FANDOM


Versão Alternativa
ALERTA DE SPOILER: Detalhes do enredo a seguir. Aconselhamos atenção!
Sou quem sou porque faço parte da sua família. Nunca se esqueça, Jules. As escolhas que fazemos também nos fazem.

–Diana sobre escolhas, e escolher ser a tutora deles, Dama da Meia-Noite

Diana Wrayburn é uma Caçadora de Sombras que costumava gerenciar uma loja de armas chamada Flecha de Diana em Alicante. Após a Guerra Maligna, Diana voluntariou-se para ser a tutora das crianças Blackthorn em Los Angeles.

Biografia

Vida Pregressa

Diana nasceu David Laurence Wrayburn. Embora ela sempre soubesse que ela era uma mulher, ela nasceu com o corpo de um homem. Ela tinha uma irmã mais velha, Aria, que a aceitou por quem ela era. Mesmo seus pais, Aaron e Lissa, permitiram que ela fosse ela própria em sua casa, mas pediu que ela "fosse David" quando em público.[2]

Em um ponto, Diana teve um mentor que moldou sua personalidade.[3] Quando fez 18 anos, ela e Aria fizeram seu ano de viagem e foram para a Tailândia para estudar no Instituto de Bangkok. Diana ficou livre para se expressar na Tailândia; ela vivia como a irmã de Aria, Diana – um nome que ela pegou da loja de seus pais, Flecha de Diana, depois da deusa da caça. Lá,[2] ela conheceu Catarina Loss, uma feiticeira que também trabalhava em hospitais mundanos como enfermeira.[3] Diana passou muitos anos na Tailândia e viajando no Sudeste Asiático, quer para lutar contra demônios ou simplesmente para viajar, visitando Angkor Wat e outros lugares históricos.[1]

Ela e a Aria decidiram investigar uma ilha em que se dizia que havia demônios Thotsakan, mas, em vez disso, enfrentavam dúzias de mortos-vivos. Elas ficaram gravemente feridas na batalha que se seguiu e foram resgatadas por Catarina, e enquanto Diana conseguiu recuperar a saúde, Aria morreu, e Diana se entristeceu. Enquanto isso, Catarina viu seu corpo enquanto cuidava de seus ferimentos e tranquilizou-a, informou-lhe que sua situação tinha um termo no mundo mundano: transgênero.

Catarina lhe disse que ela poderia mudar, mas isso envolveria medicina mundana. Ela decidiu morar com Catarina em um pequeno apartamento em Bangkok, longe da Clave. Quando ela informou seus pais da morte de Aria e seus planos de viver seus dias como Diana, seus pais permaneceram solidários e disseram ao Conselho que David era o único que havia morrido para que ela pudesse voltar como sua filha, e ela não conseguiu detê-los.

Diana ficou em Bangkok com Catarina por três anos, onde mudou com outros como ela. Ela não tinha planos de retornar novamente ao mundo dos Caçadores de Sombras, e continuava a deixar de ver seus pais com medo de expor suas mentiras a Clave. Quando seus pais foram mortos em um ataque demoníaco, ela chorou de longe, incapaz de voltar para casa para o funeral.[2] Ela se tornou a última Wrayburn restante.[3]

Quando ouviu falar da Guerra Mortal, Diana decidiu lutar. Ela voltou a Idris e disse ao Conselho que ela era a filha de seus pais, se apresentou como Diana e não foi questionada em meio ao caos.[2] Ela também reabriu a loja de seu pai na Flintlock Street em Alicante.[4]

Além de Catarina, o Alto Feiticeiro de Los Angeles Malcolm Fade tornou-se uma das principais fontes de sua medicação hormonal.[3][2]

Guerra Maligna

Diana participou ativamente dos encontros da Clave em Idris. Ela ficou chocada pelo pensamento de perder os Caçadores de Sombras que se tornaram Crepusculares. No dia seguinte, Clary Fairchild, com Jace Herondale, foi à sua loja à procura de uma nova espada. Ela decidiu entregar-lhe Heosphoros, a lâmina Morgenstern que ninguém considerara comprar desde que fora vendida a eles por Jocelyn.

