FANDOM


Outra versão
ALERTA DE SPOILER: Detalhes do enredo a seguir. Aconselhamos atenção!
Quando meu pai está envolvido, sempre há um preço.

Magnus sobre Asmodeus, Cidade do Fogo Celestial

Asmodeus é um Demônio Maior, particularmente um Príncipe do Inferno e um anjo caído. Ele também é pai do feiticeiro Magnus Bane que, devido ao poder e influência de Asmodeus, é frequentemente perdoado por outros demônios.

História

Príncipe do Inferno

Asmodeus foi um dos seguidores de Lúcifer que caiu com ele em sua revolta contra o Céu. Eles foram banidos para o Inferno, onde Asmodeus logo se tornou o governante do seu próprio reino junto com Lilith, Edom.

Durante o século XVI, um vidente profetizou que seu vício em levar as memórias e emoções humanas seria a sua ruína, embora ele nunca foi incomodado por isso. Ele não se preocupa com a superstição humana.[1]

Prole

Asmodeus supostamente tem muitos filhos: ele tem filhos demoníacos em Edom chamados asmodei, assim como filhos feiticeiros na Terra. Por volta de 2007, a maioria de suas crianças feiticeiras que inicialmente sobreviveram supostamente morreram, presumivelmente porque ele já havia reivindicado sua imortalidade e vidas, que Asmodeus usa para alimentar seu reino. Muitos de seus filhos feiticeiros também morreram porque, embora os filhos dos Demônios Maiores sejam considerados poderosos, eles raramente são estáveis e, de acordo com ele, eram incapazes de prosperar verdadeiramente na Terra ou em qualquer outro mundo sem romper a tensão de quem são.[2]

Magnus Bane é um filho notável dele, através de uma mulher que ele enganou para acreditar que ele era seu marido.[3]

No início de 1600, Asmodeus fez uma visita a um jovem Magnus enquanto ele estava sendo afogado por seu padrasto na Indonésia. Asmodeus sussurrou um feitiço para Magnus que lhe permitiu salvar-se do afogamento, tornando-se uma coluna de fogo, que queimou seu padrasto até a morte. Asmodeus então disse a seu filho para ir e fazer-se digno, e assegurou-lhe que ele podia voltar para reivindicá-lo um dia.[2]

A Mão Carmesim

Asmodeus mais uma vez apareceu a Magnus aproximadamente dois séculos depois, convocado involuntariamente pelas ações e adoração da Mão Carmesim, um culto falso iniciado por Magnus que fez boas ações no nome de Asmodeus. Asmodeus assegurou a Magnus que ele iria colocar todos os seus novos seguidores em bom uso, e removeu suas memórias tanto do culto quanto da aparição de Asmodeus.

Em 2007, durante uma tentativa da nova líder da Mão Carmesim, Shinyun Jung, de sacrificar Magnus para seu pai, Asmodeus foi convocado novamente para a Terra pelos desejos coletivos de seus seguidores reunidos. Ele tentou convencer Magnus a matar Shinyun e sacrificá-la, recuperando assim a Mão Carmesim para si mesmo e permitindo que Asmodeus atravessasse completamente o mundo. Ele também expressou seu orgulho por Magnus e seu desejo de ver seu filho elevado em glória.

Quando Magnus se recusou a aceitar a oferta de seu pai, Asmodeus voltou sua atenção para Shinyun, prometendo-lhe tudo o que Magnus havia recusado se ela o matasse. No entanto, Magnus foi salvo por Alec Lightwood e usou suas forças combinadas para quebrar o pentagrama do ritual e banir Asmodeus, que fez uma última tentativa de reivindicar seu filho, puxando-o para um abismo, que falhou.[2]

Guerra Maligna

O "filho" de Lilith, Sebastian Morgenstern, usou Edom como sua base e recuo, assim como de seu exército, já que é indetectável pelos Nephilim. Os seguidores de Sebastian reconheceram seu poder e muitas vezes dedicaram seus massacres, apresentando as almas ou suas capturas como sacrifícios, a Asmodeus e Lilith, os governantes de Edom.

Quando Sebastian enviou seus representantes Submundanos sequestrados a seu reino, Asmodeus teve o controle sobre a magia e vontade de Magnus. Com isso, Asmodeus enfraqueceu Magnus na esperança de fazê-lo pedir-lhe ajuda, um impulso que Magnus lutou.

Antes de sua morte, Sebastian destruiu os caminhos entre Edom e a dimensão dos Caçadores de Sombras. Desesperado, Magnus chamou seu pai usando uma versão invertida da Oração do Senhor para que seus amigos lhe pedissem que os enviasse de volta à sua dimensão. Depois de uma pequena conversa, ele demonstrou seu poder ao transportar o corpo de Luke, Jocelyn e Jonathan para Alicante.

Sabendo o que Asmodeus queria, Magnus ofereceu trocar sua imortalidade pelo retorno seguro de seus amigos. No entanto, Simon Lewis se ofereceu para dar sua própria imortalidade em vez da de Magnus. Contente de receber seu poder de Diurno e sua imortalidade, Asmodeus alegremente aceitou a de Simon; contudo, por causa da curta vida de Simon, em comparação com as centenas de anos de Magnus, ele também insistia em levar não só a sua imortalidade, mas também suas memórias do Mundo das Sombras, bem como a de seus amigos e famílias, prometendo dar a Simon sua vida mundana de volta em vez de deixá-lo o cadáver morto-vivo de um vampiro que ele era.[4]

Descrição Física

Asmodeus aparece como uma mancha deslocada de sombra antes de evoluir para fora da escuridão como um homem alto, com um rosto humano, pele pálida aparentemente esticada e tensa sobre o osso, e o que se parece com uma coroa de arame farpado em sua cabeça. Ele tem dentes afiados, pontudos e olhos verde-dourados com pupilas em fenda como um gato, assim como os de Magnus. Quando se encontrou com Magnus e seus amigos, ele estava vestido elegantemente em um terno branco puro, com abotoaduras de prata e botões esculpidos em forma de moscas.

Aparições

Curiosidades

  • Jace Herondale mencionou uma vez que ele era um general do exército do Inferno.
  • Em 1929, depois que Aldous Nix abriu um Portal para o Inferno, um demônio falou com Magnus e afirmou ser seu pai.[5] Ele estava incerto sobre a identidade do demônio na época, mas Magnus finalmente descobriu e deve o ter contatado algum tempo depois disso.[4]

Referências

Esta página utiliza conteúdo de uma página da The Shadowhunters Wiki. A lista de autores pode ser vista no histórico da página.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.