FANDOM


Outras versões
ALERTA DE SPOILER: Detalhes do enredo a seguir. Aconselhamos atenção!
Aprendi cedo que tinha um dom de cura. É o tipo de magia que faço. Então trabalho aqui, por um salário péssimo, e faço o que posso para curar mundanos que gritariam se conhecessem minha verdadeira aparência. Poderia ganhar uma fortuna vendendo minhas habilidades a Caçadores de Sombras e mundanos tolos que acham que sabem o que é magia, mas não faço isso. Trabalho aqui.

–Catarina para Clary, Cidade dos Anjos Caídos

Catarina Loss é uma feiticeira excepcionalmente poderosa que costumava trabalhar no Hospital Beth Israel em Nova York.[2] Catarina lecionou na Academia dos Caçadores de Sombras durante os primeiros anos desde a sua reabertura.[3] Embora ela esteja atualmente na Scholomance, ela ainda ocasionalmente dá palestras sobre estudos do Submundo na Academia.[4]

Biografia

Vida Pregressa

Catarina nasceu com pele azul. Para isso, sua mãe a escondeu e a criou em segredo – amorosamente, apesar de ser uma criança nascida de um demônio que a violou.[5] Desde cedo, ela sabia que ela era uma curandeira superdotada. Embora pudesse ter feito uma fortuna usando suas habilidades no Mundo das Sombras, ela preferiu trabalhar em um hospital mundano. Uma vez que sua marca de feiticeira, sua pele azul, é tão proeminente e não tão facilmente escondida, Catarina usa glamour para trabalhar no mundo mundano todos os dias.

Em algum momento no início estimado de 1600, Catarina viajou para Leonberg para tratar um surto de peste. Alguém a pegou colocando as mãos brilhantes em um paciente e ela foi presa como uma bruxa e jogado em Steinhaus. Ela foi então posta para morrer queimada. Magnus Bane estava em um bar próximo na época, tendo acabado de terminar um trabalho, quando notou o disfarce da mulher prestes a ser executada e depois ouviu seus gritos enquanto ela pegava fogo. Apesar da voz de seu mentor Ragnor Fell, Magnus tomou a decisão de salvar sua vida. O par correu e se encontrou com Ragnor em uma taberna várias horas depois. Ela e Ragnor riram de como Magnus tinha sido estúpido em tentar salvá-la, mas ela agradeceu por isso e se ofereceu para ser seu segundo amigo. O trio então concordou em viajar em grupo por um tempo por segurança.[6]

No início dos anos 1800, apesar de ser um período antes dos Acordos, Catarina desenvolveu um bom relacionamento com a família Herondale. Quando a Clave alegou que Tobias Herondale abandonou seus camaradas na Baviera e decidiu punir sua esposa, Eva Blackthorn, por isso, Catarina procurou e encontrou-o vagando louco na floresta, mas não pôde salvá-lo. Decidindo intervir, o que ela não podia fazer pública ou legalmente, ela entrou na prisão de Eva no Gard. Ela usou magia para adiantar o nascimento do filho de Eva e Tobias, bem como para cobrir esse fato durante a execução de Eva.

Catarina então criou o menino, a quem ela nomeou Ephraim, até que ele crescesse, no Novo Mundo como um mundano, nunca dizendo o que ele era.[7] Para lhe dar uma conexão com sua família, Catarina lhe deu um colar com uma garça gravada nele. Ephraim eventualmente teve uma família e Catarina gradualmente desapareceu da vida deles. Catarina ficou alarmada quando um de seus descendentes Roland ficou famoso no Submundo. Catarina tentou alertá-lo para que ele não usasse magia e ficou de coração partido quando Roland desapareceu após a luta, culpando-se.[8]

Ainda em algum momento do início de 1800, Catarina se encontrou com seus amigos Ragnor e Magnus para umas breves férias. Eles disseram a ela que tinham uma ótima ideia para criar um culto como uma piada. Ela disse ao par para não fazer isso antes de partir para salvar Ephraim. Infelizmente eles não a ouviram e fundaram a Mão Escarlate de qualquer maneira.[9]

Amizades

Catarina é muito amiga dos colegas feiticeiros Magnus Bane e Ragnor Fell, ambos com quem ela viajou para o Peru no final dos anos 1800[5] e, nos últimos anos, Tessa Gray.

