um descanso.

Church veio me informar que é, de fato, hora de jantar, e naturalmente eu tenho que atender todos seus caprichos. Espero que você e Julian estejam se divertindo com a reforma da Mansão Blackthorn, apesar do fantasma inquieto e dos muitos anos de negligência que esse local sofreu. Você estava certa que não me surpreende que tenha um fantasma aí. O passado assombra esse lugar, uma história de coisas feitas e coisas deixadas por fazer. É possível que, levando amor e cuidado para esse lugar, vocês vão acabar com esse capítulo de negligência e abrir um novo, cheio de novas possibilidades.

Eu acredito em você, Emma. Quando a vejo, eu vejo o passado Carstairs; eu vejo coragem e a chama de Cortana. Lembre que você é do mesmo aço e tempera daqueles que vieram antes de você. Eu espero te ver logo, e quando eu ver, eu tenha força para falar sobre alguns deles, sobre uma garota de cabelos vermelhos brilhantes e seu irmão, e aqueles que vieram antes e depois deles.

Amor,

Jem.

Emma para Bruce

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 20 de Dezembro de 2021; Tradução oficial — IdrisBR (20/12/2021)

Querido Bruce,

Nós voltamos hoje a Taverna do Diabo com as dicas de Jem (levar os anéis de família, mostrar ao bartender, ganhar acesso a sala secreta). Eu não sei, a Taverna do Diabo parece ter formas elaboradas de entrar em lugares? Então nós fomos e teve um tipo de confusão porque quando estivemos lá antes eu ouvi um dos clientes chamar o bartender de "Ernie", então nós perguntamos para uma das garçonetes e ela disse que não tinha nenhum Ernie. Então, porque somos Shadowhunters, ela pensou que estávamos lá para questionar Ernie sobre algo, então eu pensei que ela estava apenas tentando acobertar Ernie e disse "Não, está tudo bem, pode dizer a Ernie que ele não está com problemas", e a garçonete pareceu mais surpresa e disse que não tinha nenhum Ernie... Nós demos voltas nisso por algum tempo.

Enfim, eventualmente, o bartender apareceu vindo do porão ou de onde quer que ele estivesse, e explicou que se chama Fred, não Ernie, mas por muitos anos o bartender se chamava de Ernie, seu avô e seu bisavô se chamavam Ernie. Então a maior parte dos vampiros e das fadas que iam ali desde o Tempo dos Ernies, apenas teimosamente se recusam a aprender os nomes dos novos bartenders. Ele tentou, quando era mais novo, mas eles apenas riram e disseram "Essa é boa, Ernie". Ele parecia meio triste quando contou. Acho que todo mundo tem coisas estranhas com as quais têm que lidar.

Nós explicamos para o não-Ernie sobre o que Jem nos disse e mostramos nossos anéis. Ele disse que sim, tinha uma sala antiga que era usada para encontros clandestinos de Shadowhunters no andar de cima. Tinham instruções deixadas a muitos anos atrás que a sala deveria ser mantida para uso de Shadowhunters, mesmo que nenhum tivesse aparecido durante um bom tempo. Eles levaram bem a sério.

Ele nos trouxe uma chave de algum lugar — uma dessas chaves de esqueleto que você não vê em nenhum lugar mais — e nós subimos as escadas e entramos. Me deixe te falar, Bruce, eles não sentem na obrigação de "manter" a sala que eles deveriam "limpar" ela. Um pesadelo para um asmatico.

Apesar disso a sala ainda está intacta — na verdade parece mais um pequeno apartamento (uma "kitnet"*, Julian chamou adoravelmente), com um minúsculo quarto em uma área de estar com uma mesa no meio e um sofá um tanto surrado. Não é como o resto da Taverna de forma nenhuma, parece como você imaginaria a sala de estudo da livraria mais antiga do colégio mais antigo de Oxford. Livros por todo canto, muitos pedaços de madeira entalhada, as iniciais de pessoas entalhadas na mesa (nota para as pessoas que gostam de rabiscar suas iniciais em mesas: coloque as iniciais dos sobrenomes! Fica muito mais fácil para seus descendentes descobrirem quem você é! Deve existir um milhão de pessoas que começam com "J!")

Não tinha nada obviamente fantasmagórico, então Julian usou o sensor que nós recebemos de Ty. Não encontrou muito, mas eventualmente reagiu perto de um livro em particular em uma das estantes presas na parede. Nós o pegamos e era um livro escrito a mão, com uma capa costurada realmente elaborada. Se chamava "A Bela Cordelia" e foi escrito por "L.H." Eu apostaria qualquer dinheiro que "H" significa Herondale. Mas não tinha nada de mágico sobre o livro. Quer dizer, eu não li ainda; talvez conte uma história realmente mágica. Mas o sensor não reagiu muito ao livro em si, não tinha nada entre as páginas, a tinta não era brilhante, etc.

Eventualmente nós pensamos em nos abaixar e olhar no espaço da estante onde o livro estava, e é claro, tinha um pequeno espaço aberto na parede. Julian e eu concordamos que naquele buraco devia ter muitas aranhas. Então nós jogamos pedra-papel-tesoura para ver quem enfiaria a mão, eu perdi, e enfiei minha mão lá. Felizmente não tinha aranhas. Ao invés disso, uma surpresa: um cantil de metal antigo! Daqueles que os rapazes colocavam em seus bolsos de casaco. É prateado — bom, pelo menos a cor é prateada. Pode ser chumbo. E definitivamente não é um "laço".

CJ Matthew's flask 01, SoBH.jpg

MAS. O sensor enlouqueceu. Nós colocamos o cantil na mesa e o sensor ao lado dele começou a apitar como louco. Parecia um cantil normal pra mim, meio escurecido com o tempo e não é como se tivesse escapado algum fantasma quando nós o abrimos. Não sei. Estava vazio e o sensor não apitou para mais nada na sala. Nós ficamos por lá cerca de uma hora mesmo quando terminamos. O lugar parecia bem confortável, devia ser ótimo no passado. Pensei em voltar algumas vezes e pagar a Fred para ele manter sem poeira e limpo. Provavelmente tem coisas que o Instituto de Londres deve querer também. Mas isso é pra quando terminarmos com a Mansão Blackthorn (e com seu fantasma).

Nós não sabíamos mais o que fazer com o cantil na Taverna, então nós saímos, trancamos e devolvemos a chave. Levamos o cantil para a casa e Julian foi pegar o polidor de prata. Quando limpamos o cantil, vimos um desenho bem elaborado de folhas e flores nele e tinha iniciais. Não um Herondale dessa vez. Não um Blackthorn também. As iniciais eram "M.F."

Julian está se remexendo desconfortável com a luz enfeitiçada que eu estou segurando para escrever aqui. Acho que está bem tarde. Boa noite, Bruce. Boa noite, quarto descolado. Boa noite, fantasma. Boa noite, cantil misterioso.

Boa noite, Julian, meu amor.

— Emma.

* Nota da tradução: O termo em inglês que Emma usa é "bedsit", que não tem uma tradução oficial para o português, mas pesquisando sobre o que seria realmente é como seria uma kitnet aqui no Brasil, então decidimos por "abrasileirar" um pouco a frase.

Emma para Bruce

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 24 de Janeiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (24/01/2022)

Querido Bruce,

É hora do chá. Agora que Jules e eu estamos morando na Inglaterra, nós estamos tentando abraçar o conceito da hora do chá, embora, como você já sabe, eu prefira tomar minha cafeína na forma de chocolate (ao contrário de Cristina, que é literalmente viciada em café). Biscoitos de chocolate, barras de brownie, sorvete – qualquer forma de chocolate é bem-vinda e aceitável, e há chocolates excelentes na Inglaterra. Eu me tornei viciada em barras do Galaxy.

Julian está lá fora conversando com os empreiteiros – eu posso ver Tom Redondo agitando os braços ao redor de alguma coisa – então pensei em tirar um momento para contar o que aconteceu desde minha última entrada.

Se você se lembra, encontramos um cantil de prata na Taverna do Diabo que pareceu disparar todos os sensores do detector de fantasmas do Ty. Era um lindo cantil... gravado com flores e asas de borboleta, e as iniciais MF. Trouxemos de volta para a Mansão Blackthorn e demos uma olhada à luz do dia, onde imediatamente me lembrei de onde tinha visto aquele desenho de borboleta antes.

No anel da família Fairchild.

Eu sei disso por causa de Clary (Eu não passo muito tempo olhando para as joias dela, Bruce, mas os Caçadores de Sombras gostam muito de símbolos de família, em geral. E teve aquela vez que eu peguei emprestado a jaqueta dela na Terra das Fadas e depois fui para Thule e todos pensaram que ela estava morta porque o anel dela estava no bolso... mas isso é uma história para outra hora. Eu tenho o suficiente para contar no presente). Então Jules e eu concordamos que quem possuía este cantil era provavelmente um Fairchild cujo primeiro nome começava com M. Genial – nível de investigação de Sherlock, eu sei.

Durante um almoço com sanduíches de queijo, nós decidimos que seria melhor fazer uma pesquisa um pouco mais diligente em vez de mergulhar de cabeça e perguntar ao fantasma: "VOCÊ É UM FAIRCHILD, SIM OU NÃO". Enviamos uma mensagem de fogo para Helen e Aline. Há várias histórias antigas da família dos Caçadores de Sombras na biblioteca do Instituto de Los Angeles, e pedimos para elas que procurassem Fairchilds que tinham nomes começando com a letra M. Eu acho que Helen acordou cedo, porque ela retornou para nós rapidamente com uma lista curta de candidatos. Medea Fairchild, Myles Fairchild e Matthew Fairchild. Não ficou claro nos registros se algum deles é ancestral de Clary, mas estou curiosa! (Pessoalmente, eu espero que Medeia seja, porque esse é um nome mitológico foda). De qualquer forma, não demoramos muito para nomear um candidato a Dono do Cantil de Prata (Bateria, por favor, Bruce). O candidato é... Matthew Fairchild!

Nós deduzimos isso porque Medeia morreu em 1802 aos setenta e oito anos, e Myles morreu em 1857 aos cinquenta e nove. Então, dado o período de tempo que estamos analisando – Jem disse que seus amigos estavam na Taverna do Diabo no início do século passado – Matthew, nascido em 1886, era o único que se encaixava (Aparentemente, não havia uma data de morte para ele, o que não significa que ele viveu para sempre ou morreu ao nascer, os registros dessa época tendem a ser irregulares).

Sem mais delongas, nós voltamos à sala de jantar para contatar nosso fantasma misterioso. Juro que, apesar de termos varrido várias vezes, aquela sala parece ficar cada vez mais empoeirada. Eu tinha deixado alguns papéis dos arquivos dos Blackthorn (que é uma maneira gentil de dizer "da pilha de lixo com coisas interessantes de vez em quando") empilhados na mesa de jantar, e eles estavam todos em desordem. Isso me fez pensar se o fantasma estava tentando lê-los em nossa ausência.

Julian limpou sua garganta. "Atenção, espírito." Ele começou.

"Talvez eles não gostem de ser chamados de 'espírito'", eu falei baixinho. "Talvez devêssemos nos referir a eles como 'Pessoa Falecida'."

"Isso parece coisa de médico.", disse Julian. "Como se estivéssemos em um necrotério."

Nós dois ficamos desanimados com a ideia de estarmos em um necrotério. Depois de pensar por um momento, Julian disse: "Que tal espectro ou fantasma?"

As cortinas se mexeram, embora as janelas não estivessem abertas. Aparentemente fantasma foi a escolha popular.

"Matthew?" Eu disse, lentamente. "Matthew Fairchild?"