Durante a batalha, Diana tentou ir ao auxílio das crianças Blackthorn, mas era muito tarde, tendo ela testemunhado a necessidade de Julian Blackthorn de matar o próprio pai. Tanto impressionada quanto preocupada com sua resiliência, Diana ofereceu-se para assumir o lugar de Katerina como tutora das crianças no Instituto de Los Angeles, uma oferta que a Consulesa Penhallow considerou.[4]

Los Angeles

Eventualmente, o pedido de Diana foi aprovado. Ela se mudou para Los Angeles, onde ela conseguiu sua própria casa em Santa Mônica. Ela conheceu um feiticeiro que ela frequentemente visitava em Ojai.

Reminiscente de seu próprio mentor, Diana desejava ajudar Emma e os Blackthorn da mesma maneira que seu mentor a ajudou. Apesar de sua responsabilidade, ela se recusou a se tornar a diretora do Instituto de Los Angeles, apesar de saber que Arthur Blackthorn não era um líder capaz.[3]

A Loteria

Em agosto de 2012, Emma e a visitante do Instituto, Cristina Rosales, encontraram um cadáver relacionado a uma série de assassinatos ao redor da cidade, cobertos com as mesmas marcas que os cadáveres dos pais de Emma foram encontrados cinco anos antes. Embora a dupla tenha mantido sua própria pequena investigação em segredo de Diana e Arthur, elas chamaram Diana e os Irmãos do Silêncio ao encontrá-lo. Diana se preocupou com os sentimentos de Emma, sabendo o quanto o caso era para ela e sendo uma das poucas pessoas que acreditavam na teoria de que seus pais não haviam sido mortos por Sebastian. Com os Irmãos do Silêncio proibindo Emma e Cristina de interferir com seu próprio estudo sobre o cadáver, Diana prometeu dizer-lhe se descobrisse alguma coisa.

Enquanto ela dava uma lição no Instituto em uma manhã, chegou um comboio de fadas, trazendo consigo Mark Blackthorn, que foi tirado da família durante a última guerra. Diana ficou fora do Santuário durante a reunião, espiando a discussão, mas entrou para ajudar a mediar quando o status de Arthur correu o risco de descoberta. Ela manteve o segredo da Clave e tentou ajudar as crianças a investigar, embora não conseguisse ajudar diretamente e permanecia bastante ausente, pois estava ausente em viagens secretas.

Sem o conhecimento dos outros, Diana também estava conduzindo sua própria investigação. Quando ela percebeu do poema que era sobre os Blackthorn, ela abordou Catarina Loss sobre as circunstâncias e logo descobriu que o Guardião era seu amigo feiticeiro confiável Malcolm Fade. Ela foi ao local da convergência – a base das atividades necromânticas de Malcolm – sem dizer às crianças que ela mesma confrontaria Malcolm, mas se encontrou com as crianças de qualquer maneira, já que descobriram o segredo de Malcolm e estavam lá para resgatar um Tavvy aprisionado. Ela sofreu uma suspeita por parte das crianças quando ela chegou a cena de roupão, antes que Malcolm chegasse. Ela tentou fazer as crianças correrem, sem sucesso, e foi presa com magia quando tentou lutar contra Malcolm.

Diana foi eventualmente liberada do feitiço. Após a batalha, e depois da morte de Malcolm nas mãos de Emma, Diana conseguiu escapar da caverna com todos. Diana ofereceu-se para tomar a culpa por eles, pelas ações de Julian e sua decisão de manter a investigação escondida da Clave, mas Julian se recusou, dizendo que era porque ela era uma péssima mentirosa. Como uma medida para fazer parecer que ela teve pouco ou nenhum envolvimento, ela imediatamente saiu depois de deixar Cristina e Diego Rosales no Instituto.[3]

Apelando para Jia

Algumas semanas após a morte de Malcolm, um aumento na atividade dos demônios do mar foi notado pela Clave. Jace e Clary vieram e informaram que uma equipe de Centuriões estava chegando para encontrar o Volume Negro dos Mortos, que eles suspeitavam ser o responsável.