Em algum momento, Catarina estava noiva de um homem mortal. Embora tivesse a intenção de se casar com ele algum dia, a dedicação de Catarina ao trabalho significava que ela nunca achava tempo para o casamento. Seu noivo ficou com ela, mas ele eventualmente morreu de idade, em algum momento em torno de 1992. Ela não teve um romance sério desde então.[1]

Houve um tempo em que Catarina morou na Cornualha com Malcolm Fade. Catarina conhecia parte do trágico passado de Malcolm e era uma de suas amigas que acreditavam que Annabel Blackthorn havia se tornado uma Irmã de Ferro. Ela e Malcolm também tiveram alguns problemas com as linhas ley na Cornualha.[4]

Durante a Segunda Guerra Mundial, Catarina estava em Londres como enfermeira de guerra no St. Bart com Tessa. Em dezembro daquele ano, na época da Blitz, Catarina conheceu o Irmão Zachariah, que Tessa conhecia como Jem Carstairs, que chegou ao hospital gravemente ferido, sendo morto lentamente por um cataplasma. Sentindo a urgência de Tessa, e devido à recusa de Zachariah em procurar tratamento na Cidade do Silêncio, Catarina e Tessa o levaram ao apartamento delas para que ela pudesse tratá-lo com seus suprimentos.

Depois de tratar Jem com sucesso, Catarina ouviu-o dizer a Tessa que ele estava procurando os "Herondale perdidos" e era a razão pela qual ele foi envenenado. Sabendo a que ele estava se referindo, Catarina decidiu contar a ele e Tessa sobre Ephraim e Roland, sendo o último Herondale da linha de Ephraim que ela esteve em contato. Jem então disse a ela que Roland não se afastou devido a discussão que eles tiveram, mas que ele fugiu daqueles que perseguiam sua esposa fada.[8]

Wrayburn

Em 2003, Catarina estava trabalhando como enfermeira em Bangkok. Durante este tempo, ela conheceu e fez amizade com Diana Wrayburn, uma Caçadora de Sombras de Idris que estava em seu ano de viagem com a irmã, Aria. Catarina depois resgatou Diana e Aria depois de serem atacadas por mortos-vivos e cuidou delas, porém não foi capaz salvar Aria.[10]

Enquanto cuidava de Diana, Catarina descobriu que ela era fisicamente masculina. Ela ajudou Diana a processar a morte da irmã e sua própria confusão, e a apresentou ao conceito de "transgênero". Depois de semanas alimentando Diana de volta à saúde, Catarina viajou de volta para Bangkok com ela e elas moraram juntas no apartamento de Catarina por três anos, com Diana vivendo como uma mundana. Durante esses três anos, Catarina levou Diana para uma clínica e a ajudou em sua transição, escondendo seus resultados de exames incomuns dos médicos para que eles não fossem confundidos por seu sangue de Caçadora de Sombras.

Quando os pais de Diana foram mortos, Catarina foi a pessoa que deu a notícia, e depois que Diana voltou a Idris para lutar na Guerra Mortal e assumir a loja de seu pai, ela continuou a enviar a Diana o remédio que ela precisava para equilibrar seus hormônios.[10]

Beth Israel

Quando Jocelyn entrou em coma, em 2007, Catarina era uma das enfermeiras do Hospital Beth Israel. Catarina também auxiliou Magnus Bane a misturar um antídoto para tentar revivê-la, e foi uma das pessoas a quem Magnus confiou para cuidar do Livro Branco durante a Guerra Mortal.[11][12]