É um bom nome, Matthew. Eu pensei em Matthew Fairchild, nascido em 1886, e me perguntei como ele teria sido. Eu gostaria de saber se tudo o que restava dele era uma lufada de ar agitando as cortinas da nossa sala de jantar.

Embora as cortinas não estivessem se mexendo agora. Elas estavam totalmente paradas.

"Você é Matthew Fairchild?" Jules perguntou, claramente decidindo que precisávamos ser mais específicos.

As cortinas deram o que só posso descrever como uma pequena sacudida irritada. Isso levantou um pouco mais de poeira, o que tornou o ar nebuloso. Ouvi um barulho atrás de mim e me virei. A pilha de papéis sobre a mesa tombou. Papéis estavam sendo jogados em todas as direções, por uma mão invisível e furiosa.

"Então você não é Matthew Fairchild?" Eu disse, lutando contra a vontade de espirrar. "Olha, tudo bem se você não for – nós só queremos ajudar – nós continuaremos procurando –"

Os papéis pararam de voar. A sala ficou em silêncio novamente. Quieta, até, como o interior de um Instituto. Imaginei que nosso amigo fantasma tivesse partido e percebi que estava desapontada. Eu realmente esperava que encontrássemos uma resposta...

Então Julian colocou a mão no meu braço. E apontou. Arrepios explodiram por minha pele. Na poeira do chão, um dedo invisível escrevia palavras — escrevendo na velha caligrafia que se tornou familiar desde nossa chegada a Mansão Blackthorn.

Uma a uma, as palavras foram aparecendo, as letras trêmulas e pontiagudas, como se o fantasma estivesse agitado.

Leia o diário

A imagem do diário de Tatiana surgiu em minha mente. Eu sabia, de alguma forma, que aquele era o diário ao qual o fantasma estava se referindo. Mais palavras apareceram:

LEIA O DIÁRIO

LEIA O DIÁRIO

LEIA O DIÁRIO

"Mas eu li!" Eu disse, sem pensar. "Eu li o diário."

Julian se virou para olhar para mim, uma expressão vazia de surpresa se espalhando por seu rosto. "Emma", ele disse. "Que diário?"

Julian para Mark

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 31 de Janeiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (31/01/2022)

Mark para Julian

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 02 de Fevereiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (02/02/2022)

Kieran para Julian

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 07 de Fevereiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (07/02/2022)

Para: Julian Blackthorn, Mestre da Mansão Blackthorn
De: A Corte Unseelie

Meu querido irmão,

Mark compartilhou comigo, com sua permissão, pelo que entendi, o conteúdo de sua última carta para ele no que diz respeito ao Tom Redondo e à mansão. Eu investiguei o que você perguntou, e infelizmente cabe a mim concordar com o Thomas: a Mansão Blackthorn está sofrendo com uma maldição.

Eu tenho certeza de que, do seu ponto de vista, a menor má notícia é o fato da maldição da casa e maior as cobranças adicionais que Tom Redondo adicionou pelos reparos e atualizações que sua equipe está realizando. Deve aborrecê-lo especialmente que esses novos preços não incluem a quebra da maldição, mas destinam-se apenas a cobrir os riscos aumentados para os trabalhadores e as proteções extras que eles precisarão tomar.

Já tomei medidas para buscar uma solução, mas, por favor, deixe-me explicar a situação, talvez um pouco mais convincente do que Tom Redondo foi capaz.

Primeiro, por favor, saiba que a relutância de Tom em quebrar a maldição na verdade é um excelente exemplo de sua virtude (ou, Mark sugeriu, seu medo do cargo que ocupo; eu escolho pensar que é a primeira opção). A empresa que trabalha na Mansão Blackthorn não está qualificada para lidar com uma coisa tão complexa como uma maldição. Nesta situação, muitos do Povo das Fadas (embora eu seja relutante em admitir isso) alegariam que poderiam resolver o problema, e cobrariam caro de você por tarefa que eles não poderiam, na verdade, realizar. O fato de Tom não ter feito isso é um crédito para ele.

Eu apreciei sua sugestão de que a maldição e o espectro que assombra a casa poderiam ser a mesma coisa. Infelizmente, quando me comuniquei com Tom Redondo através de minhas fontes —

(Mark interferiu para me advertir por não simplesmente dizer General Winter; minhas desculpas. Falar claramente em correspondência escrita pode ser notavelmente difícil para alguém acostumado com a política das Fadas.)

Infelizmente, depois de me comunicar com Tom Redondo através do General Winter, eu tive certeza de que o fantasma e a maldição são artigos diferentes. As palavras de Tom Redondo, acredito, foram no sentido de que "casas antigas sempre têm fantasmas. Não nos importamos com fantasmas e eles não interferem em nosso trabalho. Uma maldição, no entanto, interfere, e a Mansão Blackthorn é amaldiçoada." Ele também deixou claro que era a impressão dele que você já sabia – que quando o dono da casa compartilha o mesmo nome da casa, eles provavelmente já sabem o suficiente da história para estarem cientes de uma maldição. Claro, ele não sabe nada sobre a história da família Blackthorn, e não deveria ter feito tal suposição.

SoBH panfleto 01.png

Eu o pressionei para baixar o preço de qualquer maneira, como um favor pessoal, e expliquei que as circunstâncias de sua tomada de posse eram bastante inesperadas. Lamento dizer que ele não pôde ser convencido. Ele produziu uma verdadeira biblioteca de tratados, estatutos e cartas para apoiar sua afirmação de que essas proteções para seus homens eram garantidas pelas Cortes das Fadas e, de fato, ele está correto.

Eu estou, portanto, na lamentável posição de sugerir que você concentre seus esforços em descobrir e acabar com a maldição. Embora seja verdade que Tom Redondo e sua equipe não poderão ajudá-lo, eu sei que você é um membro bem relacionado dos Nephilim, e entre seus amigos e companheiros muitos feiticeiros, Irmãos do Silêncio e assim por diante podem ser encontrados. Eu tenho toda a confiança em você e em Emma; certamente nenhuma maldição pode permanecer por muito tempo sem ser resolvida uma vez que vocês dois se comprometeram com o seu fim. Eu anexei uma brochura que pode ser útil, pois destina-se àqueles que acabaram de descobrir que sua morada está amaldiçoada. (Mark me diz que nunca se deve pronunciar as palavras "Anexei uma brochura" em correspondência pessoal, mas eu não tenho certeza de como expressar o que estou fazendo. Talvez "Eis um folheto" fosse mais apropriado.)

Também obrigado pelo delicioso bolo que você enviou. Embora não agite o sangue selvagem do meu coração como a comida das fadas, foi um delicioso acompanhamento para um bule de chá forte, e nós gostamos muito disso aqui. Mark me informou que este bolo foi criado por uma mundana, Victoria Sponge. Todos os créditos a Lady Sponge e a você por compartilhar sua arte conosco!

Mark e Cristina mandam seu amor. A isso eu junto o meu e mais etc. Etc.

Saudações ao Kraig.

Kieran

Emma para Bruce

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 14 de Fevereiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (14/02/2022)

Querido Bruce,

Tem sido dias tranquilos, e eu odiei cada segundo. Depois que dei o diário a Jules, ele se retirou para o salão de baile meio pintado para lê-lo. Quando ele voltou, ele parecia pensativo, às vezes sério, mas ele não queria falar sobre o que tinha lido. E Bruce – nem eu. Mesmo sabendo que Jules estava chateado comigo por não ter contado a ele sobre o diário, eu não conseguia explicar por que eu não contei. E quando tentei pensar por que não, minha mente simplesmente pulou a questão, como uma agulha sobre um arranhão em um disco.

Nós falamos sobre outras coisas. Tom Redondo, a maldição sobre a casa, uma carta de Ty, uma carta de Luke da Academia sobre alguns problemas que Dru se meteu com sua colega de quarto. (Eu sinto que isso é um bom sinal de que ela gosta da colega de quarto. É sempre bom ter alguém com quem entrar em problemas.) Mas havia algo distante nos olhos de Julian, algo distante e inacessível.

Eu senti falta dele.

Isso me fez pensar nos tempos ruins quando Julian e eu não podíamos conversar de verdade, e toda vez que eu queria falar com ele eu não podia dizer o que eu sentia, que eu o amava, que eu sempre o amaria, porque era ilegal e impossível. Eu tive que dobrar o significado real do que eu queria dizer em uma conversa comum, então quando eu dizia "Como você está?" ou "Você vai usar o carro hoje?" eu realmente queria dizer: "Eu te amo, eu te amo".

Eu estava sentada em um banquinho na cozinha esta tarde, marcando caixas. Algumas das coisas antigas da mansão que estamos mantendo para fazer parte permanente da casa. Algumas estão sendo empacotadas para as crianças olharem, verem se há alguma coisa que eles queiram guardar. Há um relógio velho que acho que Ty vai gostar e alguns soldadinhos de chumbo para Tavvy e muitos laços velhos assustadores para Dru examinar. Eu estava marcando o conteúdo de cada caixa com uma caneta quando Julian entrou na cozinha, com uma expressão estranha no rosto.

"Me pergunte sobre o diário, Emma." ele disse.

Eu comecei lentamente. Ele parecia tão estranho e um pouco pálido (talvez seja apenas falta de sol... desculpa, Inglaterra!). Então eu larguei minha caneta e perguntei a ele como estava indo a leitura do diário.

"Eu não me lembro," ele disse, e então fechou os olhos. Quando ele os abriu novamente, eles estavam em chamas, como se alguém acendesse uma fogueira atrás daquela linda cor azul-esverdeada que eu amo tanto. "Exceto que eu lembro. Eu lembro. Mas minha mente não quer que eu diga isso. Mark me mandou uma mensagem," ele acrescentou, e eu balancei a cabeça, como se eu soubesse que isso tinha a ver com qualquer coisa. "Ele disse que o diário provavelmente estava enfeitiçado. E claro que está. Você não vê? Há um tipo traiçoeiro de feitiço nele, um que faz você não querer falar sobre isso depois de ler ou até mesmo pensar muito sobre isso."

Claro. Fazia todo sentido — por que eu parecia nunca me lembrar de contar a Jules sobre o diário ou a qualquer outra pessoa; por que eu o mantive escondido debaixo da cama em vez de à vista na mesa de cabeceira. Eu exalei uma respiração trêmula. "Eu me sinto tão idiota –"

"Não." Jules estava do outro lado da sala e veio para mim em um segundo. Ele pegou meu rosto entre as mãos e um arrepio percorreu minha espinha. Ele parecia tão sério, tão intenso. Jules teve que crescer tão rápido e em momentos como esse ele quase me assusta com o quão adulto ele parece – não que qualquer um de nós seja criança, e já passamos por muito mais do que a maioria das pessoas da nossa idade, mas há algo sobre a presença dele que pode provocar às vezes, algo como ordenar.

É bem sexy, na verdade.

"Não", ele disse novamente. Ele gentilmente acariciou minha bochecha com o polegar. "Emma. Foi um feitiço. Isso fez você não pensar no diário, literalmente afastou os pensamentos da sua mente – eu sei porque isso também está acontecendo comigo. Você não pode se culpar. Você pode me culpar – eu deveria ter adivinhado o que estava acontecendo. Eu estava muito ocupado me preocupando que você estivesse escondendo algo de mim, quando eu deveria saber melhor." Sua tom de voz diminuiu, baixa e rouca. "Fique com raiva de mim," ele disse. "Eu mereço."

Eu virei minha cabeça, beijei a palma da mão dele. Senti o arrepio que o percorreu. "Não há nada para ficar com raiva," Eu sussurrei. "Só..."

