FANDOM


Os Acordos são negociações de paz assinadas entre os Seres do Submundo e a Clave. Os Acordos agem como emendas ao Pacto concordadas em serem tomadas como a lei da terra por todo o Mundo das Sombras.

Os Acordos são revisados e assinados a cada quinze anos por representantes dos grupos Nephilim e do Submundo, no Salão dos Acordos em Alicante. No entanto, após a Guerra Maligna e à luz da Paz Fria, as fadas não fazem mais parte dos Acordos.

Descrição

Os Acordos é um tratado que ordena como Caçadores de Sombras e Seres do Submundo interagem com os mundanos e uns com os outros, bem como os direitos, responsabilidades e restrições de cada grupo, afirmando que enquanto as regras não forem quebradas, eles podem viver em paz sem incomodar e até prestam ajuda uns aos outros quando a necessidade aumenta. Embora os Acordos mantenham as duas partes em condições suficientemente boas para evitar o abate entre eles, a hostilidade é inevitável.

A detalhada linguagem jurídica, direitos, punições e penalidades dos Seres do Submundo em julgamentos criminais também são detalhados e especificados para evitar diferentes interpretações e punições desproporcionais ao crime. Anteriormente parte dos Acordos, a seção de direito penal é agora tratada como um documento separado, já que agora é significativamente maior do que o restante dos Acordos juntos. É enquadrado por um grupo de representantes – com experiência jurídica – diferentes daqueles que escrevem o resto dos Acordos.[1]

Mundanos não são signatários dos Acordos nem estão sujeitos à Lei do Pacto. Isto é dito ser uma das partes mais controversas da Lei. Cada processo dos Acordos tem apresentado demandas estridentes de ambos Caçadores de Sombras e Seres do Submundo que mundanos sejam responsabilizados por seu comportamento. Essas exigências são sempre recusadas, pela simples razão de que a carga dos Nephilim para manter o Mundo das Sombras escondido dos mundanos deve ser primordial.

História

O negócio como um todo nunca teve o apoio unânime da Clave. Algumas reformas foram até mesmo fortemente opostas por alguns Caçadores de Sombras, principalmente por aqueles que estavam perdendo uma renda significativa como resultado das Reformas propostas. Quase todas as negociações dos Acordos atraíram protestos, objeções e disputas internas entre os Nephilim. Eventualmente, seus interesses e desejo comum de alcançar a paz alinharam as duas partes o suficiente para finalmente concordar com os termos dos Acordos.

1872, Primeiros Acordos

A base para os Acordos foi estabelecida pela primeira vez no século XIX, começando com o histórico Tratado Europeu do Submundo em 1815 do então Cônsul Shimizu-Tokugawa Katsugoro.

A ideia de um tratado entre Caçadores de Sombras e Habitantes do Submundo continuou a ser discutida. Em 1857, em Londres, Ralf Scott, com seus companheiros habitantes do Submundo, organizou uma reunião com os Caçadores de Sombras para discutir os termos, embora essa tentativa também tenha sido infrutífera. No vigésimo primeiro esboço dos termos e acordos dos Caçadores de Sombras e dos Seres do Submundo, o tratado tornou-se conhecido como os Acordos.

A redação do acordo foi presidida pelo Cônsul Josiah Wayland e seu alto Conselho Vitoriano, juntamente com os vários representantes do Submundo. Argumentos foram sobre os termos, e ao longo deste, Granville Fairchild atuou como um pacificador entre as delegações, tornando mais fácil para todas as partes envolvidas aceitar os desejos uns dos outros. A versão final, a trigésima terceira, foi acordada perto do final do verão de 1872. Cinquenta assinantes estavam presentes para ratificá-la: dez vampiros, dez lobisomens, dez feiticeiros, dez fadas e dez Nephilim. Os Acordos subsequentes desde então foram modelados principalmente se baseando no primeiro.[1]

O Grande Salão em Alicante foi usado como local para a assinatura histórica dos Primeiros Acordos. Desde a assinatura, o edifício tem sido comumente referido como o Salão dos Acordos, e continua a ser utilizado a cada quinze anos para a revisão e assinatura dos Acordos.