Em certo ponto, Catarina, ao tratar Tessa pelas feridas causadas pela Mão Escarlate, descobriu que Magnus estava encarregado de cuidar do culto. Ela então encontrou Magnus em Veneza na festa de Malcolm Fade, comemorando a vitória na Guerra Mortal. Ela o confrontou sobre isso e depois o castigou por manter seu namorado Caçador de Sombras envolvido nisso. Mais tarde, ela mudou de ideia sobre Alec Lightwood quando ele a salvou algumas vezes quando o prédio desabou. Apesar de suas dúvidas anteriores em confiar nele e se ele realmente amava seu amigo, ela disse a Magnus que ele finalmente encontrou um protetor antes de ir ajudar os outros frequentadores da festa que haviam sido feridos.[9]

Catarina logo foi telefonada por Jocelyn sobre uma recente descoberta de bebês mortos. Jocelyn mais tarde foi ao hospital e introduziu Catarina para sua filha, Clary. Catarina passou a dizer-lhes que os médicos mundanos podiam ver que os bebês eram realmente parte demoníacos, e tinham olhos pretos, insondáveis e pequenas garras pretas.[12]

Guerra Maligna

Catarina foi designada para criar um Portal para Idris para transportar os Caçadores de Sombras do Instituto de Nova York, junto com o Conclave. Catarina transportou Clary, Jocelyn, Luke e os Lightwood para Idris. Catarina e Magnus estavam no Hunter's Moon falando sobre o término com Alec, e sobre a ameaça que Sebastian significava para os Caçadores de Sombras. Ela contou a Magnus que ele deveria ir para Alicante falar com Alec, como ela também devolveria seu assento no Conselho para ele. Deu a Magnus um convite do jantar na hospedagem feita pelo Povo das Fadas, antes de Magnus ir falar com Bat Velasquez.

Catarina junto com Malcolm Fade, o Alto Feiticeiro de Los Angeles, foram para a sede da matilha de lobisomens de Nova York falar com Maia Roberts sobre os representantes do Submundo terem sido sequestrados por Jonathan, e também discutiram sobre o que Catarina e Malcolm poderiam fazer para ajudar Maia a avisar os outros do Submundo sobre Sebastian. Catarina pediu a ajuda de Maia com um problema relativo a um demônio no Hospital Beth Israel, e Maia junto com Bat e Lily foram com ela. Catarina conseguiu subjugar o demônio com a ajuda de Maia e Bat com Lily filmando todo o evento. Catarina e os outros conseguiram obter do demônio dentalion que Sebastian e seus Crepusculares iriam atacar Alicante. Catarina enviou uma mensagem de fogo a Jia Penhallow que havia sido escrito por Maia, para alertá-la que o exército de Sebastian iria atacar Alicante.

Catarina foi ao casamento de Jocelyn e Luke na Fazenda Três Flechas junto com os outros Caçadores de Sombras e Seres do Submundo. Ela conversou com Magnus sobre os rumores que estavam rondando o Submundo de que o Povo das Fadas possivelmente estavam querendo vingança contra os Nephilim, por os terem feitos assinarem os novos termos discutidos durante a reunião do Conselho depois da Guerra Maligna, sobre sua traição.[13]

Academia

Em 2008, Catarina começou a trabalhar como professora na reaberta Academia dos Caçadores de Sombras, para homenagear a memória de Ragnor.[14] Ela utilizou um Portal para Idris com Simon Lewis, um mundano que iria frequentar a Academia. Como a maioria dos outros membros do corpo docente partiu antes dela chegar, Catarina acabou assumindo a maior parte das aulas. Ela ocasionalmente trouxe professores convidados para ajudá-la.[3]

Durante seu tempo na Academia, Catarina dormiu no antigo quarto de Ragnor. Ela teve um interesse especial em Simon, já que ele foi um Submundano e acreditava que ele seria responsável por grandes mudanças na atitude da Academia em relação a mundanos e Seres do Submundo.[14]