"Me leve para a cama." Eu disse. Eu corei também. Eu não costumo dizer esse tipo de coisa, mas eu não me importei no momento. Os olhos dele se arregalaram e ele me puxou para fora do banco, me levantou entre seus braços. Eu envolvi minhas pernas ao redor de sua cintura, agarrei as lapelas de sua camisa e o beijei. Ele gemeu e me beijou de volta e então ele estava me carregando pela casa, e nós estávamos nos beijando como se não pudéssemos respirar de outra forma. Ele chutou a porta do quarto e nós caímos na cama juntos...

E é isso, Bruce. Nada de mais detalhes para você. Basta dizer que já era um pouco mais tarde e o sol estava quase se pondo quando começamos a conversar novamente, pelo menos em palavras de mais de uma sílaba. Estávamos enrolados nos lençóis estampados, e Jules estava inclinado sobre mim, apoiado em um cotovelo. Eu estava dançando meus dedos para cima e para baixo em seu braço, que estava duro com os músculos (obrigada, treinamento de Caçador de Sombras).

"Bem," Eu disse. "Isso foi bom, mas não tenho certeza se resolveu totalmente o nosso problema."

"Bom?" Julian parecia indignado. "Filhotinhos de animais são bons. Pijamas felpudos são bons. A festa de aposentadoria de Kraig foi boa. Isto foi..."

"Espetacular." eu disse. "Ai, você está feliz agora?"

"Espetacular é um começo."

"Julian..."

Ele sorriu. "Não. Não resolve o problema. O diário tem um feitiço nele e não devemos mexer nele até que o feitiço seja desfeito. Acho que devemos ir no Mercado das Sombras. Ver se podemos encontrar alguém disposto a remover o encantamento."

"Você não quer perguntar a Magnus?"

"Nós não podemos continuar incomodando Magnus." Ele se sentou, o que me proporcionou uma bela vista. Eu aproveitei por um tempo enquanto ele vasculhava a gaveta de sua mesa de cabeceira. Ele se virou para mim, segurando um pacote embrulhado para presente. Ele estava com uma expressão séria. "Eu queria te dar isso no Dia dos Namorados," Ele disse. "Mas eu não quero esperar. Eu sei que você disse que não há nada para ficar com raiva, mas ainda sinto muito, Emma. Eu confio em você, inteiramente. Nunca houve alguém em quem eu confiasse mais."

CC Emma & Julian 01, SoBH.jpg

Ele me deu o pacote, o que foi bom porque achei que senão eu poderia chorar. Foi um dia emotivo. O presente acabou sendo uma foto maravilhosamente emoldurada de nós dois na London Eye. Eu não conseguia nem descobrir como ele conseguiu emoldurar, ou quando.

"Nós parecemos tão felizes." Eu disse, encantada.

"Eu sempre quero você tão feliz assim." Julian disse. "Eu quero fazer você tão feliz assim. E vou passar minha vida fazendo isso."

Então eu chorei e ele me beijou, e bem, isso é tudo que você precisa saber, Bruce. Talvez eu lhe conte sobre o Mercado das Sombras quando formos. Até então...

Emma

Julian para Magnus

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 21 de Fevereiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (21/02/2022)

Oi, Magnus. É Julian Blackthorn. (Eu sei, você já disse que apenas "Julian" está ótimo, mas hábitos são difíceis de quebrar). Você disse que queria atualizações sobre o que está acontecendo na Mansão Blackthorn, então aqui tem algumas atualizações, na verdade mais do que você provavelmente esperava.

Primeiro, Hypatia Vex diz oi. Então isso provavelmente te mostra, de início, como as coisas estão indo. Ela disse que você deve contatá-la sobre um dinheiro que deve a ela, mas eu disse que não queria estar no meio disso e que só iria mencionar. (Eu acredito que ela disse que você "galgou em uma aposta", o que eu pesquisei e (a) não parece algo que você faria e (b) parece ofensivo aos galeses?)[nota 1]

Nós vimos Hypatia porque fomos até o Mercado das Sombras de Londres, e fomos até o Mercado das Sombras porque, em adição a todas as coisas misteriosas na casa—um fantasma, uma maldição, várias más vibrações—parece que nós também temos um diário com encantamento. Pertencia a Tatiana Blackthorn, nascida Lightwood, lá em 1870. Emma começou a ler assim que chegamos aqui, mas tinha algum tipo de feitiço que impedia que ela falasse a qualquer um sobre ele. Mesmo antes de chegar no Mercado das Sombras, Emma e eu esquecemos sobre o diário algumas vezes cada um. Felizmente um lembrava o outro. Eventualmente eu escrevi "LEMBRE DO DIÁRIO" em letras grandes e coloridas em um cartaz e pendurei para que a gente pudesse ver assim que acordasse.

Mas essa não é uma solução a longo termo, por isso nós fomos até o Mercado das Sombras para encontrar alguém que pudesse tirar o encanto da coisa. Hypatia tem uma espécie de posto avançado de sua loja que ela monta no Mercado, e nós ficamos aliviados de encontrar alguém que conhecemos—eu não estava animado de entregar um item Shadowhunter enfeitiçado para qualquer um. Como você pode imaginar, ela não estava feliz em nos ver, mas isso é típico de Hypatia. E ninguém nunca está feliz em ver um Shadowhunter no Mercado das Sombras, é claro. Nós tentamos parecer tão casuais quanto possível, mas não podíamos dizer "não se preocupem, não estamos aqui para atacar o lugar!" Nós vimos algumas barracas fecharem enquanto nos aproximávamos, incluindo uma que vendia uma poção que garantia "colocar pelo de lobisomem em seu peito". Eu me pergunto se é pelo tirado diretamente de um lobisomem ou se você ficaria peludo como um lobisomem? Não podia perguntar porque a barraca tinha fechado. Você sabe como é.

Enfim, apesar de toda reclamação sobre Shadowhunters aparecerem apenas quando precisam de algo e etc, Hypatia nos ajudou o bastante assim que explicamos a ela o que estava acontecendo. Eu não acho que ela conseguiu resistir ao enigma disso. Ela levou o diário até os fundos e, eu acho, fez algum "desencantamento". Quando voltou, ela tinha boas e más notícias. A boa notícia: o diário não estava mais encantado. A má notícia: tirar o feitiço do diário ativou um mecanismo de feitiço de segurança que transformou todo o texto em Purgatic.[nota 2] Alguém realmente não queria que o diário fosse lido. Hypatia concordou em traduzir o diário por um valor significativo (mesmo que seja uma gota no oceano comparado com todos os custos de arrumar a casa). Uma coisa: ela disse que demoraria. Aparentemente o ato de traduzir uma língua demoníaca cansa a energia do tradutor e eles só conseguem fazer um pouco antes de ter que descansar. Eu não sabia disso! (E se não for verdade e Hypatia estiver apenas nos zoando, por favor, me diga).

Assim sendo, quando Hypatia cumprir sua parte do acordo, nós saberemos mais sobre o diário. Parece que temos todas essas peças de um quebra-cabeça, mas não sabemos como colocá-las juntas, ou se tem peças faltando, ou se são do mesmo quebra-cabeça. O diário de Tatiana é relacionado ao fantasma? Algum dos dois é relacionado a maldição? Ou essa casa é apenas um compilado de magia ruim?

Então, no caminho para sair do Mercado das Sombras, tivemos outra surpresa: o sensor modificado para fantasmas de Ty começou a apitar como louco assim que saímos. Nós pensamos que devia ser algo no Mercado e voltamos para dentro, mas não, o apito parou. Nós o seguimos e nos levou até a Catedral de Southwark, que é no caminho para o Mercado. Ainda tinham muitos turistas visitando, por isso fizemos como qualquer Shadowhunter faria, colocamos glamour e entramos escondidos. O sensor nos levou até um esconderijo de armas Nephilim (em um nicho sob a estátua de alabastro de alguém) onde encontramos... uma arma. Eu sei, maravilhoso, né? E obviamente não era apenas uma arma genérica que foi deixada no esconderijo; é bonita e elaborada e parece que poderia ser usada em uma cerimônia. É uma adaga curva, de origem do Oriente Médio (eu não sou um expert em armas da região, infelizmente, e nós vamos ter que checar algumas referências para descobrir o tipo específico), e tem uma caligrafia linda na lâmina em uma escrita árabe. (É claro, existem provavelmente vinte línguas em comum que usam a escrita árabe; eu não sei qual que é).

Eu tirei algumas fotos e vou escrever para Ty e ver o que ele consegue descobrir sobre a adaga. Não parece combinar com o cantil e eu não tenho ideia do porque foi deixada na catedral. O mistério continua. Essa casa, hm, precisa de mais consertos do que nós pensávamos previamente.

Emma manda muito amor, e por favor, passe também nosso amor para Alec e as crianças. Me diga se você tiver alguma ideia e espero que você finalmente tenha a chance de relaxar um pouco.

Julian

  1. Tem uma piada sobre galeses e a frase usada em inglês que ficou perdida na tradução.
  2. A palavra "Purgatic" se refere a uma linguagem demoníaca usada nos livros do Mundo das Sombras. O termo não foi traduzido aqui no BR pela editora no livro "O Códex dos Caçadores de Sombras", então deixamos o termo original assim como no livro.

Emma para Bruce

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 28 de Fevereiro de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (28/02/2022)

Oi, Bruce. Uma noite meio bizarra. Desculpe se pareço um pouco abalada.

Então, nós encontramos – ou acho que o sensor de Ty encontrou – essa adaga no esconderijo de armas na Catedral de Southwark. O que é bastante aleatório, já que estávamos na área por causa do Mercado das Sombras. (Acho que quem colocou a adaga lá provavelmente também estava na área pelo Mercado das Sombras, pensando bem.)

Eu escrevo para você esta noite à luz enfeitiçada, sentada no corredor do lado de fora do nosso quarto. O que é muito assustador por si só, porque basicamente todos os lugares nesta casa são assustadores, exceto nosso quarto, neste momento (Bem, algumas coisas não são assustadoras porque parecem um canteiro de obras, mas tanto faz). Eu não conseguia dormir e não queria manter Julian acordado.

Primeiro, a boa notícia: Ty estava acordado e nós nem estávamos em casa (para ser justa, leva uma hora inteira para ir de Chiswick até Southwark) antes dele mandar uma mensagem de texto para Julian com uma tradução do texto sobre a adaga. Acontece que é persa. Julian leu em voz alta:

Eu tanto quis uma adaga reluzente que todas as minhas costelas se transformaram em adaga.

Ele sorriu para mim. "Sexy", ele disse. "Me lembra você."

"Você quer dizer quando eu era movida exclusivamente por pensamentos de vingança?" Eu disse.

Ele pareceu magoado. "Não", ele disse. "Você só gosta de uma boa adaga."

"Mas eu não tenho certeza se transformaria todas as minhas costelas em adagas, entretanto" eu disse. "As costelas parecem importantes para manter dentro do seu corpo."

"Uma costela?" sugeriu Julian.

Bem, talvez uma costela.

Nós não chegamos em casa até depois da meia-noite, mas não havia como irmos para a cama sem mostrar a adaga ao fantasma. Nem tivemos que discutir isso, nós apenas fomos imediatamente para a sala de jantar.

Nós temos discutido para saber como chamar nosso fantasma. Ele costuma ser bastante temperamental, por isso é difícil saber qual nome ele prefere. Julian está indo com "Espirito", como Ebenezer Scrooge. Você sabe, "Espírito, não me mostre mais!"