Diana continuou sua tutoria com os Blackthorn quando os Centuriões chegaram e tentaram ajudá-los a se sentir à vontade, embora ela se irritasse com Zara Dearborn e sua atitude arrogante. Quando Gwyn ap Nudd chegou ao Instituto para contar a iminente execução de Kieran para Mark, Diana o cumprimentou e ficou surpreso quando ele a chamou de "adorável senhora". Quando Gwyn ficou chateado, Diana gentilmente convidou-o para sair e recebeu uma intimação dele, na forma de uma bolota, como um presente.

Diana depois defendeu o Instituto quando Malcolm o atacou e telefonou para Catarina Loss imediatamente após a batalha para abrir um Portal para o Instituto de Londres. Quando Gwyn trouxe Kieran e seus salvadores para o Instituto, Diana ficou muito feliz em vê-los e ficou chocada quando Gwyn pediu para cortejá-la. Ela então foi para Idris contar a Jia Penhallow sobre a proposta da Rainha Seelie e a agenda de Zara.

Enquanto em Idris, Diana ficou em sua loja de armas e analisou arquivos que Jia havia dado a ela. Gwyn chegou pouco depois e levou-a para um piquenique na Floresta Brocelind, onde descobriram uma praga, que ela depois relatou a Jia e continuou a tentar convencê-la a aceitar o acordo da Rainha, não só pelo fim da Paz Fria, mas também para o retorno de Helen para seus irmãos e a filha de Jia, Aline.

Mais tarde, Gwyn foi até ela e cavalgou até Londres para proteger Ty, Livvy e Kit dos Sete Cavaleiros. Enquanto atava as feridas de Gwyn, ele perguntou por que ela não podia assumir o Instituto. Diana se sentiu obrigada a contar-lhe a verdade de seu passado. A admiração de Gwyn por ela não mudou, e Gwyn pediu para abraçar Diana, que estava afetada depois de ter que contar sua dolorosa história.

Diana participou da reunião do Conselho durante a qual Annabel Blackthorn foi dar testemunho. Ela tentou defender os Blackthorn contra calúnias da Tropa e depois assistiu com horror quando Annabel enlouqueceu e matou Robert Lightwood e Livia Blackthorn.[2]

Foragida

Após a reunião, o pai de Zara e o líder da Tropa, Horace Dearborn, subiu ao poder e se tornou o Inquisidor. Diana questionou Dearborn em todas as ocasiões possíveis, e depois de uma reunião em particular quando sua influência ficou clara, Dearborn a chamou e ameaçou expor sua verdadeira identidade à Clave se ela não mostrasse apoio a ele. Diana recusou, cortou o braço de Dearborn e saiu correndo com Gwyn, mostrando-se apenas aos Blackthorn em Los Angeles e aos outros poucos em que ela confiava.

Diana permaneceu em contato com seus amigos no Instituto de Los Angeles. Quando a água do Lago Lyn foi necessária para a cura da doença dos feiticeiros e para impedir a propagação da praga dos Caçadores de Sombras, ela cavalgou com Gwyn e o resto da Caçada Selvagem até Idris para recuperar grandes quantidades de água.

Durante os preparativos antes que a Vigilância de Livia interrompesse a negociação da Tropa com as forças de Oban, Emma e Julian disseram a Diana que descobriram sobre seu passado com sua contraparte em Thule; o passado que Diana esperava finalmente contar a eles antes de Dearborn os enviar para Faerie depois da reunião. Julian se desculpou por insistir para que ela se tornasse a chefe do Instituto todos aqueles anos atrás, sem perceber seu segredo.