1902, Terceira Edição dos Acordos

Uma grande fonte em forma de sereia foi encomendada e esculpida em 1902 para celebrar a Terceira Edição dos Acordos, a primeira do novo século.

1991, Nona Edição dos Acordos

A assinatura da Nona Edição dos Acordos ocorreu em 1991, cerca de um ano antes, para dar lugar a um longo ritual feérico feito a cada 500 anos, que teria entrado em conflito com a planejada assinatura de 1992.[2] A assinatura foi interrompida pela Ascensão do Ciclo, um grupo de Caçadores de Sombras dissidentes liderados por Valentim Morgenstern.

O Ciclo participou da assinatura como parte do público de Nephilim e Seres do Submundo na galeria do Salão dos Acordos, contrabandeando armas demoníacas para o Salão. No momento em que os Acordos foram apresentados para assinatura, o Ciclo, como um só corpo, levantou-se e mostrou suas armas.[1] Felizmente, Jocelyn Fairchild e Lucian Graymark estavam cientes de seus planos e haviam preparado grupos de Seres do Submundo fora do Salão para lutar.

O confronto terminou em carnificina, abatendo vários Seres do Submundo e Caçadores de Sombras, tornando este evento uma das piores memórias ainda contadas no presente. Com a ajuda dos exércitos do Submundo, o Ciclo foi derrotado e forçado a fugir. Após a batalha, um grande funeral foi realizado na Praça do Anjo em Alicante para homenagear os mortos, e alguns dos membros sobreviventes do Ciclo se renderam e cooperaram com a Clave.

Em última análise, a Ascensão terminou em fracasso, uma vez que a Nona Edição dos Acordos ainda foi assinada semanas depois. Ironicamente, embora as negociações tenham sido particularmente difíceis naquele ano devido a opiniões conflitantes, a Ascensão "ajudou a manter o compromisso do Mundo das Sombras com a passagem dos Acordos".[1]

2007, Décima Edição dos Acordos

Trabalho em progresso

Termos

Os Acordos ditam várias resoluções e reformas sociais destinadas a facilitar o relacionamento entre Caçadores de Sombras e Seres do Submundo, Idris e o Submundo.

  • O Nephilim é reconhecido como a força oficial de manutenção de leis do Submundo, e os Seres do Submundo concordaram em cumprir a Lei do Pacto. O corpo teórico do Céu, através de seu representante Raziel, é reconhecido como a autoridade suprema sobre o mundo.
  • Seres do Submundo são reconhecidos como seres com almas e, portanto, com direito às proteções devidas aos humanos.
  • Seres do Submundo estão autorizados a adotar crianças mundanas.
  • Seres do Submundo recebem o direito de um julgamento quando acusados de violar a Lei; não podiam mais os Caçadores de Sombras julgá-los culpados de crimes e puni-los imediatamente.
  • Despojos foram feitos ilegais através dos Acordos, a menos que executados como parte de uma sentença oficial em um julgamento realizado pela Clave.
  • O uso bárbaro do Cálice Mortal em Seres do Submundo como uma forma de punição capital – de tortura e assassinato inquisitoriais – foi feito totalmente ilegal durante a Segunda Revisão dos Acordos de 1887, mais de cem anos após o Cônsul Suleiman Kanuni tê-la eliminado como uma punição oficial.
  • Exposição, a prática de amarrar vampiros do lado de fora para serem queimados vivos pelo sol nascente, foi banida na Terceira Edição dos Acordos de 1902, após a popularidade do romance de Bram Stoker, Drácula, de 1897, levar a um entusiasmo por caça e assassinatos brutais de vampiros inocentes e seguidores da Lei.
  • Os habitantes do Submundo recebem o direito de seus próprios esquemas organizacionais internos – clãs de vampiros, matilhas de lobos, cortes de fadas, etc. – sem interferência da Clave.
    • Os Acordos tornaram a participação em uma dessas organizações internas um requisito para os Seres do Submundo; vampiros ou lobisomens "não afiliados" eram considerados desonestos e não tinham as mesmas proteções previstas na Lei.
  • Enquanto sujeitos à Lei do Pacto através dos Acordos, os integrantes do Submundo ainda estão destinados a policiar-se, com Caçadores de Sombras interferindo apenas em casos em que os problemas são muito severos, ou onde questões afetam outras partes do Submundo ou do mundo mundano. Habitantes do Submundo ainda têm o direito de conduzir seus negócios internos em particular, sem a interferência ou a supervisão dos Nephilim.
  • Seres do Submundo são obrigados a jurar nunca revelar a natureza do Mundo das Sombras aos mundanos, a menos que tal revelação não possa ser evitada, assim como os Nephilim jurados ao Pacto o fazem.
  • Pelos Acordos, os vampiros devem obedecer às mesmas leis mundanas contra o assassinato que qualquer outro integrante do Submundo, exigindo que eles se afastem de suas naturezas como caçadores e predadores, assim como os humanos devem escolher se afastar de nossas próprias habilidades para matar e ferir.[1]
  • A criação de novos subjugados foi tornada ilegal na Sétima Revisão dos Acordos de 1962. Vampiros que tinham subjugados criados antes dos Acordos foram autorizados a mantê-los ou transferi-los para outros vampiros.
  • A perseguição a feiticeiros foi oficialmente feita ilegal nos Primeiros Acordos. Os Acordos garantem os direitos dos feiticeiros e a permissão legal para realizar magia demoníaca, particularmente quando atuam para auxiliar na investigação de um Nephilim. As leis contra a colaboração entre feiticeiros e Caçadores de Sombras e o uso de qualquer magia que fosse considerada necessária foram totalmente revogadas pela Quarta Revisão dos Acordos.
  • A legalização das crianças trocadas de fadas é legal, embora muito debatida em vários procedimentos dos Acordos. As fadas deixam claro que a assinatura dos Acordos representa sua aliança de comportamento entre o reino dos Nephilim, mas não em seus próprios.