De qualquer forma, Julian disse algo como: "Espírito, nós desejamos sua atenção. Nós temos algo para lhe mostrar." As velas se acenderam em resposta, o que foi um truque legal, embora não tornasse as coisas menos assustadoras.

Nós colocamos a adaga na mesa e perguntamos ao fantasma se era o dono da adaga, ou pelo menos a reconhecia. O que era um tiro no escuro, já que ele respondeu tão negativamente ao cantil. Mas parecia o lugar por onde começar.

De repente, o vento aumentou e todas as chamas das velas tremularam. O que foi uma surpresa, porque este é um dos poucos cômodos da casa com janelas intactas, e não estava ventando lá fora. E o vento não apenas soprou, ele continuou, ficando mais barulhento e mais suave, mais alto e mais baixo em um segundo. Julian e eu apenas olhamos um para o outro. Nós não tínhamos ideia do que estava acontecendo.

Depois de talvez um minuto, o vento começou a quebrar em pequenas rajadas, e então –

Espere, só tive que parar um momento. Eu me arrepiei novamente, me lembrando.

Então uma voz falou através do vento.

Era fraco e um sussurro, e mal soava como uma voz humana. Mas o vento falou. O fantasma falou.

E disse:

"NÃO"

"MINHA"

"SUA"

Nós quase corremos. Se Julian não estivesse lá, eu definitivamente teria corrido. E eu acho que ele teria, se eu não estivesse lá. Não foram nem as palavras. Era que haviam palavras. O fantasma estava ficando mais forte.

Quero dizer, se lembre, começou com coisas aleatórias de poltergeist, derrubando coisas, e então podia escrever na poeira. E agora podia falar. Por que estava ficando mais forte? Nossa presença estava fazendo isso? Foram os reparos, de alguma forma? A adaga o tornou mais forte?

E quão forte seria?

Julian recuperou a voz primeiro. "Minha?" ele disse. "Você está dizendo que a adaga é minha?"

E então — pelo anjo, Bruce, os pelos dos meus braços estão arrepiando só de escrever isso — o vento falou novamente e disse: "CARSTAIRS".

Eu não consegui falar. Julian disse: "Emma? A adaga é dela?"

O vento mudou de direção. Todas as chamas das velas se inclinaram para o outro lado.

Falou novamente.

"LEVE"

"CASA"

"CARSTAIRS"

"Casa?" Eu disse. "Casa, tipo, nossa casa? Los Angeles?"

"Ou esta casa?" Julian sugeriu. "Talvez precise ser levada para algum lugar da casa—"

O vento soprou forte e disse, com a voz mais forte que conseguira até então:

"CASA"

"CARSTAIRS"

"CIRENWORTH"

O vento parou, as velas se apagaram, a sala foi tomada pela escuridão. O fantasma tinha ido embora. Eu podia sentir sua ausência. O silêncio machucava meus ouvidos.

Emma imaginando seu antepassado que possuía a adaga cuidando dela

Eu tenho a adaga comigo agora. A levei para a cama comigo e não quero perdê-la de vista, por algum motivo. Eu continuo girando-a repetidamente em minhas mãos. "Cirenworth" significava Jem, é claro, então talvez fosse a adaga dele, há muito tempo. Ou talvez pertencesse a alguém que morava lá quando o fantasma estava vivo. A imagem dos ancestrais Carstairs continua passando pela minha mente. Quando eu fecho os olhos, eu sinto como se pudesse ver quem foi o dono dessa adaga uma vez, de pé ao meu lado – até mesmo protetoramente, como se soubessem que somos parentes e quisessem ficar ao meu lado, mesmo através dos séculos.

Eu acho que Magnus está certo, o fantasma tem boas intenções. Eu não acho que um fantasma malévolo seria tão útil quanto este está claramente tentando ser. E as fadas que trabalham na casa parecem totalmente despreocupadas com ele, o que não fariam se pensassem que ele tinha más intenções. O que me faz pensar que o fantasma não faz parte da maldição, mas, em vez disso, talvez o fantasma esteja preso aqui pela maldição.

Ok, eu me sinto um pouco melhor depois de escrever tudo isso. Eu acho que vou colocar a adaga em algum lugar seguro e tentar dormir um pouco. Obrigada por ouvir como sempre, Bruce. Você é um amigo.

E amanhã – nós vamos ver Jem e Tessa e Kit e Mina, porque vamos para Cirenworth!

Hypatia para Emma e Julian

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 7 de Março de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (07/03/2022)

Para o Nephilim Blackthorn que reside em Mansão Blackthorn, Chiswick

De Hypatia Vex, Fellow, Labirinto Espiral

Minhas saudações. Em anexo podem encontrar as primeiras páginas do diário de Tatiana Blackthorn que eu traduzi do Purgatic. Espero que não se importe, mas eu pensei que talvez Magnus Bane pudesse ter alguma ideia da situação que o fez levar o diário para mim, e ele tinha, falando sobre uma maldição que tem na casa. Eu pulei algumas entradas em que falavam sobre a roupa da autora, opiniões sobre seus conhecidos, reclamações sobre o tempo e etc, para colocar apenas o que eu acho que pode ser do interesse (mesmo que contradiga o que eu penso do histórico da casa — Benedict Lightwood, é claro, não era conhecido por ser confiável, ou talvez as coisas tenham mudado desde seu tempo. Um mistério a ser desvendado, talvez?)

Entrarei em contato em breve com novas traduções.

Sua,

H. Vex

CJ diário de Tatiana 02.jpg

Querido diário, essa noite eu estou em um raro estado de euforia. Parece que minha paciência e cuidado podem não ser tão inúteis quanto assumiram os membros dessa família. Eu acredito que meu pai começou a aceitar e até aprovar meu noivado com Rupert! (Oh, que dia feliz, meu querido Rupert!) Mais surpreendente, ele não me comunicou isso de uma forma desajeitada como uma estranha conversa sobre sentimentos, mas ao invés disso, ele confiou em mim e me disse coisas que eu tenho certeza que ele nunca compartilhou com meus irmãos.

Foi depois do jantar. Os terríveis G’s estavam batendo um no outro com suas espadas ou algo tão sem sentido quanto. O pai geralmente vai para seu escritório, é claro, mas essa noite ele veio até mim, do nada, me pediu para acompanhá-lo até lá. Eu obedientemente o segui.

Lá ele fechou a porta com cuidado e me fez sentar em uma das poltronas de frente a mesa dele. Ele sentou em sua própria cadeira e começou a falar que o sobrenome Lightwood é um sobrenome antigo e poderoso.

Eu respondi que, de fato, sabia disso e que nunca tinha esquecido.

Ele continuou falando que tal nome traz coisas como grande prestígio e influência, mas também inimizades. Os adversários dos Lightwoods são muitos, ele falou. "E eu não estou falando dos demônios que nós enfrentamos na guerra, ou até os meio demônios que cruzam a terra apenas pela superfície, mas aqueles de nossa própria raça, os Nephilim." Ele explicou que tinha muita inveja em torno de nós, e enquanto não podia ser expressada diretamente, tinham algumas pessoas que buscavam nos destruir.

Eu perguntei a ele se ele estava pensando em alguém em particular, mas ele negou. Os inimigos mudam, ele disse, com o tempo; alianças se formam e se desfazem, como os interesses das famílias Shadowhunters mudam conforme o tempo e o destino passam.

(Estou escrevendo as palavras dele exatamente como me lembro, Diário. Eu admiro a maneira que ele se expressa, e desejo que eu possa fazer isso também, já que os outros em minha família não o fazem).

Ele começou a explicar que, mesmo que não seja muito conhecido, estamos bem protegidos aqui na Mansão Lightwood, não apenas pelas pedras e tijolos, mas por um feitiço que afeta a casa e os arredores.

Um feitiço! Eu estava maravilhada. Eu sabia que magia era um objeto de interesse do pai, e que suas pesquisas o levaram para experimentos pequenos. Eu não tinha ideia de que ele tinha conseguido muito. Digo isso, eu espero, em um tom de elogio. Ele disse que levou vários anos para arrumar as preparações, porque ele não confiava em ninguém, pagando por um feiticeiro para ficar em silêncio em relação ao conhecimento da proteção da casa.

O encantamento é bem elaborado, pelo que entendi, e seus efeitos um tanto difíceis de comunicar. O pai disse que é para proteger de outros Nephilims investigarem a casa e para manter as áreas da casa e os bens da família escondidos de serem descobertos. Eu perguntei como que o encantamento funcionava e ele disse que tinha a ver com as linhas ley, as costuras de magia que atravessam a terra, e meia dúzia de objetos selecionados e colocados em lugares nessa linha ley que foram feitos com um cálculo elaborado.

Eu o pressionei por mais detalhes, lembrando a ele que compartilhamos o interesse por tópicos de magia, mas isso foi tudo que ele contou. Ele disse que como eu ainda era uma garota solteira eu não devia me preocupar com os modos do mundo — e aqui está porque estou contando essa história, Diário.

Quando ele falou sobre mim, ele me olhou, um olhar que primeiramente não entendi. Mas então eu entendi: ele disse soando como "ainda" solteira. Pelo brilho no olhar dele, eu entendi que ele estava falando: você logo estará casada.

E então tudo ficou claro com uma grande explosão de triunfo!

Meu pai aceitou Rupert, e aprovará nosso casamento—

Isso me fará alcançar a maioridade—

Isso fará com que o pai me leve mais em consideração sobre a natureza da Casa Lightwood e seu trabalho com magia—

Porque ele entende que seja lá o que diz a Lei, eu sou a herdeira por direito dele e de seus objetivos e seu trabalho—

E porque ele espera que Rupert e eu sejamos os donos dessa Mansão depois dele!

Mesmo que meus esforços tenham sido longos e árduos, Diário, e eu tenha temido que nunca ganhasse os frutos, eu vou dormir essa noite com a vitória em minhas mãos e apenas pena pelos meus pobres irmãos, muito vazios e cabeçudos para sequer entender o que aconteceu enquanto eles batiam um no outro com pedaços de madeira na sala de treino.

Tatiana em-breve-será-Blackthorn Lightwood

Julian para Helen e Aline

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 14 de Março de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (14/03/2022)
CJ Emma, Jem, Julian, Kit, Mina & Tessa 01, SoBH.jpg

Oi, gente. Nós acabamos de voltar de Cirenworth e vimos Jem, Tessa, Kit (e Mina, é claro). Eu descobri muito sobre Kit, sobre uma arma e sobre um antigo Herondale chamado James. Eu tenho que colocar meus pensamentos em ordem, mas enquanto isso, aqui está uma foto nossa em Cirenworth. Vocês deviam ir algum dia, é um lugar bem legal.

J.

Julian para Helen e Aline

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 16 de Março de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (16/03/2022)

Queridas Helen e Aline,

Emma e eu pegamos o trem da Estação Paddington bem cedo (eu sei que poderíamos ter ido até o Instituto e perguntado se nos deixariam usar o Portal, mas parecia trabalhoso e, além disso, não seria nossa primeira viagem de trem pela Inglaterra).

Nós descemos do trem na Exeter, uma extensa cidade com uma catedral Gótica. Tessa estava esperando para nos pegar em um Mini Cooper verde caçador, com Mina em um assento de criança no banco de trás, usando óculos. Ela me lembrou de Tavvy quando ele era menor. Emma entrou no banco de trás e ficou brincando com Mina de esconder, e eu conversei com Tessa enquanto nós passávamos de carro pelo lindo campo verde do interior. Eu odeio quando as pessoas dizem "parecia como nos filmes", mas parecia. Eu fiquei querendo descer e pintar o cenário.