Certa vez, depois de cansar-se de comer sopa em cada refeição, Catarina recrutou a ajuda de Simon para enterrar a terrina na floresta. Ela também estava presente na cerimônia de graduação da Academia, e segurou Simon depois que George Lovelace não conseguiu ascender e morreu.[15] Tendo permanecido na Academia por tempo suficiente para ver a pós-graduação da primeira classe, Catarina pretendia partir depois da Ascensão de Simon.[14]

Mais Tarde

Eventualmente, Catarina acabou na Scholomance. Ela ocasionalmente voltava para a Academia para dar palestras sobre os estudos do Submundo.[4]

Em 2012, Catarina recebeu uma ligação de Diana, solicitando que ela abrisse um Portal no Instituto de Los Angeles para que ela e os Blackthorn, junto com Kit Herondale, pudessem fugir da ira de Malcolm. Ela informou a Diana que não poderia enviá-los para Idris, mas informou-a de seu acordo com o Instituto de Londres, que funcionava bem para eles, e Catarina obedeceu.[10]

Catarina passava seu tempo no Labirinto Espiral trabalhando para descobrir por que feiticeiros de todo o mundo estavam ficando doentes. Eles originalmente acreditavam que isso era causado pelas linhas ley estando corrompidas após Malcolm usá-las para feitiços necromânticos. Catarina conversou com Cristina Rosales e a enviou para investigar em Los Angeles por ela.

Mais tarde, Cristina até ela dizendo que acreditava que a doença estava na verdade sendo causada pela praga, que Catarina concordou em investigar mais. Após essa descoberta, e por causa de suas próprias preocupações crescentes com Magnus, este e Alec viajaram para o Instituto de Los Angeles sob as ordens de Catarina, pois ela acreditava que eles aprenderiam como curá-lo lá. O que acabou sendo verdade. Quando descobriram a cura, Cristina tentou entrar em contato com Catarina novamente, mas ela havia caído em um sono que nenhum dos feiticeiros ao redor do Labirinto Espiral conseguia acordá-la. Em vez disso, Tessa recebeu a mensagem e, após a Caçada Selvagem ter recuperado a cura – a água do Lago Lyn – Catarina foi ajudada e se recuperou.

Catarina então compareceu ao conselho de guerra de Julian Blackthorn e, mais tarde, estava entre a multidão da Vigilância de Livia, que confrontou a Tropa em sua negociação com as fadas da Corte Unseelie. Durante a batalha, ela estava na cidade, ajudando a cuidar dos feridos com Tessa. Quando Jem trouxe o corpo inconsciente de Kit, ela e Tessa vieram correndo e os três correram para trabalhar nele.

Poucas semanas depois, Catarina se juntou aos convidados na praia em Los Angeles, na festa de casamento de Magnus e Alec. Ela e Ragnor fizeram feitiços de glamour para bloquear a área de mundanos e depois ajudaram a montar as mesas de comida. Os dois mais tarde discutiram sobre quem iria escoltar Magnus pelo corredor. Para a frustração de Ragnor, Catarina venceu e ficou ao lado de Magnus no altar.[16]

Catarina logo voltou a ensinar após o exílio da Clave. Embora ela passasse a maior parte do tempo ensinando na nova Academia em Nova York, ela ainda visitava o Scholomance frequentemente para ensinar, reabastecer a enfermaria ou curar doenças mágicas incomuns.

Felizmente, ela estava lá quando Ty Blackthorn encontrou um gatinho lince dos Cárpatos moribundo e foi capaz de lhe oferecer conselhos sobre como fazê-la comer e beber e como cuidar dela. Quando ele desmaiou de seu vínculo com o fantasma de sua irmã, ela também estava lá para ajudar a curar e ficar de olho nele – embora não soubesse do vínculo ou por que ele desmaiou. Ela também recomendou que Anush Joshi voltasse para vê-lo, na esperança de iniciar uma amizade entre eles.[17]

Personalidade e Traços

Magnus sabia que Catarina estava com a magia perigosamente baixa. Ela curava qualquer um que viesse até ela e nunca poupava o suficiente para se proteger.