Diana estava entre um dos dois primeiros grupos a ir aos Campos Eternos para o confronto. Durante a batalha, ela lutou a cavalo com Gwyn, em seu corcel a quem ela chamou Orion, e ajudou a proteger Kieran contra Oban e seus seguidores, anunciando depois a morte do falso rei e a ascensão de Kieran. Quando as crianças Blackthorn se moveram para se aproximar da gigantesca Emma e Julian, que haviam se tornado verdadeiros Nephilim e estavam lentamente perdendo o controle, Diana e Gwyn contiveram aqueles que tentaram detê-los e mais tarde se aproximaram deles, tentando convencer a dupla a parar.

Na reunião, alguns dias após a batalha, Diana concordou que a Tropa deveria ter permissão para votar no próximo Cônsul, para provar que eles não compunham a maioria da Clave. Ela ficou chocada quando Zara exigiu que eles deixassem Idris, mas acabou saindo com os outros seguindo a decisão do novo Cônsul Alec Lightwood, insistindo que ela teria retornado a Los Angeles para continuar ensinando de qualquer maneira.

Logo após o exílio de Idris, Diana contou a Alec sobre seu passado e uso de remédios mundanos; Alec limpou-a de qualquer crime em potencial, atestando que ela não colocou em perigo seus segredos quando o fez. Ela então contou ao resto dos residentes do Instituto de Los Angeles. Diana compareceu ao casamento surpresa de Alec com Magnus Bane na praia perto do Instituto semanas depois.[5]

Descrição Física

Diana tem cabelo preto, pele escura e olhos castanhos com manchas verdes neles. Ela é alta, sobressalente e elegante. Em sua bochecha está uma tatuagem de um peixe koi prateada. Quando Diana veio pela primeira vez ao Instituto de Los Angeles como tutora de crianças, Emma achou que ela era "a mulher mais linda que já vira".

Aparições

Galeria

Veja mais aqui

Curiosidades

  • Sua arma favorita é a estrela ninja.[1]

Referências

Caçadores de Sombras Notáveis
Abigail Caçadora de Sombras | Alastair Carstairs | Alec Lightwood | Aline Penhallow | Aloysius Starkweather † |
Amatis Herondale † | Anna Lightwood | Annabel Blackthorn † | Andrew Blackthorn † | Arthur Blackthorn † |
Beatriz Mendoza | Cameron Ashdown | Cecily Herondale | Charles Fairchild | Christopher Lightwood | Clary Fairchild | Cordelia Carstairs | Cristina Rosales | Céline Herondale † | David, o Silencioso | Diana Wrayburn | Diego Rosales |
Drusilla Blackthorn | Edmund Herondale | Emma Carstairs | Ephraim Loss † | Gabriel Lightwood | Gideon Lightwood |
Grace Blackthorn | Helen Blackthorn | Henry Branwell | Hodge Starkweather † | Horace Dearborn † | Imogen Herondale † | Irmão Enoch | Irmão Jeremiah † | Irmão Zachariah | Isabelle Lightwood | Jace Herondale | Jaime Rosales |
James Herondale | Jem Carstairs | Jessamine Lovelace † | Jesse Blackthorn | Jia Penhallow | Jocelyn Fray |
Jon Cartwright † | Jonathan Caçador de Sombras | Julian Blackthorn | Julie Beauvale † | Kit Herondale | Livia Blackthorn † | Lucie Herondale | Luke Garroway | Marisol Garza | Mark Blackthorn | Maryse Lightwood | Matthew Fairchild |
Max Lightwood † | Michael Wayland † | Octavian Blackthorn | Rafael Lightwood-Bane | Robert Lightwood † | Roland Loss | Rosemary † | Sebastian Morgenstern † | Sebastian Verlac † | Simon Lewis | Sona Carstairs | Sophie Collins |
Stephen Herondale † | Tatiana Blackthorn | Tessa Gray | Thomas Lightwood | Tiberius Blackthorn | Tobias Herondale † | Valentim Morgenstern † | Wayland, o Ferreiro | Will Herondale † | Zara Dearborn
mais...
Esta página utiliza conteúdo de uma página da The Shadowhunters Wiki. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.