Nós passamos por um grande portão e então por uma longa estrada ladeada de carvalhos e álamos. Pensei que estávamos em algum tipo de parque nacional — tinha trilhas e muito verde e flores. Tessa me falou que as roxas eram jacintos (era de se achar que seriam azuis),[nota 1] e as amarelas eram quelidônias. Nós passamos por uma grande casa de vidro e então saímos na frente do que eu posso jurar que pensei que era um castelo.

Eu acho que eu sabia que Cirenworth era chique, mas eu não imaginei o quão chique. É uma enorme pilha de pedras douradas com pequenas torres e janelas cheias de vidro com chumbo. Há uma grande entrada circular na frente e nós estacionamos na frente de uma escada que facilmente você veria do lado de fora de um museu. Jem e Kit estavam nos esperando no topo dela e Mina começou a dar gritinhos de prazer no momento em que viu eles. Foi bem fofo.

Nós fizemos um tour pela casa — acontece que eles só usam metade dela, a outra metade está fechada porque é muita coisa para cuidar. Eu perguntei se eles precisaram reformar o lugar e Jem disse que não, que nunca ficou sem manutenção que nem a Mansão Blackthorn. Tessa disse que só tiveram que redecorar porque era bem escuro "e um pouco mofado" quando eles se mudaram, mas ela disse que já tinha feito redecoração antes — aparentemente ela consertou todo Instituto muito tempo atrás. Eu perguntei sobre renovações, mas ela me lembrou que quando ela arrumou o Instituto, encanamento interno era uma coisa nova.

Kit disse que eles tiveram que colocar internet em Cirenworth (como se "coloca internet" nas coisas? Emma diz que você "coloca cabos para a internet". Eu acho que nenhum dos dois está certo) para ele, porque ele usa para o colégio. Acho que ele está feliz aqui. Ele apontou coisas em todas as salas que ele gostava — e tinha várias salas diferentes. Uma biblioteca grande com tapetes dourados, uma sala de jogos com uma mesa de sinuca (mas eles chamam de outra coisa), uma piscina interna, vários escritórios, uma sala de música, uma sala de costura, bem, eles provavelmente tem uma sala apenas para lamber selos e colocar em envelopes.

Eu percebi que esse é o máximo que eu vi de Kit desde que ele foi morar com Tessa e Jem. Então fiquei para conversar com ele enquanto Tessa estava mostrando para Emma a galeria de retratos de antigos Carstairs. Ele está muito mais alto, quase do meu tamanho agora, e sua voz está mais profunda. E eu percebi que ele parece mais velho, assim como Ty parece mais velho; eu estava pensando o tempo todo sobre ele na mesma idade em que eu o conheci. Mas não, ele está crescendo. Ele cresceu, talvez. Quase.

Ele disse que queria me mostrar algo no jardim, então eu o segui por uma porta francesa. Era um lugar cheio de grama — tinham arbustos de morangos, mas não tinham morangos (não está na época), e tinha um relógio de sol rachado no meio. Kit disse, sem me olhar, que se fosse desconfortável ficar perto dele, ou se eu não quisesse ver ele, ele poderia falar que estava com dor de cabeça e ir pra cama.

Eu fiquei surpreso. Eu perguntei a ele porque ele acha que eu me incomodaria com a presença dele ali. Ele chutou uma sujeira na volta e finalmente disse "Por causa — por causa dele."

Eu não disse nada primeiramente. Fiquei com um pouco de medo de falar. Kit parecia ótimo lá dentro, rindo e brincando e levantando Mina para que ela pudesse subir nos ombros dele. Agora ele me lembrava mais de como ele era quando nós o conhecemos, ou do jeito que Mark estava quando chegou da Caçada Selvagem... Frágil.

"Você está falando de Ty?", eu perguntei.

Ele assentiu. "Você é irmão dele", ele falou. "Quer dizer, eu falo com Dru e ela é irmã dele, mas — você é mais do que o irmão mais velho dele. Você era como o pai dele. Eu sei que você o criou. Eu achei que você ficaria do lado dele — e não te culparia."

Eu disse "Ty nunca me deu sinais de que teria que escolher um lado."

Kit olhou para cima. "Ele... não?"

"Eu sei que vocês dois não conversam mais", eu falei. "Eu não sei porque. Ty nunca me falou o motivo. Mas ele nunca te culpou ou falou que foi por algo que você fez. As pessoas brigam", eu adicionei. "Acontece. Eu queria que vocês fossem amigos novamente, porque antes quando vocês eram, era bem especial." Ty estava tão feliz, mas eu não disse isso. "Mas de toda forma, independente de qualquer coisa que aconteceu com Ty e com você, nós passamos por muitas coisas juntos. Você sempre será um de nós. Família."

Ele disse com uma voz falha "Isso significa muito".

Nós fomos jantar depois disso e falamos sobre muitas coisas — incluindo que o filho de Tessa, James Herondale, tinha uma arma que funcionava em demônios, que deixou Kit bem animado — mas essa carta está ficando muito longa, e eu queria falar mais sobre Kit. Eu acho que não percebi o quão infeliz ele estava sobre a situação com Ty. Me pergunto se nossa atitude de não se meter está funcionando. Quer dizer, eu sei que é problema deles, mas e se Ty também estiver infeliz? Existe algo que devíamos estar fazendo?

— Jules

  1. Jacinto em inglês se chama bluebells, então a piada meio que se perdeu na tradução

Tessa para Sophie

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 21 de Março de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (21/03/2022)

Querida Sophie,

Minha amada Sophie, você nunca lerá isso. No topo da minha estante de livros construída na parede distante do meu quarto aqui em Cirenworth — Cirenworth!, você diria, mas ah, eu explicarei — estão meus diários, de todas as formas e tamanhos, desde cadernos de tamanho quarto com páginas de marfim e encadernados em couro até cadernos espirais para crianças usarem em escolas. Tem lacunas, às vezes de anos, e alguns deles se perderam ou estragaram, ou o papel não foi feito para durar tanto tempo quanto eu vivo. Mas todos eles são escritos para alguém — eu nunca entendi o "querido diário", como se o diário fosse uma pessoa que eu queira que saiba meus pensamentos. Mas você, é claro, eu quero que saiba. E faz tantas décadas, Sophie, desde que eu comecei um diário que foi dirigido a você. Mas hoje começa um novo volume, um livro pequeno com papel florentino de redemoinhos, então eu escrevo para você:

Olá, Sophie Lightwood, nascida Collins, minha primeira verdadeira amiga em Londres. Faz tanto tempo que você se foi. E ainda assim parece que passou apenas um momento; eu viro e vejo sua figura graciosa enquanto você anda apressadamente pelo corredor com um cesto em seus braços, ou do jeito que você sorria quando você falou que podia falar com Will o quão rudemente você quisesse (e ele merecia naquele tempo!) ou a forma que você ria com Gideon por causa de bolinhos.

Então: Cirenworth. Eu vivo aqui com o Jem agora, você sabe. Ele não é mais um Irmão do Silêncio — bom, isso não é relevante para essa conversa de hoje, então sugiro que você consulte um dos diários antigos para se atualizar e volte aqui quando terminar. E nós fomos visitados pela prima dele, Emma Carstairs, e seu namorado, Julian Blackthorn. (Não se preocupe; os Blackthorns da geração dele são doces e amigáveis!) Ela tem mantido um diário ela mesma, para gravar a restauração da Mansão Blackthorn em Chiswick, que ficou praticamente desocupada todo esse tempo e entrou em ruínas. (Bom, mais ainda em ruína, eu imagino). E, é claro, aquela velha pilha de tijolos tem todos os tipos de problemas mágicos que eles estão tendo que solucionar, mesmo que, é claro, eles estavam animados para nos ver — Jem e eu, Mina e Kit.

Sim, eu sou mãe novamente, Sophie, e isso me faz sentir sua falta. Como era bom ter você do meu lado naqueles primeiros dias. Eu lembro de uma tarde, quando teve um encontro no Instituto — algum tipo de festa, não importa, mas James era um bebê e Thomas era um bebê. Alguém, talvez o velho Lysander Gladstone, estava tentando conversar conosco e eu lembro que nós adormecemos uma contra a outra ali mesmo no banco e os bebês também. Quando nós acordamos, Lysander tinha ficado bem ofendido e Will teve que explicar a ele sobre bebês e mães de primeira viagem. Nós ficamos agitadas porque as crianças tinham sumido, mas é claro que Will e Gideon tinham os levado para o berçário e nos deixaram cochilar juntas ali.

Sinto falta desses momentos com você.

Mina é apenas uma criança e filha de Jem, e graças ao Anjo ela tem o temperamento dele. Tem muito tempo desde que eu tive que perseguir uma criança pela sala de jantar, mas ela é doce e descontraída a maior parte do tempo. E nós temos um filho mais velho, Kit, que veio viver conosco depois que o pai dele foi morto. Ele é um parente distante da linhagem Herondale, mas ele não parece nada distante. Ele completa nossa família de um modo que eu não poderia ter imaginado e de um modo que, eu tenho certeza, nem ele poderia ter imaginado. Ele também é um adolescente, e ele teve sua própria vida antes de ficar com a gente, então tem muitas coisas que ele guarda para si. E é claro — como se é com adolescentes — eu me preocupo com ele. Ele tem amigos — até uma namorada, se eu estou observando corretamente — e ele ama Mina com uma força que surpreende até ele mesmo às vezes. Mas tem um peso na forma que ele se comporta, às vezes, uma tristeza que ele não quer ou não pode falar sobre. E talvez seja porque ele já passou por muitas perdas tão novo, mas eu não consigo afastar a sensação de que tem algo mais.

Eu quero te contar mais sobre Kit, e sobre de onde ele veio — é muito mais dramático do que você está provavelmente imaginando —, mas está tarde e eu posso falar sobre Kit qualquer hora. Eu prefiro, no momento, falar sobre a visita de Julian e Emma.

Eles estão desfazendo os nós de alguns mistérios sobre a Mansão Blackthorn — uma maldição na casa que vem desde os tempos de adivinhe quem: Benedict Lightwood (eu sei, Sophie, quem teria imaginado). E um fantasma benigno, mas enfraquecido e não identificado, provavelmente preso pela maldição. Tem todo um conjunto de objetos, ao que parece, conectados pela maldição, e o fantasma disse a eles para trazer um deles aqui para Cirenworth — por isso a visita, mas como eu disse, eu não acho que eles odiaram ter uma desculpa para ver Kit ou Mina.

Nós estávamos lavando a louça depois do jantar e Jem — você sabe como Jem é — disse diretamente para eles bom, vamos ver esses objetos que vocês encontraram.

Julian pegou eles em sua mochila e colocou no balcão: um frasco de whisky prateado, meio manchado, e uma adaga, também batida pelo tempo. Nenhum deles importou muito pra mim primeiramente — já, como você sabe, frascos e adagas são bem comuns em casas Shadowhunters em Londres, mesmo hoje em dia —, mas Jem reconheceu a adaga imediatamente.

Ele apontou para a inscrição e leu: "Eu tanto quis uma adaga reluzente que todas as minhas costelas se transformaram em adaga."

Julian e Emma razoavelmente arregalaram os olhos para ele. (Eu acho que eles não percebem que Jem faz coisas assim justamente para as pessoas ficarem abismadas com ele; ele apenas finge ser perfeitamente dramático por natureza). "Você conhece?" disse Julian, ao mesmo tempo em que Emma disse "Você lê em Farsi?"

"Eu reconheceria em qualquer lugar", disse Jem. "Pertencia a meu primo, Alastair Carstairs, mesmo que tenha chegado pra ele pela família de sua mãe."