Participantes Conhecidos

Primeira Tentativa

Caçadores de Sombras:

Seres do Submundo:

Primeiros Acordos

Anos de Assinatura

  • 1872 -Primeiros Acordos
  • 1887 - Segunda Edição dos Acordos
  • 1902 - Terceira Edição dos Acordos
  • 1917* - Quarta Edição dos Acordos
  • 1932* - Quinta Edição dos Acordos
  • 1947* - Sexta Edição dos Acordos
  • 1962 - Sétima Edição dos Acordos
  • 1977* - Oitava Edição dos Acordos
  • 1991** - Nona Edição dos Acordos
  • 2007 - Décima Edição dos Acordos

* Algumas dessas datas são conjeturais, dadas as lacunas de 15 anos.
** Embora devesse ter ocorrido em 1992, de acordo com a convenção, ocorreu cerca de um ano antes para dar lugar à tradição feérica.[2]

Curiosidades

  • As vestes oficiais dos Acordos, ou capas, eram vermelhas, a cor dos Caçadores de Sombras para eventos cerimoniais.[3] Enquanto isso, as torres demoníacas de Alicante, segundo Raphael Santiago, acendem-se em azul para os Acordos.[4]
  • Houve inicialmente algum erro de conflito/continuidade em relação ao ano da Ascensão e da Nona Edição dos Acordos, que inicialmente era esperado (com base no cálculo de 15 anos) e dito (no O Códex dos Caçadores de Sombras) para ser assinado em 1992; no entanto, as idades e presumíveis anos de nascimento dos personagens centrais (particularmente Sebastian, Jace, Alec, Isabelle e Clary) o contradizem, fazendo de 1991 o ano da Nona Edição dos Acordos. Este foi ajustado para 1991 na versão repaginada de Cidade dos Ossos, como uma das correções/esclarecimentos incluídos, e outras edições de O Códex dos Caçadores de Sombras.[2]

Referências

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 O Códex dos Caçadores de Sombras
  2. 2,0 2,1 2,2 Versão repaginada de Cidade dos Ossos (capítulo 21) e possivelmente futuras impressões de O Códex dos Caçadores de Sombras EUA-UK icone
  3. Cidade dos Ossos
  4. Cidade do Fogo Celestial
Esta página utiliza conteúdo de uma página da The Shadowhunters Wiki. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.