Magnus sobre Catarina, Os Pergaminhos Vermelhos da Magia

Catarina é uma pessoa trabalhadora e centrada. Ela tem um humor seco e pode ser sarcástica para aqueles que a irritam, mas ela é gentil e tem um forte senso de justiça. Catarina se importa profundamente com seus amigos e sente sua perda tanto quanto, às vezes durante séculos. Ela coloca muito tempo em seu trabalho, tanto para que ela possa se esquecer de dormir ou comer. Devido às horas que ela trabalha, ela lidera uma vida mínima e não se preocupa demais com o conforto, mas sim com a funcionalidade. Catarina também gosta de jogos de cartas, especificamente aqueles que envolvem participações monetárias.

Descrição Física

A marca de feiticeira de Catarina é a sua pele azul escuro. Ela é uma feiticeira magra e jovem com olhos azuis escuros e cabelos brancos como neve. Enquanto com glamour como uma mundana, Catarina ostenta pele escura.

Habilidades e Competências

  • Imortalidade: Como uma feiticeira, Catarina é imortal. Fisicamente, Catarina não envelhece e mantém a aparência de uma jovem durante séculos.
  • Magia: Catarina tem acesso a poderes mágicos, uma vez ou possivelmente mais de uma vez se manifestando como chamas azuis.[13] Ela é particularmente habilidosa em magia de cura.

Relacionamentos

Catarina e Ragnor eram amigos muito próximos, e sua morte a afetou profundamente. Eles costumavam fazer caminhadas e viajavam muito juntos. Após sua morte, Catarina tentou honrar sua memória lecionando na Academia dos Caçadores de Sombras apesar de não gostar dos Nephilim.

Catarina é muito próxima de Magnus e o conhece há muito tempo. Como uma dos poucos amigos imortais que ele tem, eles muitas vezes confiam um no outro sobre seus passados e relembram aqueles que perderam.

Catarina amava muito seu filho adotivo e o considerava um presente para a sociedade mundana, e alguém que os Caçadores de Sombras não mereciam. Ela manteve o segredo de sua existência confinado a seus amigos mais íntimos uma vez que ela sabia que a Clave iria puni-la severamente por salvá-lo. Apesar do perigo que isso a colocou, ela continua feliz e orgulhosa de sua decisão de salvá-lo.[7] Mesmo séculos após sua morte, seu amigo Magnus suspeitou que Catarina não fala dele porque dói demais.[14]

Aparições

Curiosidades

  • Catarina trapaceia em jogos de cartas, de acordo com Magnus.[19]
  • De acordo com Magnus, Catarina inventou os rumores em torno do Monstro do Lago Ness.[10]
  • Catarina está definida para falar com Kit Herondale sobre Ephraim – seu filho adotivo e ancestral dele – algum dia, possivelmente em sua nova casa com Jem e Tessa em Devon.[20]
  • Catarina pode tricotar, uma vez que ela preparou para Mina Carstairs um longo cobertor de malha de lã com seu nome completo como presente para Tessa e Jem por seu nascimento.[17][21]

Referências

Feiticeiros
Aldous Nix † | Alta Feiticeira da Cidade do México | Anne Shade † | Baba Agnieszka | Barnabas Hale | Catarina Loss | Clancy | Dominique du Froid † | Elias † | Elphas | Hypatia Vex | Isaac Laquedem | John Shade † | Kwasi Bediako |
Leopolda Stain † | Madran | Mãe da Dorothea | Magnus Bane | Malcolm Fade † | Marvin | Max Lightwood-Bane |
Mori Shu † | Ragnor Fell | Shinyun Jung | Sra. Black † | Tessa Gray
Esta página utiliza conteúdo de uma página da The Shadowhunters Wiki. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.