"O fantasma disse para trazer para cá", Emma falou. "Para trazer para casa."

Jem pegou o frasco, que tinha um monograma nele. "Oh, meu Deus." ele disse num tom baixo e me mostrou as iniciais.

Meu pobre querido Matthew. Ele imediatamente apareceu na minha mente, com seus olhos risonhos e seu sorriso brilhante. Julian disse que já sabia que esse frasco era dele. Mas isso era muito estranho, eu apontei, porque se Benedict foi o responsável pela maldição, ele já tinha morrido quase dez anos antes de Matthew ter nascido. Julian começou a falar que não fazia sentido pra eles também, e era parte do mistério ainda. Mas então teve um som alto de um clique, que era o sensor que eles tinham que o irmão dele, Ty, modificou para fantasmas. (Ty é um outro tópico fascinante, Sophie, mas terá que esperar outro dia). Eles — eu digo Shadowhunters num geral, não só Julian e Emma — ainda usam o sensor de demônios que Henry inventou tantos anos atrás!

O sensor nos levou até a biblioteca. Emma parecia em dúvida.

"Vamos lá", ela disse para o Sensor. "Eu tenho certeza que a biblioteca de Cirenworth tem sido assombrada por anos."

"Não que eu saiba", Jem falou. "Mesmo que eu ache que tem casas de campo na Inglaterra que, se você levar esse negócio para dentro, vai apitar como uma sirene de policia. Cirenworth vem sendo cuidada continuamente e os donos sempre foram bem minuciosos sobre fantasmas."

CJ Thomas's journal 01.jpg

Usar o Sensor para encontrar um fantasma não é como usar para encontrar um demônio. Você pode dizer que encontrou um demônio porque, você sabe — o demônio está parado lá. Com fantasmas é muito mais um jogo de "quente" ou "frio", e eventualmente nós concordamos que o som ficava mais alto na frente de uma prateleira em particular. Nós tiramos os livros daquela prateleira e colocamos na mesa e checamos eles com o Sensor, e o vencedor foi um livro em tamanho quarto, encapado com couro. Nada na lateral, mas um lindo desenho de uma rosa dos ventos na frente.

Nós o abrimos e quando vi o interior, eu ofeguei. E eu sabia que estaria escrevendo esse meu novo diário para você. Você reconheceria — caligrafia apertada e elegante, com uma forte inclinação para a esquerda e completamente em espanhol. Era o diário de seu filho, é claro. De Thomas. Meu coração! Minhas memórias voltaram no tempo para você o segurando, uma criança tão pequena (que cresceu e se tornou um homem alto e com peito largo!)

Emma estava folheando ele. Essa era a primeira vez que ela ouvia falar sobre Thomas, eu imagino (não se preocupe, existem Lightwoods ainda, mas eles moram em Nova York), então é claro que ela não teve a reação sentimental que Jem e eu tivemos. "O problema, é claro", ela disse "é que meu espanhol é terrível."

Então é claro que Julian provocou ela um pouco, porque a melhor amiga de Emma, Cristina, é da Cidade do México. Emma disse que o problema é que quando ela precisava de algo dito ou traduzido de espanhol, Cristina a ajudava.

"Nós precisamos traduzir?" Julian perguntou. "Nós não sabemos se tem algo a ver com a maldição ou o fantasma. O frasco era apenas um frasco até onde sabemos, não?"

Entretanto, Jem estava movendo sua cabeça. Ele colocou o frasco e a adaga próximos do livro e olhou todos eles. "Não sei se vocês notaram, mas todos esses objetos vieram da mesma época. Os donos desses três eram da mesma geração e tinham quase a mesma idade. Eles eram amigos."

E eu pude ver todos eles em minha mente — Thomas, Matthew, Alastair, mas também Christopher e Cordelia e meus próprios James e Lucie. Foi há tanto tempo atrás, mas eu consigo lembrar de seus rostos como se tivesse sido ontem. Assim como me lembro do seu, Sophie. Eu olhei para Jem e pude ver que ele estava pensando a mesma coisa, mas tudo que ele disse para Julian e Emma foi "Não pode ser uma coincidência. Mas Benedict Lightwood nunca conheceu nenhum deles, e ele já tinha morrido fazia anos naquela época. Vocês tem certeza que ele é o responsável pela maldição?"

Emma disse que eles estavam quase certos — eles estavam lendo o diário que encontraram na casa que falava sobre isso. De quem? Oh, Sophie, você já deve ter imaginado. Tatiana Blackthorn.

"Ela tinha nossa idade mais ou menos, eu acho", Julian falou. "Talvez um pouco mais nova. Ele falou para ela sobre a maldição e sobre os objetos."

Eu acho que Emma viu a expressão no rosto meu e de Jem. "Eles...", ela tocou no frasco, na adaga e no livro, um de cada vez. "Matthew, Alastair, Thomas. Eles conheciam Tatiana Blackthorn?"

"Ela os conhecia", Jem falou sombriamente.

"Ela os odiava", eu expliquei. "Ela odiava todas nossas famílias — os Herondale, os Carstairs, os Fairchilds. E os outros Lightwoods. Ela se tornou mais... desagradável conforme o tempo foi passando. Mais e mais obcecada, eu diria, com nos machucar."

Julian estava olhando adiante. Agora, ele praticamente virou para olhar os objetos na mesa. "Ela mudou o encantamento", ele falou. "Ela trocou alguns dos objetos. Talvez todos eles."

Julian inteligente! Nós todos soubemos na hora que era a resposta mais provável.

"Mas porque?", Emma perguntou. "Talvez alguns dos objetos que Benedict usou se perderam?"

Quando Jem falou, sua voz estava mais dura do que eu estou acostumada a ouvir. "Eu não sei como ela soa em seu diário. Quando era mais nova, ela era mais contida. Mas no coração de Tatiana existia um terrível e enorme desejo por poder. Por controle. Não precisava ter algo de errado com a maldição de Benedict para Tatiana querer pegar para ela."

Ele está certo, minha querida Sophie, e as palavras dele encheram meu coração de temor. Tatiana não pode machucar Julian e Emma. Já faz muito tempo que ela se foi. Mas ela vem de anos do passado para trazer sua maldade para os dias de hoje. Quem quer que seja esse fantasma na mansão Blackthorn, eu rezo para que, ao menos, não seja ninguém que nós amamos.

Dru para Kit

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 28 de Março de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (28/03/2022)

Helen para Julian

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 30 de Março de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (30/03/2022)

Hey, Julian!

Obrigada por sua carta! Nós nunca estivemos em Cirenworth, mas parece lindo. Engraçado pensar nos quietos e modestos Jem e Tessa morando em uma MANSÃO com torres. Parece que Kit se adaptou bem e realmente se tornou parte da família deles, o que é maravilhoso saber. E nós precisamos de mais fotos da Mina! Nunca é demais fotos de Mina! Vou ligar para Tessa imediatamente.

Mas principalmente eu queria dizer: por favor, não se preocupe com Ty e Kit. Você tem uma casa para reformar e reformadores fadas para administrar e um fantasma para ajudar e uma maldição para quebrar... Você conhece Ty e sabe que ele sempre fala o que pensa. Ele deixou claro que não quer falar conosco sobre Kit. O que quer que tenha acontecido entre eles (e sim, estamos curiosas, claro que estamos curiosas!) nós temos que respeitar as vontades dele.

Além do mais, você se lembra como é ser um adolescente. É uma época de DRAMA ELEVADO. (Uh, admito, sua adolescência contém algum drama específico que a maioria das pessoas não tem, por exemplo, a guerra civil na Clave, Malcolm, você se transformando em um gigante brilhante pisando nas pessoas.) (Sim, nós sabemos que você não pisou realmente em ninguém.) Com um pouco mais de tempo e distância do que quer que tenha acontecido, aposto que Ty eventualmente vai querer falar sobre isso. Só precisamos dar tempo para ele. E talvez Ty precise de mais tempo do que a maioria das pessoas. (Por exemplo, acontece que ele precisa de mais tempo do que Kit.)

De qualquer forma, por favor, não se preocupe tanto. Você sabe tão bem quanto eu que Ty é mais forte do que parece. Ele vai ficar bem.

CJ Tavvy 01, SoBH.jpg

Obrigada pela foto, a qual Aline vai mandar imprimir na farmácia para que possamos pendurar na nossa parede. Eu acho que vamos colocá-la na cozinha – eu sinto falta dos nossos CAOS DO CAFÉ DA MANHÃ. (Aline veio ler isso e ela diz que vai trocar sua arma primária de Caçadora de Sombras e começar a treinar para lutar com Os Café da Manhã do Caos.) Aqui está uma foto para você em troca! Tavvy se aprofundou em Pokémon, o que é muito fofo e também preocupante. A memorização de mais de 700 monstros imaginários atrapalhará o aprendizado dos nomes de tipos ou armas de demônios reais? Nós nos preocupamos que ele não seja capaz de dizer a diferença entre um Gládio, uma Bisarma e uma Bec de Corbin!

Amo você, amor para Emma e hey, amor para o fantasma, fantasmas também precisam de amor,

Helen

Emma para Bruce, parcialmente o diário de Tatiana

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 4 de Abril de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (04/04/2022)

Querido Bruce,

Ah, como é bom voltar para a ruína úmida e sombria que é a amaldiçoada Mansão Blackthorn. Você sabe, eu quase sentirei falta da maldição, quando ela for quebrada. Eu estou brincando! Cirenworth prova que você pode ter uma antiga mansão com centenas de anos de história e pode ser calorosa, acolhedora e amigável.

Nós voltamos ontem à noite, e esta manhã Hypatia veio com mais alguns trechos traduzidos do diário de Tatiana (Não se preocupe, Bruce: você é meu Diário Verdadeiro. O diário de Tatiana não significa nada para mim, juro, nada!). Ela era uma grande de uma esquisita, como sempre, é claro; as traduções estão todas nessas grandes páginas de pergaminho que parecem adereços de filme, mas não, Hypatia só gosta de usar pergaminhos amarelados antigos para seu trabalho normal aqui no século XXI. Feiticeiros! Ela disse algo sobre páginas tratadas, linguagem demoníaca e assim por diante. E ela estava usando um vestido bordô dos anos 40 com um chapéu combinando e Bruce, a aba desse chapéu era tão larga que pensei que o vento a levaria embora (Ah, eu deveria ter dito, estávamos do lado de fora. Julian estava no telhado com os construtores, não é minha coisa favorita, então eu estava assistindo dos portões da frente enquanto tentava cortar as sarças*, que crescem aqui umas dez vezes mais do qualquer coisa na Califórnia, apesar do clima ser muito pior. Eu falei isso para uma das fadas e ele olhou para mim e disse: "Black. Thorn".[nota 1] E então se afastou enquanto pensava que tinha dado uma ótima razão. Mas foi a Mansão Lightwood primeiro!, eu gritei de volta, e ele me ignorou. O que foi melhor, realmente.)

Eu tenho certeza de que as sarças[nota 2] cresceram mais alguns centímetros enquanto conversávamos, mas teriam que esperar. Tirei Julian do telhado e entramos para ler.

Parece que Hypatia começou realmente a pensar no que está traduzindo; em vez de fazer cada entrada, desta vez ela tinha trechos de um monte de entradas juntas (ela colocou data cada uma). O que é uma pena, porque eu meio que gostava de ver Tatiana falando sobre suas roupas ou seus irmãos ou qualquer outra coisa entre todas as, você sabe, coisas de demônios malignos. Mas eu admito que é para isso que estamos aqui. Como diz o velho lema dos Caçadores de Sombras: "Caçadores de Sombras: Essa coisa de demônios malignos é para o que estamos aqui". Mas provavelmente em latim.

Alguns destaques traduzidos para você, Bruce. Eu não vou incluir as datas, mas elas se estendem por questões de anos. A primeira é de 1878 e a maioria é da década de 1880, mas depois há um salto e a última é de 1903 (Algum tempo antes, ela parece ter encontrado um "benfeitor" de algum tipo, mas ela não diz quem é. Ou por que alguém iria querer ser o benfeitor de uma pessoa tão desagradável...).

O pai está morto e Rupert está morto. Eu não posso falar do que aconteceu; quando eu tento, as palavras não vêm. A culpa é do Enclave de Londres, muitos dos quais estiveram presentes em suas mortes. Não só eles não salvaram nenhum dos homens que eu mais amo, mas ouso dizer que eles aceleraram o desastre. Eu estarei, pelo menos, registrando uma queixa formal na Clave, mas tenho pouca esperança de justiça, é claro. A corrupção entre os Nephilim aqui em Londres vai até as raízes.

Eu não posso acreditar que fui deixada sozinha. Minha mãe, se foi. Meus irmãos, se foram. As paredes da Mansão Lightwood são minhas únicas companheiras, seu silêncio é uma terrível lembrança de quanto perdi, em tão pouco tempo. Hoje fui de quarto em quarto, e onde quer que encontrasse um espelho, eu o esmaguei. O vidro eu deixei onde ele caiu, um lembrete de que tudo que era bom e brilhante foi destruído.

Eu tenho o anel de Rupert. É tudo o que resta dele. Eu sei que devo me sentir feliz por ter estado ao lado dele e recitado os votos de casamento. Eu não consigo trazer à tona a memória desse sentimento. Há sangue no anel. O sangue dele. Eu nunca vou limpá-lo.

Para honrar a memória de meu pai, comecei a folhear os livros de sua biblioteca. Não a biblioteca que a Clave conhece, é claro, aquela que eles pilharam após o incidente envolvendo sua morte, mas a outra, o santuário do Pai, que o encantamento esconde. Eu gostaria de saber o que ele sabia. Para buscar o poder que irá me ajudar, o qual agora está sem nada. Eu encontrei apenas uma coisa que faz meu coração bater no peito: por causa de seu fim violento, longe de sua própria casa, não é improvável que o espírito de meu Rupert ainda esteja presente aqui na casa. Se ele está aqui, eu vou encontrá-lo. Eu o verei e saberei que nosso amor é mais poderoso que a morte.

Eu procurei e procurei, realizei feitiço após feitiço. Eu não vi nenhum fantasma, nem de Rupert, nem do pai. Nem mesmo de algum parente Lightwood morto há muito tempo que poderia estar antes assombrando o lugar. É o encantamento de meu pai que mantém os mortos longe deste lugar? Ou isso só impede que eu os encontre? Mas eu sou a mestre desse encantamento agora, pois sou a verdadeira herdeira da casa (Se G e G tentarem tirá-la de mim, eles descobrirão que há mais do que um encantamento que funcionará contra eles).

A proteção do pai está desaparecendo. Eu posso sentir isso, enquanto permaneço aqui na casa, e isso se torna parte de mim, enquanto eu me torno parte dela. Algum dia meu filho herdará a casa — o último presente que Rupert me deu — e não deixarei a Mansão Blackthorn insegura para mim e minha família. Eu tenho lido extensivamente sobre o tema de encantamentos e coloco a culpa na urna contendo as cinzas da mãe, a qual caiu do seu lugar nas tumbas Lightwood no campo e se partiu terrivelmente. Não quebrou, mas desde então eu tenho sentido mais os olhos do mundo sobre mim. Mas eu acredito que os próprios objetos podem ser substituídos, desde que a magia seja renovada, e assim, em vez da urna, o encantamento agora habita o broche de luto do Pai, com suas mechas de cabelo da Mãe, e eu o coloquei no lugar do urna. O feitiço foi refeito e renovado. O Pai ficaria orgulhoso de mim. Ele estava certo em fazer de mim a herdeira de todas as suas obras.

Rupert está aqui, eu sei, embora eu não possa vê-lo ou ouvi-lo. Onde mais, de fato, ele poderia estar além de perto de mim, onde ele pertencia, onde ele deveria morar antes de sua vida ser interrompida pelas maquinações do Enclave. Às vezes, à noite, eu sinto que quase posso vê-lo, como se ele estivesse escondido atrás de uma cortina fina que divide o reino dos vivos dos mortos. E agora eu tenho certeza que ele ficará comigo.

Eu percebi que os objetos do feitiço protetor na casa são coisas que seriam importantes para o Pai, quando ele era mestre aqui. Mas agora eu sou a mestre aqui, e tendo estudado mais detalhadamente a pesquisa do Pai, foi uma questão simples colocar o anel dele em um local de poder. Será parte do feitiço daqui em diante, proteger a casa como Rupert teria me protegido.

Você vê, Bruce, como a última entrada parece... diferente?

Vingança. Reinvidicação. Elas estão perto.

Mas o poder da casa está desaparecendo. Na pior hora.

Eu apelei ao meu benfeitor. Ele disse que a magia era de minha autoria e que só eu poderia repará-la. Mas — pois ele é mais perceptivo do que qualquer outro — ele viu que eu já a havia reparado antes. Ele me perguntou quais objetos continham o encantamento e eu disse a ele: o broche, a pele de cobra e assim por diante.

E enquanto eu falava, ele só precisava olhar para mim com seu jeito de quem sabe para que eu o entendesse. Os objetos eram do tempo de meu pai e, embora a memória e honra dele nunca se desvaneçam de minha mente, mais de vinte anos se passaram.

Eu compreendi imediatamente meu benfeitor: era hora de substituir os focos do encantamento pelos meus próprios. Não apenas o anel de Rupert, mas coisas novas.

O que eu poderia usar? Eu estou sozinha há tanto tempo. Eu perdi um filho e não houve ajuda para mim. Só me resta uma coisa: minha vingança. E assim tomarei as coisas dos meus inimigos. Eu vou tirar tudo debaixo de seus narizes, de suas próprias casas. A tristeza deles é a minha satisfação, será a força que manterá a Mansão Blackthorn a salvo — a salvo deles! É o tipo de astúcia pela qual meu benfeitor é conhecido e que ele mais ama.

E uma vez que minhas proteções tenham voltado a força máxima, eles finalmente pagarão por seus pecados. Eles pagarão em seu sangue.

Ixa. Me dá arrepios só de ler. Eu acho que ela não os fez pagar realmente com sangue, ou Tessa e Jem provavelmente teriam mencionado isso (Eles teriam sido alguns dos que teriam pagado com sangue, eu tenho certeza). Então vamos resumir, Bruce: o fantasma é Rupert Blackthorn, marido de Tatiana. Ele morreu em algum tipo de tragédia e ela culpou as famílias sobre as quais Tessa e Jem falaram – os Herondale, os Carstairs, os Lightwoods... Então ela roubou coisas deles.

Então eu acho que sabemos o que precisamos fazer a seguir.

  1. Essa piada se perde na tradução, já como o homem fada estava fazendo um pequeno trocadilho com a árvore repleta de espinhos pretos, que é literalmente a tradução do sobrenome de Julian.
  2. Sarça é uma planta da família das rosáceas; também conhecida por silva. Você pode ler mais sobre ela clicando aqui.

Julian para Magnus

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 11 de Abril de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (11/04/2022)

Querido Magnus,

Anote essa data! Pela primeira vez estou escrevendo para você com respostas ao invés de perguntas. Eu sei que, provavelmente, você sentiu um pavor quando viu que era uma carta minha e considerou entrar no sistema de proteção a testemunha (Sistema de proteção de feiticeiros?), mas eu estou escrevendo apenas para te dar as últimas atualizações. E a boa notícia é que nós sabemos muito mais do que na última vez que nos falamos.

Primeiro: o fantasma na Mansão Blackthorn é Rupert Blackthorn, esposo de Tatiana. Ele ficou preso nessa casa por causa da maldição. O que nós achamos que aconteceu é que o espírito dele já estava na Mansão Blackthorn de todo jeito porque ele morreu aqui (e, de acordo com Tessa e Jem, em circunstâncias violentas). Mas então a maldição estava acabando depois que o pai de Tatiana morreu, já como era ligada a ele e Tatiana começou a fazer uma manutenção regular nos anos que vieram para que continuasse funcionando.

Nós não temos ideia de que Tatiana sequer sabia que o fantasma de Rupert ainda estava aqui em primeiro lugar ou se ela sabia que a maldição estava mantendo ele aqui — mas claramente estava e tem estado por todo esse tempo. Ele observou muitas coisas ao longo dos anos, eu suspeito.

A maldição funciona, ao que parece, por colocar objetos nas linhas ley que passam pela Mansão Blackthorn. (Isso foi bem esperto de Benedict, já como os objetos não estão na casa e assim a maldição não seria detectada por Shadowhunters procurando aqui. Ele não fez provisões para construtores fadas, sorte a nossa). E também porque Tatiana precisava manter a maldição em pé, ela periodicamente mudou os objetos com novas coisas que ela mesma encontrou. E ela pegou coisas dos Herondales, Carstairs, Lightwoods… as pessoas que ela odiava e seus filhos. Talvez ela pensou que o ódio faria a maldição mais forte, talvez ela apenas gostava da ideia de roubar daquelas pessoas e usar seus bens para seus próprios propósitos. Difícil dizer, mas não importa realmente. Encontre os objetos (que ainda não foram encontrados), acabe com a maldição, libere Rupert e então volte a arrumar a casa para que a gente possa viver aqui sem maldições.

UM ADENDO: Já é a manhã seguinte e eu tenho boas notícias. Rupert sabe onde os objetos estão! Ou, pelo menos, sabe os lugares que ele quer que a gente vá. A comunicação com Rupert ainda inclui muita interpretação. Nesse caso: nós chegamos para o café da manhã hoje para encontrar um envelope antigo que nunca vimos antes no meio do chão da cozinha. Qualquer que fosse a correspondência já tinha desaparecido a muito tempo e a escrita estava borrada, mas nós conseguimos pegar o endereço que é na rua Curzon, no centro de Londres. Algumas trocas rápidas de mensagens de fogo e nós descobrimos que o filho de Tessa, James, viveu em uma casa na rua Curzon algumas centenas de anos atrás. Ainda pertence aos Herondale, de fato, mas anos atrás, antes de Jace, provavelmente antes do pai de Jace, foi dada para o Fundo Nacional. Então está aberto para o público como um local histórico, mas eu acho que tecnicamente ainda pertence a Jace. Assim sendo, nós vamos lá, uns turistas que querem visitar uma casa histórica, esperando encontrar algo. Tessa disse que, até onde ela sabe, nenhum Shadowhunter viveu lá em muito tempo e se tem alguma antiguidade colocada lá por Tatiana poderia facilmente ter sido vendida ou colocada em um armazém, ou sabe-se lá onde. Rupert não saberia disso. Tem também o fato de não sabermos o quanto da casa é aberta ao público e como nós vamos procurar em partes que não são. Emma sugeriu que a gente colocasse Kit no telefone e fizesse ele falar que como Herondale ele nos dá permissão, mas não tenho certeza de como isso funciona.

Então a situação ainda está longe de ter acabado, mas nós fizemos algum progresso ao menos. E Emma gosta de pontuar que as coisas poderiam ser muito piores. Rupert poderia ser um poltergeist querendo vingança, sempre destruindo coisas ou tentando nos enlouquecer, mas ao invés disso ele parece reconhecer que a forma de conseguir o que ele quer é nos ajudando. Eu não acho que deveríamos depender dele para nos apontar para algumas peças que tem centenas de anos, mas nós temos um lugar para ir em seguida, e ainda temos o diário de Tatiana e o Sensor Fantasma de Ty. E eu me sinto muito melhor tendo um objetivo concreto.

E você deve estar pensando, bom, tudo bem, o que você quer de mim? E a resposta é: nadinha!

Obrigado de novo e nosso amor para Alec e todos aí.

Julian

Emma para Bruce

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 25 de Abril de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (25/04/2022)

Cristina para Emma

fonte: Secrets of Blackthorn Hall no Tumblr — 20 de Abril de 2022; Tradução oficial — IdrisBR (20/04/2022)

Querido Bruce,

Oh, Bruce, Bruce, Bruce. Você nem sabe (porque você é um diário e nunca sai de casa). Eu passei o dia entre os mundanos. Não apenas mundanos. Turistas. Considerando tudo, eu prefiro ficar com a mansão amaldiçoada e assombrada, obrigada.

Na última vez em que eu escrevi, nós descobrimos que o Fantasma!Rupert acha que tem um objeto amaldiçoado nessa casa Herondale na rua Curzon, aqui em Londres. Depois disso, nós não temos ideia do que fazer, porque linhas ley são, você sabe, linhas, então os objetos podem estar em qualquer lugar nelas. Mas uma coisa de cada vez.

CJ Emma & Julian 13, SoBH.jpg

Acontece que o Fundo Nacional faz turismos nas casas da rua Curzon — e eu imagino que algum Herondale do passado foi esperto o bastante para se livrar ou, pelo menos, glamourizar pra caramba qualquer coisa que seja muito Shadowhunter. É anunciada como uma recriação de uma "tipica casa Eduardiana", o que é perto o bastante do período de tempo para os nossos propósitos. Então nós colocamos roupas mundanas — Julian encontrou uma excelente camisa vintage de Sex Pistols na Câmara de Amor Groovy de Arthur e Andrew Blackthorn — e comprou entradas para a tour das 14 horas do dia seguinte.

O que nós descobrimos no nosso tour é que a decoração Eduardiana ficaria bem legal em uma casa moderna! É clara e arejada, cheia de cores suaves, tecidos com estampas legais e assim por diante. Oh, e nós também descobrimos que Tatiana Blackthorn perdeu completamente o movimento Eduardiano, porque tudo sobre a Mansão Blackthorn é o maior oposto de claro e arejado. Julian pontuou que ela provavelmente deixou da mesma forma que era quando o pai dela morreu. De toda forma, eu gostei da sensação na rua Curzon, era caseiro. Eu tirei a foto de um papel de parede e quero perguntar a Tessa se ela lembra quem fez e, bem, se eles ainda estão trabalhando. O que aconteceu com a gente? Nós estamos renovando uma casa. Me sinto velha.

O tour foi legal, eu acho. Muitos detalhes sobre épocas e marcas dos fabricantes e dos móveis. As pessoas perguntaram coisas ridículas — um dos casais exigiu saber onde estava o piano e quando a guia falou desculpe, sem piano, eles ficaram brabos e falaram pra ela que toda casa Eduardiana tinha um piano e por isso devia ter um, e ela meio que se desculpou e seguiu em frente. Foi esquisito e eu não me senti bem pelas pessoas de meu país.

Mas principalmente eu estava desligada de tudo isso. A casa era interessante o bastante. Tapetes persas em todo lugar! Um jogo de xadrez de marfim! Uma banheira revestida de estanho! Oh, tinha uma conta emoldurada da época que era claramente de um clube noturno de membros do Submundo, o que era legal. Mas, mais importante, nada ali era encantado por Tatiana.

Eu passei a maior parte do tempo procurando por algo que deixasse claro que Shadowhunters moraram ali. A única coisa que eu vi realmente é que tinham muitas armas usadas como decoração, o que a guia do tour falou que não era apropriada para o período. Claro que nós dois sabemos, Bruce, que as armas são sempre uma decoração apropriada. Mas é como Julian sempre diz, às vezes você não precisa de glamour porque os mundanos não enxergam o que não querem ver. Como, por exemplo, a guia do tour falou sobre uma linda escultura de jadeíta acima de uma cornija de lareira e disse que ninguém sabia o que a forma deveria representar. E era óbvio que devia estar mostrando uma espada que sumiu tem muito tempo já.

Enfim, nós

Oh, espere.

Não sumiu. Eu sei onde está. Está na mesinha do outro lado do quarto. Eu consigo ver daqui de onde estou escrevendo.

Um arrepio acabou de subir minhas costas, pensando nisso. Na casa hoje, eu estava pensando sobre as pessoas que moraram lá, James Herondale e Cordelia Carstairs, mas sendo honesta eu não senti uma conexão emocional com eles enquanto estava lá. Talvez seja apenas porque todas as coisas pessoais foram tiradas da casa antes dela se transformar num museu. Mas também… Eu não conhecia eles. Tessa e Jem conheciam, é claro, e Magnus e, droga, talvez algum outro feiticeiro, eu não sei. Mas eu não conhecia e nunca conhecerei.

Mas sabe quem mais conhecia eles? Cortana conhecia eles. Eu queria ter levado ela comigo hoje para a casa. (Mas nããããão, Julian disse que apenas armas que pudessem ser completamente escondidas. E se a guia do tour fosse um demônio Eidolon esperando por nós? Eu teria enfrentado com uma faquinha de bolso menor do que eu usaria para descascar uma maçã. Seria um demônio Eidolon que saberia muito sobre as mobílias da virada do século. ENFIM, nós estávamos lá para achar um objeto, então me deixe terminar a história).

Nós estávamos em um dos quartos de hóspedes, olhando para os ornamentos na cama, ou qualquer coisa assim. A guia do tour estava mostrando alguns dos objetos nas mesas de cabeceira e o Sensor disparou igual louco.

A guia do tour nos olhou de cara feia. "Desligue o telefone", ela disse para mim e todo o grupo foi para outro cômodo enquanto eu fingia procurar meu celular em uma pochete horrorosa. Julian pegou o Sensor e nos levou até — uma caixinha de música na janela. Uma caixinha de música muito feia. Bom, não feia. Muito cheia de decorações, coberta de coisinhas e bobagens e, tipo, era demais para uma caixinha de música. Tinha uma estátua de macaco envolta. Era muito. Enfim, era um ótimo exemplo de coisas meio-Vitorianas, etc, etc, mas também um objeto que Tatiana amaldiçoou e, eu acho, alguém gostava o bastante para trazer para cá e colocar aqui???

Depois disso foi só uma questão de esperar até que o tour seguisse em frente, se glamourizar, pegar a caixinha de música, sair de lá e esperar que ninguém que trabalhasse lá tivesse a Visão. O que ninguém tinha. Então agora nós temos uma caixinha de música para mostrar para Rupert amanhã e perguntar a Tessa sobre. Espero que não seja dela ou algo assim. Eu gosto de pensar que ela teria um gosto melhor.

Okay, é isso por hora, Bruce. Eu vou pegar Cortana para que eu possa tocar nela da cama. Julian sempre me provoca quando eu faço isso, mas essa noite isso parece certo. Até depois.

Emma

Personagens

Somente mencionados:

Teasers

Fragmentos de passagens provocadas para futuras parcelas desta série.

Informações

  • O fantasma é alguém mencionado anteriormente nos livros em algum momento.[5]
  • Há um espírito ligado ao diário de Tatiana que não é o fantasma causando interrupções. Em vez disso, funciona para evitar que o leitor revele o que leu e pode dar pesadelos ao leitor.[6]

Artes

Galeria

Curiosidades

  • Apesar do nome, a residência que será apresentada nas histórias é na verdade a Casa dos Blackthorn, que é a forma como "Blackthorn Hall" foi traduzido nos livros.
  • A série foi originalmente planejada para ser uma compilação de novelas sobre Julian e Emma[7] antes de Cassandra Clare decidir focá-la em mais personagens e incluir imagens, arquivos de som e similares.[8]
  • O objetivo é ligar As Últimas Horas a Os Artifícios das Trevas e Os Poderes Perversos e explorar como eles estão conectados.[9]
  • Eventualmente, pode ser lançado em versão impressa ou coletada em um pdf, no entanto, todas as adições de multimídia tornam isso difícil e por isso não está planejado no momento.[8][10]
  • Embora as parcelas tenham sido lançadas semanalmente durante sua execução de um ano, houve um feriado de 20 de dezembro de 2021 a 24 de janeiro de 2022, no qual nenhuma nova atualização foi postada.[11]
  • O problema que Dru se meteu com sua colega de quarto na Academia dos Caçadores de Sombras-Exilada mencionado na 25ª edição foi expandido ainda mais no [informativo do dia dos namorados de Cassandra Clare em 2022] com uma missiva de Luke Garroway – que é provisoriamente considerado cânone[12][13] – em que ele discute um feitiço de amor que foi lançado sobre o campus que causou uma série de complicações, além de ser ilegal.

Ligações externas

Referências

Crônicas dos Caçadores de Sombras de Cassandra Clare
Os Instrumentos Mortais
Cidade dos Ossos Cidade das Cinzas Cidade de Vidro
Cidade dos Anjos Caídos Cidade das Almas Perdidas Cidade do Fogo Celestial
As Peças Infernais Os Artifícios das Trevas
Anjo Mecânico Dama da Meia-Noite
Príncipe Mecânico Senhor das Sombras
Princesa Mecânica Rainha do Ar e da Escuridão
As Últimas Horas As Maldições Ancestrais
Corrente de Ouro Os Pergaminhos Vermelhos da Magia
Corrente de Ferro O Livro Branco Perdido
Corrente de Espinhos O Volume Negro dos Mortos
As Crônicas de Bane
O Que Realmente Aconteceu No Peru Salvando Raphael Santiago
A Rainha Fugitiva A Queda do Hotel Dumort
Vampiros, Bolinhos e Edmund Herondale O Que Comprar Para o Caçador de Sombras...
O Herdeiro da Meia-Noite A Última Batalha do Instituto de Nova York
Ascensão do Hotel Dumort Os Rumos do Amor Verdadeiro
O Correio de Voz de Magnus Bane
Contos da Academia dos Caçadores de Sombras
Bem-Vindo à Academia dos Caçadores de Sombras Reis e Príncipes Pálidos
O Herondale Perdido Língua Afiada
O Demônio de Whitechapel O Teste de Fogo
Nada Além de Sombras Nascido Para a Noite Sem Fim
O Mal Que Amamos Anjos Que Caem Duas Vezes
Fantasmas do Mercado das Sombras
Longas Sombras Filho do Amanhecer
Todas as Coisas Extraordinárias A Terra Que Perdi
Aprendendo Sobre Perdas Através do Sangue, Através do Fogo
Um Amor Mais Profundo O Mundo Perdido
Os Perversos Para Sempre Caídos
Próximos
Os Poderes Perversos
Livros Complementares
O Códex dos Caçadores de Sombras
Uma História de Notáveis Caçadores de Sombras e Seres do Submundo
Uma Longa Conversa
The Official Mortal Instruments Coloring Book
Clássicos Reimaginados no Mundo dos Caçadores de Sombras
Os Segredos da Mansão Blackthorn
Adaptações
City of Bones: The Graphic Novel
Graphic novels de Os Instrumentos Mortais
As Peças Infernais (Mangá)
Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos
Shadowhunters: The Mortal Instruments
Esta página utiliza conteúdo de uma página da The Shadowhunters Wiki. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.
Advertisement